Página 1253 do Diário de Justiça do Estado de Pernambuco (DJPE) de 18 de Fevereiro de 2020

Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

Serrita - Vara Única

Vara Única da Comarca de Serrita

Juiz de Direito: Bruno Jader Silva Campos (Titular)

Chefe de Secretaria: Victor Menezes B. de Sá

Data: 18/02/2020

Pauta de Sentenças Nº 00042/2020

Pela presente, ficam as partes e seus respectivos advogados e procuradores, intimados das SENTENÇAS prolatadas nos autos dos processos abaixo relacionados:

Sentença Nº: 2020/00067

Processo Nº: 0000060-92.2019.8.17.1380

Natureza da Ação: Inquérito Policial

Indiciado: A. R. DA S.

Advogado: CE038237 - Leandro Batista de Souza

Vítima Menor: M. L. DA S.

Vítima: M. G. T.

PODER JUDICIÁRIO DE PERNAMBUCOCOMARCA DE SERRITAVARA ÚNICA Autos nº: 0000486-12.2016.8.17.1380 SENTENÇA III -DISPOSITIVO Ante o exposto, e por tudo mais que dos autos consta, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE para absolver ANTÔNIO RAIMUNDO DA SILVA a respeito do art. 129, § 9º do CP c/c art. e da Lei 11340/06, com fulcro no art. 386, V do CPP supostamente praticado em face de MARIA GENI TEMÓTEO, e condená-lo às sanções do art. 21 da LCP; art. 217-A c/c art. 71, caput, todos do Código Penal e art. 344 do CP c/c art. e da Lei 11340/06 e art. VI da Lei 8072/90 , todos praticados em face de MARIA LUIZA DA SILVA. IV -DOSIMETRIA Atendendo as diretrizes do art. 59 e 68 do Código Penal, passo às dosimetrias das penas impostas, o que faço separadamente, em nome do princípio da individualização da pena. DOSIMETRIA DA PENA EM RELAÇÃO Á CONTRAVENÇÃO PENAL PREVISTA NO ART. 21 DA LCP CULPABILIDADE - normal à espécie, nada tendo que se valorar como fato extrapenal; ANTECEDENTES - possuidor de bons antecedentes, a partir do princípio constitucional esculpido no artigo , LVII, da Constituição Federal, não podendo inquéritos policiais e processos criminais em andamento serem valorados para macular essa circunstância; CONDUTA SOCIAL - não possui conduta social desajustada com o meio em que vive; PERSONALIDADE DO AGENTE - não há elementos nos autos aptos a valor a referida circunstância; MOTIVAÇÃO e CIRCUNSTÂNCIAS DO CRIME: integram o próprio tipo penal, não extrapolando a previsão típica. CONSEQUÊNCIAS DO CRIME - normais à espécie. COMPORTAMENTO DA VÍTIMA - nada há digno de registro. Desse modo, em face das circunstâncias judiciais totalmente favoráveis, fixo a pena-base no patamar mínimo legal, a saber, 15 dias de prisão simples. Na segunda fase da dosimetria, observo a ocorrência da circunstância agravante prevista n art. 61, II, f do CPB eis que o acusado é genitor da vítima, de modo que agravo a pena em 2 dias, passando a dosála em 17 dias de prisão simples. Não há atenuantes. Na terceira fase, não verifico a ocorrência de causa de aumento e de diminuição, razão porque torno definitiva a pena desse delito em 17 dias de prisão simples. DOSIMETRIA DA PENA EM RELAÇÃO AOS CRIMES PREVISTOS NO ART. 217-A c/c art. 226, INC. II, 61, Inc. II, ALÍNEA f e 71 DO CPB. Tendo em vista que os crimes de estupros de vulneráveis foram praticados nas mesmas circunstâncias fáticas e com o mesmo modus operandi contra a mesma vítima, para evitar repetições inúteis procederei a dosimetria conjunta, determinando a pena de cada um deles. CULPABILIDADE - o condenado é genitor da vítima, porém, tal circunstância não pode ser analisada negativamente neste momento, sob pena de bis in idem. ANTECEDENTES - possuidor de bons antecedentes, a partir do princípio constitucional esculpido no artigo , LVII, da Constituição Federal, não podendo inquéritos policiais e processos criminais em andamento serem valorados para macular essa circunstância; CONDUTA SOCIAL - não possui conduta social desajustada com o meio em que vive; PERSONALIDADE DO AGENTE - não há elementos nos autos aptos a valor a referida circunstância; MOTIVAÇÃO e CIRCUNSTÂNCIAS DO CRIME: integram o próprio tipo penal, não extrapolando a previsão típica, razão pela qual as deixo de valorar neste momento para evitar o bis in idem; CONSEQUÊNCIAS DO CRIME - malgrado a vítima relate sentir medo do pai, entendo que eventuais alterações comportamentais da ofendida já são sopesadas pelo legislador na previsão abstrata da pena; COMPORTAMENTO DA VÍTIMA - nada há digno de registro. Desse modo, em face das circunstâncias judiciais neutras e favoráveis, fixo a pena-base em 08 (oito) anos de reclusão. Na segunda fase da dosimetria, observo a ocorrência da circunstância agravante prevista n art. 61, II, f do CPB, porém tal parentesco será analisado na terceira fase, deixando de fazê-lo neste momento, sob pena de incidir em bis in idem. Não há atenuantes. Mantenho, nesta fase, a pena outrora fixada. Na terceira fase, verifico não incidirem causas de diminuição, ao passo que reputo existente causa de aumento de pena descrita na norma do artigo 226, inciso II, do Código Penal (o réu é pai da vítima), razão pela qual exaspero a pena em 1/2 (metade), passando a dosá-la em 12 (doze) anos de reclusão, a qual torno definitiva. Nos termos da fundamentação supra, reconheço ainda que o acusado cometeu os delitos previstos no art. 217-A do CP reiteradas vezes durante vários anos (por volta do ano de 2012) de forma continuada, aplicando-se no caso, as regras do sistema de exasperação da continuidade delitiva (art. 71 do CP) no mínimo previsto neste dispositivo (1/6), razão porque acresço 2 (dois) anos à pena concernente aos delitos do art. 217-A, totalizando, quanto a estes crimes, 14 (quatorze) anos de reclusão. DOSIMETRIA DA PENA EM RELAÇÃO AO CRIME PREVISTO NO ART. 344 do CPB CULPABILIDADE - conduta de reprobabilidade acentuada, porém já sopesada em abstrato pelo legislador. ANTECEDENTES - possuidor de bons antecedentes, a partir do princípio constitucional esculpido no artigo , LVII, da Constituição Federal, não podendo inquéritos policiais e processos criminais em andamento serem valorados para macular essa circunstância; CONDUTA SOCIAL -não possui conduta social desajustada com o meio em que vive; PERSONALIDADE DO AGENTE - não há elementos nos autos aptos a valor a referida circunstância; MOTIVAÇÃO e CIRCUNSTÂNCIAS DO CRIME: integram o próprio tipo penal, não extrapolando a previsão típica, razão pela qual as deixo de valorar neste momento para evitar o bis in idem; CONSEQUÊNCIAS DO CRIME - normais à espécie. COMPORTAMENTO DA VÍTIMA - nada há digno de registro. Desse modo, em face das circunstâncias neutras e favoráveis, fixo a pena-base no patamar mínimo legal, a saber, 01 (um) ano de reclusão. Na segunda fase da dosimetria, não observo a ocorrência de circunstâncias agravantes ou atenuantes.