Página 640 da Seção I do Diário de Justiça do Estado de Goiás (DJGO) de 9 de Setembro de 2020

Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

Corroboram esse entendimento os seguintes julgados, mutatis mutandis:

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE DESPEJO. EXISTÊNCIA DE CONTRATO VERBAL. NÃO COMPROVAÇÃO. IMPOSSIBILIDADE DE PROVA EXCLUSIVAMENTE TESTEMUNHAL. MANUTENÇÃO DA SENTENÇA RECORRIDA. 1. Tratando-se de suposto contrato verbal, por prazo indeterminado, quando configurado o inadimplemento, o despejo seria a medida adequada, desde que comprovada a relação de aluguel celebrada entre as partes e o inadimplemento do réu . 2. Nos casos em que a lei exigir prova escrita da obrigação, é admissível a prova testemunhal quando houver começo de prova por escrito , emanado da parte contra a qual se pretende produzir aprova. Inteligência do art. 444 do NCPC. 3. Diante da não comprovação pelo autor/apelante da existência do contrato verbal alegado a manutenção da sentença é medida que se impõe. 4. APELO CONHECIDO E DESPROVIDO. (TJGO, APELACAO 0022129-21.2013.8.09.0162, Rel. NORIVAL DE CASTRO SANTOMÉ, 6ª Câmara Cível, julgado em 09/04/2018, DJe de 09/04/2018). Negritei.

Apelação Cível. Ação declaratória. Contrato verbal de compra e venda de imóvel. Prova exclusivamente testemunhal. Inadmissibilidade. Ônus da prova. I- A prova exclusivamente testemunhal só é admitida em contrato cujo valor não exceda o décuplo do maior salário mínimo vigente no país, ao tempo em que foi celebrado, nos termos do art. 401, CPC/1973. II- No caso, por se tratar de contrato de compra e venda de bem imóvel de valor superior ao décuplo do salário mínimo vigente, a utilização de prova exclusivamente testemunhal mostra-se extremamente frágil, mormente se considerado o fato de que a testemunha não presenciou a celebração do pacto, o que leva à conclusão de que as requerentes/apelantes não produziram prova do fato constitutivo de seu alegado direito, nos termos do artigo 333, inciso I, do CPC/1973, reproduzido no artigo 373, I, CPC/2015, sendo a improcedência do seu pedido exordial medida que se impõe. Recurso de apelação conhecido e desprovido. (TJGO, APELACAO CIVEL 136965-10.2014.8.09.0085, Rel. DES. CARLOS ALBERTO FRANCA, 2A CÂMARA CIVEL, julgado em 17/05/2016, DJe 2035 de 30/05/2016). Negritei.