Página 22210 da Judiciário do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2) de 11 de Setembro de 2020

Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

INTIMAÇÃO

Fica V. Sa. intimado para tomar ciência da Sentença ID 7c15f28

proferida nos autos.

RELATÓRIO

Dispensado, na forma do art. 852-I da CLT.

FUNDAMENTAÇÃO PRESCRIÇÃO

Tendo em vista que a presente reclamatória foi ajuizada em 29/06/2020, bem como a admissão da autora na data de 01/04/2015 (cópia da CTPS de fl. 32), pronuncio a prescrição quinquenal das pretensões condenatórias pecuniárias anteriores a 29/06/2015, nos termos do art. , XXIX, da CRFB/88, extinguindo o processo, no particular, com resolução de mérito, com fulcro no art. 487, II, do CPC, com exceção dos pedidos meramente declaratórios (art. 11 DA CLT) e observada a decisão proferida no julgamento do ARE 709.212/DF e o disposto da Súmula 362 do TST quanto aos depósitos para o FGTS.

SALÁRIOS ATRASADOS

Conforme se verifica, a reclamada confessa que não houve a devida contraprestação pecuniária do mês de abril de 2020, ao argumento de que teve suas atividades suspensas devido à pandemia da COVID-19. Verifica-se, ainda, dos documentos juntados pela reclamada (ID 9343f37), que houve a prestação do serviço, tais como login no sistema, inclusão de observação para aluno, download de aula ministrada.

O contrato de trabalho foi suspenso, nos termos da MP 936/2020, apenas em 05 de maio de 2020 (fls. 122/124), sen§do o primeiro pagamento no prazo de 30 dias (art. 5o, § 2o, II, da MP 936/2020) Desta forma, defiro o pagamento do salário referente ao mês de abril de 2020.

RECOLHIMENTOS PARA O FGTS

Pleiteia a reclamante o recolhimento do FGTS em atraso, especificando os seguintes meses: novembro e dezembro de 2017; junho, julho, novembro e dezembro de 2018; abril, agosto, setembro e novembro de 2019 e janeiro, março, abril e maio de 2020, juntando para tanto, o extrato da sua conta vinculada (ID 0ebfa5e). A reclamada acosta aos autos os comprovantes de recolhimento dos meses apontados (Ids 0dd06aa, a09a043, 5eba5e7 e e3d932a). Ante a comprovação do pagamento das verbas requeridas, indefiro o pedido.

RESCISÃO INDIRETA

A reclamante trabalha para a reclamada desde 01/04/2015, estando com o contrato ativo. Houve a suspensão no período de 05/05/2020 a 04/07/2020, em razão da adesão à MP 936/2020 (ID e8f274e).

A resolução do contrato por rescisão indireta, na forma do art. 483 da CLT, assim como a dispensa por justa causa do empregado, exige a prática de falta grave pelo empregador, de modo a tornar insustentável a continuidade do vínculo empregatício.

Entendo que a ausência de pagamento de salários inferior a 3 meses (no caso, 1 mês), consoante fundamentação de linhas anteriores, não configura mora contumaz (art. , § 1º, do decreto-lei 368/1968).

A ausência dos depósitos para o FGTS não possui gravidade suficiente para tornar insustentável o vínculo, uma vez que se trata de salário diferido.

Assim, julgo improcedente o pedido de rescisão indireta e, com base na doutrina e na jurisprudência majoritárias, reconheço o pedido de demissão da autora em 11/09/2020.

Em homenagem aos princípios da celeridade e economia processual, defiro o pagamento das seguintes parcelas: - salário de abril de 2020;

- 8/12 de 13º proporcional de 2020

- 12/12 de férias simples (período aquisitivo: 01.04.2019 a 01.04.2020) +1/3.

- 5/12 de férias proporcionais (01.04.2020 a 11.09.2020) + 1/3. Consequentemente, indefiro pagamento de aviso prévio indenizado e sua projeção, multa de 40% de FGTS, entregas de guias necessárias para saque de FGTS e recebimento de seguro desemprego.

Indefiro, ainda, com base na fundamentação acima, a indenização requerida pela estabilidade da MP 936/2020, pois não se trata de dispensa imotivada (art. 10, § 1o, da referida MP).

Incabível a aplicação da multa do artigo 467 da CLT, em face da controvérsia acerca das parcelas. Indevida, ainda, a multa do artigo 477, pois o pedido de demissão foi reconhecido em juízo, não sendo as rescisórias devidas anteriormente.

ANOTAÇÃO DA CTPS

Após o trânsito em julgado da sentença, a reclamante depositará sua CTPS na Secretaria do Juízo e a reclamada será intimada para anotar a data da dispensa em 11/09/2020 também no prazo de cinco dias, sob pena de multa diária de R$ 100,00, limitada a R$ 2.000,00, sem prejuízo do disposto no art. 39, § 1º, da CLT. JUSTIÇA GRATUITA

O art. 790, § 4º, da CLT, com redação conferida pela Lei 13.467/17, deve ser interpretado em consonância com o art. 1º da Lei 7.115/83 e o art. 99, § 3º, do CPC. Assim, presume-se a veracidade da declaração de miserabilidade jurídica, incumbindo à reclamada produzir prova em sentido contrário.

Dispõe a Súmula 463 do TST, ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA. COMPROVAÇÃO (conversão da Orientação Jurisprudencial nº 304 da SBDI-1, com alterações decorrentes do CPC de 2015)- Res. 219/2017, DEJT