Página 37 da Empresarial do Diário Oficial do Estado de São Paulo (DOSP) de 30 de Abril de 2008

PADTEC S. A .

CNPJ: 03.549.807/0001-76

BALANÇO PATRIMONIAL

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E 2006 (Valores expressos em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL

A Padtec S.A. é uma Companhia originária da Fundação CPqD - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (“CPqD”) e está localizada na Rodovia Campinas/Mogi-Mirim (SP 340), Km 118,5, na cidade de Campinas em São Paulo. Em junho de 2002 foi transformada em Padtec S.A.

A Padtec S.A. tem elevado grau de especialização e está focada em equipamentos para sistemas de comunicações ópticas. Traz para a área industrial a competência e a tecnologia desenvolvida pelo CPqD em sistemas de comunicação óptica.

A Padtec S.A. é uma Companhia pioneira no Brasil em desenvolvimento e fabricação de sistemas ópticos de alta capacidade e foi a primeira Companhia a apresentar módulos de transmissão óptica em 2,5 Gb/s e um sistema DWDM - Density Wavelength Division Multiplexing, fabricado integralmente com tecnologia brasileira. É também pioneira em sistemas ópticos de proteção de rota e em sistemas WDM - Wavelength Division Multiplexing bidirecionais, trabalhando na janela de 1300 nm e 1550 nm. A Companhia tem por objeto social a industrialização, a comercialização, a importação e a exportação de materiais, componentes e produtos eletrônicos de comunicações e de informática e a prestação de serviços de consultoria.

Em 2007, a Companhia, buscando consolidar a sua participação correspondentes encargos financeiros.

4. DISPONIBILIDADES

2007 2006

Caixa 5 1

Bancos 2.196 2.565

Aplicações financeiras de liquidez imediata:

União dos Bancos Brasileiros S.A. - Unibanco 13.096 -

Banco Safra S.A. 6.764 -

Banco Bradesco S.A. 5.042 -

Banco Safra S.A. - Fundo de investimento financeiro - 1.000

24.902 1.000

27.103 3.566 5. CLIENTES

2007 2006

Contas a receber:

. em moeda nacional 35.520 26.030

. em moeda estrangeira 275 390

35.795 26.420

(-) Provisão para devedores duvidosos (677) (120)

35.118 26.300 6. ESTOQUES

2007 2006 No dia 1º de novembro de 2006 a Companhia solicitou o parcelamento do Cofins, IRPJ, CSLL e Pis. Em 19 de janeiro de 2007, a Receita Federal do Brasil deferiu o referido parcelamento, cuja posição em 31 de dezembro de 2007 está demonstrada a seguir:

Quantidade de parcelas Saldo em 31/12/2007

Total do débito Data da Pagas até Curto Longo

Tributos a ser parcelado consolidação Totais 12/31/07 Restantes Prazo Prazo Total Cofins 1.623 01/11/06 59 13 46 341 1.022 1.363 IRPJ 1.356 01/11/06 59 13 46 280 841 1.121 CSLL 434 01/11/06 59 13 46 89 270 359 Pis 297 01/11/06 59 13 46 65 184 249

3.710 775 2.317 3.092

14. TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS

2007 2006

Fundação CPqD

Passivo

Serviços de desenvolvimento tecnológico 3,117 4,751

Locação de equipamentos - 604

outras contas a pagar 269 2

3,386 5,357

Receitas

Vendas de produtos 1,167 151

Despesas/custos

Serviços de desenvolvimento tecnológico 5,820 4,435

Aluguel 721 633

Manutenção e conservação 683 93

Locação de equipamentos - 20

Outros serviços 437 136

7,6 61 5 , 317

Os valores contratados são estipulados nos diversos Planos de Trabalho específicos firmados pela Companhia e o CPqD, os quais levam em consideração o objetivo do plano, resultados esperados, prazo para desenvolvimento, recursos aplicados (humanos e materiais), requisitos técnicos, administrativos e de suporte, orçamento e fontes de recursos e, se necessário, índice de reajuste/atualização dos valores orçados, cronograma de desembolsos dos recursos, normas de sigilos e restrições ou limitações de uso e de divulgação, propriedade dos resultados e outros dados considerados necessários à execução da atividade proposta no Plano de Trabalho.

As transações com partes relacionadas são realizadas nas condições descritas. Caso fossem realizadas com terceiros, os resultados das operações poderiam ser diferentes, pois o desembolso nestas operações seriam mais onerosas para a Companhia.

Serviços de desenvolvimento tecnológico

A Padtec S.A. é uma Companhia de tecnologia cujos produtos, especificamente, exploram as potencialidades das comunicações ópticas. No Brasil, há dois centros de excelência nesse assunto, o CPqD e a Unicamp.

As atividades de pesquisa e desenvolvimento são fundamentais ao sucesso e a perenização da Companhia. Essas atividades se dividem em duas frentes:

i.Pesquisa e desenvolvimento em novas tecnologias de produtos e sistemas.

ii.Desenvolvimento de produtos com base em tecnologias já pesquisadas.

As atividades da Padtec concentram-se na segunda linha e voltam-se diretamente às oportunidades do mercado. Essas atividades têm riscos pequenos.

Os centros de excelência em comunicações ópticas, CPqD e Unicamp realizam os trabalhos de desenvolvimento tecnológico mais próximo à fronteira do conhecimento e, portanto, sujeitos a maior risco. Como forma de manter-se na vanguarda da tecnologia e ofertar soluções de elevado valor agregado, a Padtec fomenta, por meio de convênios, atividades de Pesquisa e Desenvolvimento junto aos centros de excelência em comunicações ópticas, em particular junto ao CPqD, que, coincidentemente, é o sócio majoritário da Companhia. Os valores de serviços tecnológicos junto à parte relacionada são, pois, resultados dos investimentos da Companhia em um centro de excelência em comunicações ópticas visando o desenvolvimento de tecnologias inovadoras para uso em toda gama de soluções ofertadas pela Padtec ao mercado.

15. PATRIMÔNIO LÍQUIDO

15.1 Capital social

Em 21 de março de 2007, por meio da AGE, foi aprovado o aumento do capital social no valor de R$22.500, passando de R$16.082 para R$ 38.582, com a emissão de 1.624.549 novas ações ordinárias, nominativas sem valor nominal.

O capital social, em 2007 e 2006, está representado por 9.203.252 e 7. 578 .70 3 a ç õ e s ordinárias, respectivamente, todas nominativas e sem valor nominal.

2007 2006

Quantidade % Quantidade %

Acionistas de ações de participação de ações de participação

Fundação CPqD - Centro

de Pesquisa e

Desenvolvimento em

Telecomunicações 6.055.246 65,79% 5.874.741 77,52% IdeiasNet S.A. 3.148.000 34,21% 1.703.958 22,48%

Outros 6 0,00% 4 0,00%

9.203.252 100,00% 7.578.703 100,00%

15.2 Ajustes de exercícios anteriores

Em 2006, o principal valor do ajuste de exercícios anteriores referia-se a um equívoco no lançamento de uma nota fiscal de serviços ao invés de produto. 15.3 Reserva Legal

Conforme preconiza a legislação societária, a reserva legal foi constituída com a destinação de 5% do lucro líquido do exercício, após compensação dos prejuízos acumulados e ajustes.

15.4 Dividendos e Juros sobre capital próprio

O estatuto social prevê a distribuição de dividendo mínimo obrigatório de 25% do lucro líquido (1% em 2006) ajustado na forma da Lei societária. A proposta de distribuição de dividendos e de constituição de reserva de lucros da Administração à Assembléia Geral Ordinária é conforme segue:

2007 2006

Lucro líquido do exercício 18.456 9.746

(-) Prejuízos acumulados até 31 de dezembro de 2005 - (4.496)

(-) Ajustes de exercícios anteriores - (1.858)

Constituição da reserva legal (923) (170)

(=) Base de cálculo dos dividendos 17.533 3.222

(x) Porcentual estipulado no estatuto social 25% 1%

(=) Valor apurado 4.383 32

(-) Juros sobre capital próprio (1.491) -

(=) Dividendos propostos 2.892 32

Juros sobre capital próprio – A companhia optou pelo pagamento de juros sobre capital próprio, no montante de R$ 1.491, com retenção de imposto de renda na fonte no valor de R$224. Os juros compõem os dividendos do exercício de 2007. O artigo da lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, permite a dedutibilidade, para fins de imposto de renda e da contribuição social, dos juros sobre o capital próprio pagos ou creditados aos acionistas, calculados sobre as contas do patrimônio líquido e limitados à variação “pro rata die”, da Taxa de Juros de Longo Prazo – TJLP.

16.IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL DIFERIDOS

no mercado internacional para atender a crescente demanda por seus produtos, estabeleceu uma Sucursal na Argentina e constituiu representantes comerciais na Colômbia e no México.

2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

As demonstrações contábeis foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil (Lei nº 6.404/76).

Em 28 de dezembro de 2007, foi promulgada a lei nº 11.638/07, que altera, revoga e introduz novos dispositivos à Lei das Sociedades por Acoes, notadamente com relação ao capítulo XV, sobre matéria contábil, que entra em vigor a partir do exercício que se inicia em 1º de janeiro de 2008. Essa Lei teve, principalmente, o objetivo de atualizar a lei societária brasileira para possibilitar o processo de convergência das práticas contábeis adotadas no Brasil, com aquelas constantes das normas internacionais de contabilidade, e permitir que novas normas e procedimentos contábeis sejam expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários em consonância com os padrões internacionais de contabilidade. Algumas alterações devem ser aplicadas a partir do início do próximo exercício, enquanto outras dependem de normatização por parte dos órgãos reguladores.

As principais modificações que terão efeito a partir do exercício a findarse em 31 de dezembro de 2008 podem ser sumarizadas como segue:

Substituição da Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos pela Demonstração dos Fluxos de Caixa.

Inclusão da apresentação da Demonstração do Valor Adicionado (DVA). Criação da possibilidade da escrituração das transações para atender à legislação tributária e, na seqüência, os ajustes necessários para adaptação às práticas contábeis.

Criação de dois novos subgrupos de contas: (i) Intangível e (ii) Ajustes de Avaliação Patrimonial no patrimônio líquido, para permitir o registro de determinadas avaliações de ativos a preços de mercado, principalmente instrumentos financeiros; registro de variação cambial sobre investimentos societários no exterior, avaliados pelo método de equivalência patrimonial (até 31 de dezembro de 2007 essa variação cambial era registrada no resultado do exercício); ajustes dos ativos e passivos a valor de mercado, em razão de fusão e incorporação ocorrida entre partes não relacionadas e que estiverem vinculadas à efetiva transferência de controle.

Obrigatoriedade da Companhia analisar, periodicamente, a capacidade de recuperação dos valores registrados no ativo imobilizado, intangível e diferido.

Introdução do conceito de ajustes a valor presente para as operações ativas e passivas de longo prazo e para as de curto prazo.

Revogação dos itens c) e d) do parágrafo 1º do artigo 182, da Lei nº 6.404/76, que permitiam o registro de (i) prêmio recebido na emissão de debêntures e (ii) doações e subvenções para investimento diretamente como reservas de capital em conta de patrimônio líquido. Isso significa que as doações e as subvenções para investimento passarão a ser registradas no resultado do exercício. Para evitar a distribuição como dividendos, o montante das doações e subvenções será destinado, após transitar pelo resultado, para reserva de incentivos fiscais.

Eliminação da reserva de reavaliação. Os saldos existentes nas reservas de reavaliação deverão ser mantidos até sua efetiva realização ou estornados até o final do exercício social em que a Lei entrar em vigor. Em razão dessas alterações terem sido recentemente promulgadas, cuja aplicação se dará a partir do exercício de 2008, e ainda dependerem de normatização dos órgãos reguladores para serem aplicadas, a Administração da Companhia avaliará todos os efeitos que essas alterações causarão em suas demonstrações contábeis dos exercícios seguintes.

3. PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS

3.1 Moeda estrangeira

Os efeitos cambiais são registrados mediante a atualização dos ativos e passivos, tendo como contrapartida as contas de receitas e despesas financeiras até a data do balanço. A taxa utilizada na atualização cambial no fechamento do exercício para as contas patrimoniais foi de R$/USD 1,7713.

3.2 Resultado

Apuração do resultado

O resultado das operações é apurado de acordo com o regime contábil de competência do exercício.

Imposto de renda e contribuição social sobre o lucro

O imposto de renda é calculado à alíquota de 15%, mais adicional de 10%, e a contribuição social é calculada pela alíquota de 9%, quando da existência de lucro real.

A compensação dos prejuízos fiscais de imposto de renda e da base negativa da contribuição social está limitada à base de 30% dos lucros tributáveis anuais, sem prazo de prescrição.

3.3 Ativos circulantes

Provisão para devedores duvidosos

A provisão para devedores duvidosos foi constituída pela Administração em montante considerado suficiente para cobrir as eventuais perdas na realização dos créditos dos títulos vencidos, tendo como critério a análise individualizada.

Estoques

As matérias-primas estão avaliadas aos custos médios de aquisição, sendo estes inferiores aos valores de mercado.

Os custos dos estoques de produtos em elaboração e produtos acabados são avaliados ao custo médio de aquisição ou de fabricação, reduzido de provisão para ajustá-los ao preço de mercado, quando este for inferior. 3.4 Ativos não circulantes

Imobilizado

O imobilizado é registrado ao custo de aquisição, formação ou construção e deduzido da depreciação acumulada. As depreciações são calculadas pelo método linear, com base nas taxas que levam em consideração a vida útil dos bens, e estão mencionadas na nota explicativa nº 11.

Demais ativos circulantes e não circulantes

Os demais ativos são registrados pelos seus valores de aquisição, acrescidos dos rendimentos auferidos até a data do balanço e reduzidos, mediante provisão, aos seus valores prováveis de realização, quando aplicável.

3.5 Passivos circulantes

Juros sobre capital próprio

São registrados nos livros contábeis e fiscais como despesa financeira, por ocasião da apropriação dos valores a pagar aos acionistas. Para fins de preparação das demonstrações contábeis são considerados como dividendos pagos e não transitam pelo resultado.

Demais passivos circulantes e não circulantes

Os demais passivos circulantes e não circulantes são demonstrados por valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicáveis, dos no mercado internacional para atender a crescente demanda por Produtos acabados 5.348 2.183

seus produtos, estabeleceu uma Sucursal na Argentina e constituiu Matérias-primas 17.284 9.901

representantes comerciais na Colômbia e no México. Importação em andamento 164 1,036

2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Outros 124 354

As demonstrações contábeis foram elaboradas de acordo com as práticas 22.920 13.474

contábeis adotadas no Brasil (Lei nº 6.404/76). 6. IMPOSTO A RECUPERAR

Em 28 de dezembro de 2007, foi promulgada a lei nº 11.638/07, que altera, 2007 2006

revoga e introduz novos dispositivos à Lei das Sociedades por Acoes, ICMS sobre remessa em trânsito 705 246

notadamente com relação ao capítulo XV, sobre matéria contábil, que entra ICMS 272 -

em vigor a partir do exercício que se inicia em 1º de janeiro de 2008. Essa ISS 180 32

Lei teve, principalmente, o objetivo de atualizar a lei societária brasileira IRPJ recolhido a maior a compensar 144 134

para possibilitar o processo de convergência das práticas contábeis IPI sobre remessa em trânsito 133 37

adotadas no Brasil, com aquelas constantes das normas internacionais CSLL recolhido a maior a compensar 51 52

de contabilidade, e permitir que novas normas e procedimentos contábeis COFINS - 137

sejam expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários em consonância PIS - 27

com os padrões internacionais de contabilidade. Algumas alterações IPI - -

devem ser aplicadas a partir do início do próximo exercício, enquanto Outros - 42

outras dependem de normatização por parte dos órgãos reguladores. 1.485 707

As principais modificações que terão efeito a partir do exercício a findar- Curto prazo 1.176 695

se em 31 de dezembro de 2008 podem ser sumarizadas como segue: Longo prazo 309 12

Substituição da Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 1.485 707

pela Demonstração dos Fluxos de Caixa. O saldo do realizável a longo prazo refere-se ao CIAP – Controle de

Inclusão da apresentação da Demonstração do Valor Adicionado (DVA). Crédito de ICMS do Ativo Permanente R$199 (R$12 em 2006) e crédito Criação da possibilidade da escrituração das transações para atender fiscal de ISS, no montante de R$110, oriundo da Lei nº 12.653 de 17 de à legislação tributária e, na seqüência, os ajustes necessários para novembro de 2006.

adaptação às práticas contábeis. 8. ADIANTAMENTOS

Criação de dois novos subgrupos de contas: (i) Intangível e (ii) Ajustes Benfeitorias em andamento

de Avaliação Patrimonial no patrimônio líquido, para permitir o registro de A Companhia está construindo no terreno da Fundação CPqD - Centro determinadas avaliações de ativos a preços de mercado, principalmente de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (Fundação instrumentos financeiros; registro de variação cambial sobre investimentos CPqD), anexo às suas atuais instalações, um prédio com 1743,58 m2 societários no exterior, avaliados pelo método de equivalência patrimonial que se destinará à ampliação da sua área de produção, almoxarifados (até 31 de dezembro de 2007 essa variação cambial era registrada no e escritórios comerciais e administrativos. Os valores gastos com essa resultado do exercício); ajustes dos ativos e passivos a valor de mercado, construção serão destinados ao pagamento dos futuros aluguéis junto à em razão de fusão e incorporação ocorrida entre partes não relacionadas Fundação CPqD.

e que estiverem vinculadas à efetiva transferência de controle. 9. APLICAÇÕES FINANCEIRAS – LONGO PRAZO

Obrigatoriedade da Companhia analisar, periodicamente, a capacidade Empresa emissora Modalidade Taxa Vencimento 2007 2006 de recuperação dos valores registrados no ativo imobilizado, intangível BVA Empreendimentos Debêntures 100% 01/12/10 4.533 4.053

e diferido. S.A. não do CDI

Introdução do conceito de ajustes a valor presente para as operações conversíveis

ativas e passivas de longo prazo e para as de curto prazo. em ações

Revogação dos itens c) e d) do parágrafo 1º do artigo 182, da Lei nº BVA Empreendimentos Debêntures 107% 01/12/10 1.488 2.258

6.404/76, que permitiam o registro de (i) prêmio recebido na emissão de S.A. não do CDI

debêntures e (ii) doações e subvenções para investimento diretamente conversíveis

como reservas de capital em conta de patrimônio líquido. Isso significa em ações 6.021 6.312

que as doações e as subvenções para investimento passarão a ser Até 2006, as aplicações financeiras estavam vinculadas às operações registradas no resultado do exercício. Para evitar a distribuição como de financiamento de cliente da Padtec, as quais tinham sido dadas em dividendos, o montante das doações e subvenções será destinado, após garantia em favor do Banco BVA S.A.

transitar pelo resultado, para reserva de incentivos fiscais. 10. INVESTIMENTOS

Eliminação da reserva de reavaliação. Os saldos existentes nas reservas Adiantamento para aporte de capital

de reavaliação deverão ser mantidos até sua efetiva realização ou A Companhia efetuou um depósito de R$1.750 equivalente a USD1.000, estornados até o final do exercício social em que a Lei entrar em vigor. para aquisição de todas as ações da CIVCOM DECIVES AND SYSTEMS Em razão dessas alterações terem sido recentemente promulgadas, cuja LTD. e demais transações consideradas nos termos e condições do aplicação se dará a partir do exercício de 2008, e ainda dependerem documento Share Purchase Agreement – SPA (Contrato de Compra de de normatização dos órgãos reguladores para serem aplicadas, a Ações). Essa empresa está localizada em Israel e a negociação final está Administração da Companhia avaliará todos os efeitos que essas prevista para fevereiro de 2008.

alterações causarão em suas demonstrações contábeis dos exercícios 11.IMOBILIZADO

seguintes. Taxa anual de Líquido

3. PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS depreciação Depreciação

3.1 Moeda estrangeira Descrição % Custo acumulada 2007 2006

Os efeitos cambiais são registrados mediante a atualização dos ativos Tangível

e passivos, tendo como contrapartida as contas de receitas e despesas Equipamentos 10 5.112 (931) 4.181 2.241 financeiras até a data do balanço. A taxa utilizada na atualização cambial Computadores

no fechamento do exercício para as contas patrimoniais foi de R$/USD e periféricos 20 470 (188) 282 238

1,7713. Móveis e

3.2 Resultado utensílios 10 287 (92) 195 156

Apuração do resultado Equipamentos

O resultado das operações é apurado de acordo com o regime contábil de telefônicos 10 10 (1) 9 3

competência do exercício. Montagem de

Imposto de renda e contribuição social sobre o lucro equipamento 1 - 1 -

O imposto de renda é calculado à alíquota de 15%, mais adicional de 5.880 (1.212) 4.668 2.638

10%, e a contribuição social é calculada pela alíquota de 9%, quando da Intangível

existência de lucro real. Licença de uso

A compensação dos prejuízos fiscais de imposto de renda e da base de softwares 20 656 (263) 393 94

negativa da contribuição social está limitada à base de 30% dos lucros Marcas e patentes 3 - 3 -

tributáveis anuais, sem prazo de prescrição. 659 (263) 396 94

3.3 Ativos circulantes Total do imobilizado 6.539 (1.475) 5.064 2.732

Provisão para devedores duvidosos 12.EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

A provisão para devedores duvidosos foi constituída pela Administração Modalidade Taxa pactuada Vencimento 2007 2006 em montante considerado suficiente para cobrir as eventuais perdas na Moeda nacional

realização dos créditos dos títulos vencidos, tendo como critério a análise CCB 107% CDI de 28/03/06 a 31/07/08 1.543 4.914

individualizada. Finame TJLP + 4% a.a. de 30/11/07 a 24/11/08 9.951 -

Estoques Finame TJLP + 6,50% a.a. de 15/03/07 a 10/08/07 - 10.035

As matérias-primas estão avaliadas aos custos médios de aquisição, Conta garantida 105% CDI (a.m.) de 16/03/06 a 16/03/07 - 1.000

sendo estes inferiores aos valores de mercado. Moeda estrangeira

Os custos dos estoques de produtos em elaboração e produtos acabados Capital de giro 8,5% a.a. de 15/10/07 a 09/10/08 7.221 -

são avaliados ao custo médio de aquisição ou de fabricação, reduzido de 18.715 15.949

provisão para ajustá-los ao preço de mercado, quando este for inferior. Curto prazo 18.715 13.683

3.4 Ativos não circulantes Longo prazo - 2.266

Imobilizado 18.715 15.949

O imobilizado é registrado ao custo de aquisição, formação ou construção Os empréstimos possuem como garantias avais dos diretores, notas e deduzido da depreciação acumulada. As depreciações são calculadas promissórias e caução dos controladores.

pelo método linear, com base nas taxas que levam em consideração a 13. IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES A PAGAR

vida útil dos bens, e estão mencionadas na nota explicativa nº 11. 2007 2006

Demais ativos circulantes e não circulantes COFINS 2.213 2.432

Os demais ativos são registrados pelos seus valores de aquisição, IRPJ 1.493 2.042

acrescidos dos rendimentos auferidos até a data do balanço e reduzidos, ICMS 1.048 999

mediante provisão, aos seus valores prováveis de realização, quando CSLL 489 683

aplicável. PIS 433 473

3.5 Passivos circulantes INSS 228 18 IRRF 191 2 Representam imposto de renda e contribuição oriundos de prejuízos fiscais

IPI 131 103 e bases negativas de contribuição social, com base em expectativa de

ISS 2 21 geração de resultados tributáveis no futuro.

Outros 230 15 A Companhia realizou totalmente seu ativo fiscal diferido (prejuízos fiscais

6.458 6.788 e base negativa da contribuição social), face aos lucros tributáveis gerados

Curto prazo 4.141 3.944 em 2006 e durante o exercício findo em 31 de dezembro de 2007.

Longo prazo 2.317 2.844 Os valores de imposto de renda e contribuição social são demonstrados

6.458 6.788 como segue: CONTINUA>>>