Página 2297 do Diário de Justiça do Estado do Pará (DJPA) de 18 de Setembro de 2020

Diário de Justiça do Estado do Pará
mês passado
Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

COMARCA DE TAILÂNDIA

SECRETARIA DA 1ª VARA DE TAILÂNDIA

Número do processo: 0800642-47.2020.8.14.0074 Participação: AUTOR Nome: P. L. J. Participação: ADVOGADO Nome: LUCAS MARTINS SALES OAB: 15580/PA Participação: REU Nome: E. D. P. Participação: TERCEIRO INTERESSADO Nome: P. M. P.

Processo nº 0800642.47.2020.814.0074

DECISÃO

Vistos os autos.

Trata-se de Ação anulatória de ato administrativo com pedido de tutela de urgência proposta por Paulo Liberte Jasper em face de acórdãos nºs acórdãos nºs 46.928 e 56.394, do EGRÉGIO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO PARÁ, órgão de controle externo, representado pelo ESTADO DO PARÁ, pessoa de direito público, devidamente qualificados nos autos, de acordo com o rito do art. 318 e seguintes do Código de Processo Civil.

Afirma o requerente que o Tribunal de Contas do Estado, por meio dos acórdãos 46.928 e 56.394, julgou irregulares suas contas em relação ao CONVÊNIO Nº 111/2007, com a então Secretaria Executiva de Planejamento e Coordenação Geral – SEPLAN, depois denominada de SEPOF, por intermédio do qual houve a transferência de recursos financeiros para pavimentação de vias urbanas, no Município de Tailândia.

Alega que a decisão do órgão de controle externo está contidas com vícios insanáveis, sendo nula de pleno direito, em razão de violação ao devido processo legal, notadamente o contraditório, tendo em vista deixou de apreciar pedido de inspeção quanto ao objeto do convênio contratado; além do que a tomada de contas especial de que resultou o julgamento pela corte de contas fora feito após o prazo de cinco anos, estando prescrita; e que o objeto do convenio fora efetuado, invocando o fundamento do adimplemento substancial do contrato, além do que pede que tal exame pelo órgão de controle não tenha o condão de gerar inelegibilidade do requerente, pela ausência de julgamento pela Câmara de Vereadores, pugnado assim a título de antecipação de tutela urgente no sentido de suspender os efeitos da decisão do Tribunal de Contas, nos termos do art. , I, alínea ‘g’ da LC 64/90.

Vieram os autos conclusos.

Decido.

Entendo pelo deferimento do pedido de tutela de urência.

Dispõem os artigos 294 e 300 do CPC:

“Art. 294. A tutela provisória pode fundamentar-se em urgência ou evidência.

Parágrafo único. A tutela provisória de urgência, cautelar ou antecipada, pode ser concedida em caráter antecedente ou incidental.

Parágrafo único. A tutela provisória de urgência, cautelar ou antecipada, pode ser concedida em caráter antecedente ou incidental.