Página 29 do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE) de 15 de Outubro de 2020

Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

5. Na espécie, no acórdão atacado por meio deste Mandado de Segurança, o TSE manteve a conclusão pela inadmissibilidade do Recurso Extraordinário, sob o fundamento de que foi negado seguimento ao Recurso Especial ante a ausência de um de seus pressupostos de admissibilidade, referente a seu cabimento. Portanto, assentou–se que a matéria devolvida nas razões do Recurso Extraordinário, embora destaque a alegação de possível ofensa a texto constitucional (art. 14, § 3º, inciso V da CF), possui natureza infraconstitucional, impossibilitando, dessa forma, a sua admissão, dada a inexistência de repercussão geral. 6. Com efeito, segundo o entendimento do TSE, a análise dos pressupostos de admissibilidade do Recurso Especial Eleitoral possui natureza infraconstitucional, não ensejando o cabimento de Recurso Extraordinário por ausência de repercussão geral da matéria. Tema 181 de repercussão geral (AgR–RE–REspe 3997/PR, Rel. Min. GILMAR MENDES, DJe 13.12.2017, e AgR– RE–REspe 243–26/MG, Rel. Min. ADMAR GONZAGA, DJe 20.11.2017).

7. Assim, afasta–se a fundamentação da decisão agravada quanto ao trânsito em julgado do decisum atacado por meio deste Mandado de Segurança (Súmula 23 do TSE), mantendo–se, todavia, a negativa de seguimento com base no art. 36, § 6o. do Regimento Interno do TSE e no art. 10 da Lei 12.016/09, entretanto, em razão do óbice previsto no enunciado 22 da Súmula desta Corte Superior, haja vista que a situação traçada nos autos não denota hipótese de teratologia.8. Agravo Regimental parcialmente provido.

(Mandado de Segurança nº 060422175, Acórdão, Relator Min. Napoleão Nunes Maia Filho, Publicação: DJE - Diário de justiça eletrônico, Tomo 51, Data 14/03/2018)

Negritei

AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA. QUEBRA DE SIGILO BANCÁRIO. DECISÃO. TERATOLOGIA DA DECISÃO. INOCORRÊNCIA. DESPROVIMENTO.

1. O mandado de segurança contra atos decisórios de índole jurisdicional, sejam eles proferidos monocraticamente ou por órgãos colegiados, émedida excepcional, somente sendo admitida quando atendidos os seguintes pressupostos: (i) não cabimento de recurso, com vistas a integrar ao patrimônio do Impetrante o direito líquido e certo a que supostamente aduz ter direito; (ii) inexistência de trânsito em julgado; e (iii) tratar-se de decisão teratológica.

2. No caso sub examine, o Tribunal Regional Eleitoral de Roraima consignou que o juiz eleitoral indeferiu a quebra de sigilo por entendê-la desnecessária, considerando a existência de outras provas aptas a aclarar as inconsistências apontadas pelo Ministério Público. Destarte, in casu, não restou configurada qualquer ilegalidade ou abuso na decisão atacada, o que impede a concessão do writ.

3. Agravo regimental desprovido.

(Agravo Regimental em Recurso em Mandado de Segurança nº 10337, Acórdão de 31/05/2016, Relator Min. LUIZ FUX, Publicação: DJE - Diário de justiça eletrônico, Data 30/08/2016, Página 103)

Negritei

ELEIÇÕES 2014. AGRAVO REGIMENTAL NO MANDADO DE SEGURANÇA. DEPUTADO FEDERAL. PROCESSO PRINCIPAL. REGISTRO DE CANDIDATURA. EMBARGOS ACOLHIDOS COM EFEITOS INFRINGENTES. EQUÍVOCO RECONHECIDO PELO TRE/RS. QUITAÇÃO ELEITORAL ATESTADA PELO TRIBUNAL DE ORIGEM. FATO SUPERVENIENTE CONSIDERADO ANTE A SINGULARIDADE DO CASO CONCRETO. REGISTRO DE CANDIDATURA DEFERIDO. INTERPOSIÇÃO. DECISÃO TRANSITADA EM JULGADO. NÃO CABIMENTO. ENUNCIADO Nº 268 DA SÚMULA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. DESPROVIMENTO.

1. O mandado de segurança contra atos decisórios de índole jurisdicional, sejam eles proferidos monocraticamente ou por órgãos colegiados, émedida excepcional, somente sendo admitida em bases excepcionais, atendidos os seguintes pressupostos: (i) não cabimento de recurso, com vistas a integrar ao patrimônio do Impetrante o direito líquido e certo a que supostamente aduz ter direito; (ii) inexistência de trânsito em julgado; e (iii) tratar-se de decisão teratológica.

2. No caso sub examine, a decisão judicial, ora impugnada, transitou em julgado em 9.11.2014, conforme se depreende do andamento processual constante do Sistema de Acompanhamento Processual desta Justiça Especializada, circunstância que per se bastaria para inviabilizar, por completo, o processo mandamental em referência, porquanto a ação de mandado de segurança não consubstancia sucedâneo de ação rescisória.

3. O mandado de segurança afigura-se incabível, máxime porque voltado contra decisão judicial com trânsito em julgado, incidindo, na espécie, o Enunciado da Súmula do Supremo nº 268, in verbis: "Não cabe mandado de segurança contra decisão judicial com trânsito em julgado."

4. A circunstância superveniente que altera o quadro fático inicialmente delineado pela instância a quo decorre de erro reconhecido pelo próprio Tribunal de origem, motivo pelo qual esta Corte Superior não pode renunciar àsua condição de instância protetora dos direitos políticos fundamentais e do regime democrático, devendo reconhecer o atendimento ao requisito de quitação eleitoral insculpido no art. 11, § 1º, VI, da Lei nº 9.504/97.

(...)

6. Agravo regimental desprovido.

(Agravo Regimental em Mandado de Segurança nº 2582, Acórdão de 27/09/2016, Relator Min. LUIZ FUX, Publicação: DJE -Diário de justiça eletrônico, Data 31/10/2016, Página 10)

Negritei

No mesmo sentido também éfirme o posicionamento dos Tribunais Regionais Eleitorais:

MANDADO DE SEGURANÇA. PEDIDO DE BUSCA E APREENSÃO. LIMINAR. INDEFERIDA. DIREITO LÍQUIDO E CERTO. INEXISTÊNCIA. DECISÃO COMBATIDA DEVIDAMENTE FUNDAMENTADA. ILEGALIDADE OU TERATOLOGIA. NÃO CONFIGURADA. DENEGAÇÃO DA ORDEM.

1. "(...) O mandado de segurança éremédio constitucional destinado a prevenir e coibir ilegalidade ou abuso de poder em face de direito líquido e certo, demonstrado, de modo inequívoco, na petição inicial. 2. Na linha da jurisprudência do Superior