Página 10 da Seção 1 do Diário Oficial da União (DOU) de 12 de Setembro de 2012

Diário Oficial da União
há 6 anos

ANEXO I

REQUISITOS OPERACIONAIS CONJUNTOS (ROC) PA RA ARMA LEVE ANTICARRO (ALAC)

(ROC Nº 12/2012)

TÍTULO

ARMA LEVE ANTICARRO (ALAC)

DESCRIÇÃO DOS REQUISITOS

Os requisitos a seguir foram obtidos pela consolidação das características operacionais e técnicas comuns de emprego das três Forças Armadas, constantes em suas documentações orientadoras e normativas, após reuniões coordenadas pela Comissão de Logística Militar (COMLOG), realizadas no Ministério da Defesa, em 2012.

Os requisitos estão divididos em absolutos, desejáveis e complementares. Os absolutos são obrigatórios na ARMA LEVE ANTICARRO (ALAC). Os desejáveis, não obrigatórios, devem ser buscados pelo incremento da operacionalidade e os complementares, não obrigatórios ou desejáveis, valorizam a melhor escolha.

I- Absolutos (RA)

1. ser composta por uma unidade de tiro pré-carregada e pronta para o tiro.

2. possuir munição dotada de um sistema de propulsão que lhe permita atingir um alvo a 300 (trezentos) metros em um intervalo de tempo de, no máximo, 2 (dois) segundos.

3. constituir-se em um conjunto que possa ser conduzido e operado por um só homem equipado e com armamento individual.

4. possuir tubo de lançamento descartável.

5. possuir características necessárias de rusticidade que lhe permitam ser operada e manutenida, sob quaisquer condições climáticas e em qualquer ambiente operacional.

6. ser dotada de um sistema de pontaria fixo, que permita a visada direta de alvo estacionário ou em movimento, provida de uma capa protetora deslizante, resistente e com trava.

7. possuir alcance de utilização igual ou superior a 400 (quatrocentos) metros.

8. permitir ser manuseada, em campanha, com nível de cuidado semelhante ao requerido pelas armas convencionais.

9. ser dotada de dispositivos de segurança que evitem o disparo acidental durante o seu manuseio, transporte ou preparação para o tiro.

10. possuir munição dotada de uma cabeça de guerra, como poder de penetração superior a 300 (trezentos) mm em chapas de aço superpostas, padrão OTAN, com ângulo de incidência de 0 (zero) grau e dentro de seu alcance de utilização.

11. possuir velocidade de boca superior a 200 (duzentos) m/s.

12. possuir dispositivo de segurança que permita armar a espoleta entre 10 (dez) a 20 (vinte) metros da boca.

13. possuir a arma uma vida útil mínima de 10 (dez) anos quando, armazenada em condições adequadas.

14. permitir a entrada em posição e a preparação para o tiro em intervalo de tempo menor que 5 (cinco) segundos.

15. ser passível de uso em ambientes com elevados índices de salinidade, de umidade ou de poeiras, bem como a exposição a névoa salina, de acordo com norma MIL-STD-810-E Método 509, ou equivalente.

16. possibilitar o treinamento, com reaproveitamento do tubo e uso de sub-calibre ou carga inerte.

17. possuir bandoleira ou outro dispositivo que permita ao operador transportar a arma de forma equilibrada e confortável.

II - Desejaveis (RD)

1. permitir a sua operação por pessoal habilitado após treinamento de, no máximo, 8 (oito) horas/homem.

2. ter possibilidade de ser operado por elementos de qualquer qualificação militar.

3. possuir munição que, no disparo, não gere emissão de rastro, chama ou fumaça.

4. permitir o seu uso em frente de uma massa com distância mínima de 10 (dez) metros.

5. não apresentar recuo por ocasião do disparo.

6. resistir aos choques decorrentes do seu manuseio ou do transporte.

7. poder sofrer quedas, em lançamentos aeroterrestres, sem perder suas características técnicas.

8. poder ser apoiada no ombro do atirador para a execução do tiro.

9. ter possibilidade de utilizar simulador para o treinamento dos atiradores.

10. admitir a integração de dispositivos de visão noturna que permitam a realização de tiro em condições precárias de visibilidade.

11. permitir a utilização de munição termobárica.

III- Complementares (RC)

Possuir dispositivo que proteja a arma durante lançamento aeroterrestre.

ANEXO II

REQUISITOS OPERACIONAIS CONJUNTOS (ROC) PA RA MORTEIRO MÉDIO ANTECARGA

81 MM (Mrt Me A Cg 81 mm)

(ROC Nº 13/2012)

TÍTULO

MORTEIRO MÉDIO ANTECARGA 81 MILÍMETROS (Mrt Me A Cg 81 mm)

DESCRIÇÃO DOS REQUISITOS

Os requisitos a seguir foram obtidos pela consolidação das características operacionais e técnicas comuns de emprego das três Forças Armadas, constantes em suas documentações orientadoras e normativas, após reuniões coordenadas pela Comissão de Logística Militar (COMLOG), realizadas no Ministério da Defesa, em 2012.

Os requisitos estão divididos em absolutos, desejáveis e complementares. Os absolutos são obrigatórios no MORTEIRO MÉDIO ANTECARGA 81 mm (Mrt Me A Cg 81 mm). Os desejáveis, não obrigatórios, devem ser buscados pelo incremento da operacionalidade e os complementares, não obrigatórios ou desejáveis, valorizam a melhor escolha.

I- Absolutos (RA)

1. ser de calibre 81 (oitenta e um) mm.

2. possuir características necessárias de rusticidade que lhe permitam ser operado e manutenido sob quaisquer condições climáticas e em qualquer ambiente operacional.

3. apresentar desempenho normal mesmo quando empregado em ambientes providos de lama, areia, água, etc.

4. possuir peças com proteção e tratamento superficial (fosfatização) resistentes aos agentes ambientais e água salgada, bem como a exposição a névoa salina, de acordo com a Norma MIL-STD-810-E Método 509, ou equivalente.

5. possuir acabamento externo que evite a reflexão da luz (Peso nove).

6. possuir índice de disponibilidade superior a 90 % (noventa por cento) (relação entre o tempo médio entre falhas e a soma deste com o tempo para a reparação das falhas).

7. possibilitar operação por uma guarnição de até 4 (quatro) homens.

8. possibilitar a execução, por guarnição adestrada, de todas as operações de entrada em posição, terreno plano e limpo, no tempo máximo de 5 (cinco) minutos, incluído pontaria inicial e disparo do primeiro tiro.

9. permitir ajuste do tiro, por guarnição adestrada, em tempo máximo de 5 (cinco) minutos e com no máximo 4 (quatro) tiros.

10. permitir a saída de posição em um tempo máximo de 3 (três) minutos com todo o material em ordem de marcha.

11. possuir mecanismo de pontaria que permita o ajuste em elevação na faixa de 800 (oitocentos) milésimos a 1.500 (mil e quinhentos) milésimos.

12. possuir mecanismo de pontaria que permita o ajuste em direção de, no mínimo, 100 (cem) milésimos à esquerda ou à direita, a partir do centro.

13. possibilitar a realização de tiro, por guarnição adestrada, com cadência mínima de tiro de 10 (dez) tiros por minuto, com munição adotada pelas Forças Armadas.

14. permitir o tiro com todos os tipos de munição padrão Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).

15. possuir peso total menor que 450 N (quatrocentos e cinqüenta newtons) (aproximadamente 45 kgf).

16. ter o peso de cada componente transportável inferior a 150 N (cento e cinqüenta newtons) (aproximadamente 15 kgf).

17. possuir tubo com comprimento inferior a 1,45 m (um vírgula quarenta e cinco metros).

18. possuir alcance mínimo superior a 100 (cem) metros. 19. possuir alcance máximo maior que 5.500 (cinco mil e quinhentos) metros.

20. propiciar condições seguras de operação à guarnição. 21. permitir firme ancoragem no terreno.

22. possuir tabelas de tiro para todo tipo de munição adotada pelas Forças Armadas.

23. permitir montagem e desmontagem para a manutenção de 1º escalão no campo, sem o uso de equipamentos especiais.

24. possibilitar o transporte pela guarnição de todo o material de limpeza necessário à manutenção de 1º escalão.

25. dispor de catálogo de suprimento contendo: número de identificação, descrição e quantidade por arma, relativos a todas as peças, componentes e sobressalentes.

26. possibilitar o seu transporte, quando a guarnição deslocar-se a pé por terreno irregular, a uma velocidade superior a 3 (três) km/h.

27. possuir bandoleira ou outro dispositivo que permita aos elementos da guarnição transportar as partes da arma de forma equilibrada e confortável.

28. possuir placa-base que permita o tiro em 6.400 (seis mil e quatrocentos) milésimos, sem refazer a ancoragem da peça.

29. possuir aparelho de pontaria que permita a realização de tiro diurno e tiro noturno.

30. possuir ferramentas, equipamentos, dispositivos e calibradores para todos os escalões de manutenção do material.

31. possuir, como acessório, equipamento para a remoção de granadas falhadas no interior do tubo (saca-granadas).

32. permitir a desabilitação do percutor durante a manipulação de granadas falhadas no interior do tubo.

33. dispor de catálogo de suprimento contendo: número de referência da empresa, número de estoque da OTAN (NSN), descrição e quantidade por arma, relativos a todas as peças, componentes e sobressalentes.

II- Desejáveis (RD)

1. possuir no máximo 6 (seis) peças para a desmontagem e montagem de 1º escalão.

2. possibilitar a montagem das peças que o compõem em uma única posição.

3. possuir simulador de tiro para adestramento da guarnição.

4. possuir proteção para a boca do tubo (coifa).

5. ser pintado nas cores e padrões estabelecidos pelo Exército Brasileiro.

6. permitir o uso de munição assistida.

III- Complementares (RC)

Ser pintado nas cores e padrões estabelecidos por cada Força Armada.

ANEXO III

REQUISITOS OPERACIONAIS CONJUNTOS (ROC) PA RA MORTEIRO LEVE ANTICARGA

60 MM (Mrt L A Cg 60 mm)

(ROC Nº 14/2012)

TÍTULO

MORTEIRO LEVE ANTICARGA 60 MILÍMETROS (Mrt L A Cg 60 mm)

DESCRIÇÃO DOS REQUISITOS

Os requisitos a seguir foram obtidos pela consolidação das características operacionais e técnicas comuns de emprego das três Forças Armadas, constantes em suas documentações orientadoras e normativas, após reuniões coordenadas pela Comissão de Logística Militar (COMLOG), realizadas no Ministério da Defesa, em 2012.

Os requisitos estão divididos em absolutos, desejáveis e complementares. Os absolutos são obrigatórios no MORTEIRO LEVE ANTICARGA 60 mm (Mrt L A Cg 60 mm). Os desejáveis, não obrigatórios, devem ser buscados pelo incremento da operacionalidade e os complementares, não obrigatórios ou desejáveis, valorizam a melhor escolha.

I- Absolutos (RA)

1. ser de calibre 60 (sessenta) mm.

2. possuir características necessárias de rusticidade que lhe permitam ser operado e mantido sob quaisquer condições climáticas e em qualquer ambiente operacional.

3. apresentar desempenho normal mesmo quando empregado em ambientes providos de lama, areia, água, etc.

4. possuir peças com proteção e tratamento superficial (fosfatização) resistentes aos agentes ambientais e água salgada, bem como a exposição a névoa salina, de acordo com norma MIL-STD-810-E Método 509, ou equivalente.

5. possuir acabamento externo que evite a reflexão da luz. 6. possuir índice de disponibilidade superior a 90% (noventa por cento) - relação entre o tempo médio entre falhas e a soma deste com o tempo para a reparação das falhas.

7. possibilitar operação por uma guarnição de 2 (dois) homens.

8. possibilitar a execução, por guarnição adestrada, de todas as operações de entrada em posição, terreno plano e limpo, no tempo máximo de 4 (quatro) minutos, incluindo a realização da pontaria inicial e disparo do primeiro tiro.

9. permitir ajuste do tiro, por guarnição adestrada, em tempo máximo de 3 (três) minutos e com no máximo 4 (quatro) tiros.

10. permitir a saída de posição em um tempo máximo de 3 (três) minutos com todo o material em ordem de marcha.

11. possuir mecanismo de pontaria que permita o ajuste em elevação na faixa de 800 (oitocentos) milésimos a 1.500 (mil e quinhentos) milésimos.

12. possuir mecanismo de pontaria que permita o ajuste em direção de no mínimo 100 (cem) milésimos à esquerda ou à direita, a partir do centro.

13. possibilitar a realização de tiro, por guarnição adestrada, com cadência mínima de tiro de 10 (dez) tiros por minuto, com munição adotada pelas Forças Armadas.

14. permitir o tiro com todos os tipos de munição padrão Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).

15. possuir peso total menor que 160 N (cento e sessenta newtons) (aproximadamente 16 kgf).

16. ter o peso de cada componente transportável inferior a 70 N (setenta newtons) (aproximadamente 7 kgf).

17. possuir tubo com comprimento inferior a 0,80 m (zero vírgula oitenta metros).

18. possuir alcance útil mínimo de 100 (cem) metros.

19. possuir alcance máximo maior que 2.000 (dois mil) metros.

20. propiciar condições seguras de operação à guarnição. 21. permitir firme ancoragem no terreno.

22. possuir tabelas de tiro para todo tipo de munição adotada pelas Forças Armadas.

23. permitir montagem e desmontagem para a manutenção de 1º escalão no campo, sem o uso de equipamentos especiais.

24. possibilitar o transporte pela guarnição de todo o material de limpeza necessário à manutenção de 1º escalão.

25. dispor de catálogo de suprimento contendo: número de referência da empresa, número de estoque da OTAN (NSN), descrição e quantidade por arma, relativos a todas as peças, componentes e sobressalentes.

26. dispor de Manual de Operação e Manutenção e publicações técnicas referentes a manutenção, incluindo descrição técnica, vista explodida do armamento, todos em língua portuguesa.

27. possibilitar o seu transporte, quando a guarnição deslocar-se a pé por terreno irregular, a uma velocidade superior a 3 (três) km/h.

28. possuir bandoleira ou outro dispositivo que permita aos elementos da guarnição transportar as partes da arma de forma equilibrada e confortável.

29. possuir placa-base que permita o tiro em 360º (trezentos e sessenta graus), sem a necessidade de se refazer a ancoragem.

30. possuir ferramentas, equipamentos, dispositivos e calibradores para todos os escalões de manutenção do material.

31. possuir aparelho de pontaria que permita a realização de tiro diurno e tiro noturno.

32. permitir a desabilitação do percutor durante a manipulação de granadas falhadas no interior do tubo.

II- Desejáveis (RD)

1. possuir no máximo 6 (seis) peças para a desmontagem e montagem de 1º escalão.

2. possibilitar a montagem das peças que o compõem em uma única posição.

3. possuir simulador de tiro para adestramento da guarnição.

4. possuir proteção para a boca do tubo (coifa).

5. possuir dispositivo que proteja a arma durante lançamento aeroterrestre.

III- Complementares (RC)

Ser pintado nas cores e padrões estabelecidos por cada Força Armada.