Página 58 da Seção 3 do Diário Oficial da União (DOU) de 30 de Outubro de 2014

Diário Oficial da União
há 7 anos
Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

Life e Web 2.0 na Educação: o potencial revolucionário das novas tecnologias. São Paulo: Novatec, 2007. Faculdade: FACED; Área: Linguística / Linguística da Língua de Sinais Brasileira. PONTOS: 01 - Políticas linguísticas para surdos. 02 - Língua Brasileira de Sinais -Sintaxe. 03 - Educação bilíngue para surdos. 04 - Escritas de Sinais e Educação de Surdos. 05 - Língua Brasileira de Sinais - Semântica e Pragmática. 06 - Língua Brasileira de Sinais - Fonologia. 07 -Ensino de Líbras na formação de professores de surdos.08 - Ensino de Líbras como segunda língua. 09 - Ensino de Líbras na Educação inclusiva e bilíngue.10 - Ensino de Líbras como primeira língua. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: 01 - BERNARDINO, E. L. Absurdo ou lógica? Os surdos e sua produção linguística. Belo Horizonte: Profetizando Vida, 2000. 02 - BOTELHO, P. Linguagem e letramento na educação dos surdos: ideologias e praticas pedagógica. Belo Horizonte: Autêntica, 2002. 03 - BRITO, Lucinda Ferreira. Por uma gramática de língua de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro: UFRJ, Departamento de Linguística e Filologia, 1995. 04 - CAPOVILLA, F. C., RAPHAEL, W. D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue da Língua de Sinais Brasileira, v 1 e 2. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001. 05 - ESTELITA, M. Elis. Escrita das Línguas de Sinais. Petrópolis: Arara Azul, 2007. 06 - FELIPE, T.; MONTEIRO, M. S. LÍBRAS em contexto. Curso Básico. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto/Secretaria de Educação Especial, 2001. 07 - FERNANDES, E. Surdez e bilinguismo. Porto Alegre: Mediação Editora, 2005. 08 - FINGER, I.; QUADROS, R.M. de. Teorias de aquisição da linguagem. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2008. 09 - GESSER, Audrei. O ouvinte e a surdez: sobre ensinar e aprender a LÍBRAS. São Paulo: Parábola Editorial, 2012. 10 - LIMA-SALLES, H. M. M. (Org.). Bilinguismo dos surdos: questões linguísticas e educacionais. Goiânia: Cânone Editorial, 2007. 11 - NEDER, Maria Lúcia Cavalli. O processo de comunicação na educação a distância: o texto como elemento de mediação entre os sujeitos da ação educativa. In: PRETI, O. et al. (Org.). Educação a distância: ressignificando práticas. Brasília: Líber Livro Editora, 2005. 12 - PEREIRA, Alice T, Cybis; STUMPF, Marianne Rossi; QUADROS, Ronice Müller. . (Orgs.). Coleção Letras Líbras. UFSC: 2008. Disponível em www.líbras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras. 13 - QUADROS, Ronice Muller de. KARNOPP, Lodenir Becker. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre, Artmed, 2004. 14 - QUADROS. Políticas linguísticas e educação de surdos em Santa Catarina: espaço de negociações. Cad. CEDES, maio/ago. 2006, vol.26, nº 69, p.141-161. 15 - SKLIAR, C. A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998. 16 -BERNARDINO, E. L. Absurdo ou lógica? Os surdos e sua produção linguística. Belo Horizonte: Profetizando Vida, 2000. 17 - BOTELHO, P. Linguagem e letramento na educação dos surdos: ideologias

e praticas pedagógica. Belo Horizonte: Autêntica, 2002. Faculdade: FACED; Área: Linguística/Ensino / Aprendizagem de Líbras. PONTOS: 01 - Escritas de Sinais e Educação de Surdos. 02 - Língua Brasileira de Sinais - Sintaxe. 03 - A escrita de sinais no ensino da Líbras como L1 e L2. 04 - Metodologia do ensino de Líbras como primeira língua. 05 - Ensino de Líbras na Educação inclusiva e bilíngue. 06 - Língua Brasileira de Sinais - Fonologia. 07 - Metodologia do ensino de Líbras como segunda língua. 08 - Contraste entre a Líbras e a Língua Portuguesa. 09 - Ensino de Líbras na formação de professores de surdos. 10 - Língua Brasileira de Sinais -Semântica e Pragmática. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: 01 - BERNARDINO, E. L. Absurdo ou lógica? Os surdos e sua produção lingüística. BeloHorizonte: Profetizando Vida, 2000. 02 - BOTELHO, P. Linguagem e letramento na educaçao dos surdos: ideologias e praticas pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2002. 03 - BRITO, Lucinda Ferreira. Por uma gramática de língua de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro: UFRJ, Departamento de Linguística e Filologia, 1995. 04 - CAPOVILLA, F. C., RAPHAEL, W. D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngüe da Língua de Sinais Brasileira, v 1 e 2. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001. 05 - ESTELITA, M. Elis. Escrita das Línguas de Sinais. Petrópolis: Arara Azul, 2007. 06 - FELIPE, T.; MONTEIRO, M. S. LÍBRAS em contexto. Curso Básico. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto/Secretaria de Educação Especial, 2001. 07 -FERNANDES, E. Surdez e bilingüismo. Porto Alegre: Mediação Editora, 2005. 08 - FINGER , I.; QUADROS, R. M. de. Teorias de aquisição da linguagem. Florianópolis:Ed. da UFSC, 2008. 09 - GESSER, Audrei. O ouvinte e a surdez: sobre ensinar e aprender a LÍBRAS. São Paulo: Parábola Editorial, 2012. 10 - LIMA-SALLES, H. M. M. (Org.). Bilingüismo dos surdos: questões lingüísticas e educacionais. Goiânia: Cânone Editorial, 2007. 11 - NEDER, Maria Lúcia Cavalli. O processo de comunicação na educação a distância: o texto como elemento de mediação entre os sujeitos da ação educativa. In: PRETI, O. et al. (Org.). Educação a distância: ressignificando práticas. Brasília: Líber Livro Editora, 2005. 12 - PEREIRA, Alice T, Cybis; STUMPF, Marianne Rossi; QUADROS, Ronice Müller. . (Orgs.). Coleção Letras Líbras. UFSC: 2008. Disponível em www.líbras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/ 13 - QUADROS, Ronice Muller de. KARNOPP, Lodenir Becker. Língua de sinais brasileira: estudos lingüísticos. Porto Alegre, Artmed, 2004. 14 - QUADROS. Políticas linguísticas e educação de surdos em Santa Catarina: espaço de negociações. Cad. CEDES, maio/ago. 2006, vol.26, nº 69, p.141-161. 15 - SKLIAR, C. A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação,1998. Faculdade: FACED; Área: Estudos Linguísticos e Estudos linguísticos das Línguas de Sinais. PONTOS: 01 - Linguística aplicada à educação de surdos. 02 - Língua Brasileira de Sinais -Sintaxe. 03 - Língua Brasileira de Sinais - Semântica e Pragmática. 04 - Língua Brasileira de Sinais - Fonologia. 05 - Língua Brasileira de Sinais - Morfologia. 06 - Escritas de Sinais e Educação de Surdos. 07 - Políticas linguísticas para surdos. 08 - Ensino de Líbras como primeira língua. 09 - Ensino de Líbras como segunda língua. 10 -Contraste entre a Líbras e a Língua Portuguesa Obs.: A Prova Didática deverá ser realizada em Líbras gravada e filmada. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: 01 - BERNARDINO, E. L. Absurdo ou lógica? Os surdos e sua produção linguística. Belo Horizonte: Profetizando Vida, 2000. 02 - BOTELHO, P. Linguagem e letramento na educação dos surdos: ideologias e práticas pedagógica. Belo Horizonte: Autêntica, 2002. 03 - BRITO, Lucinda Ferreira. Por uma gramática de língua de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro: UFRJ, Departamento de Linguística e Filologia, 1995. 04 - CAPOVILLA, F. C., RAPHAEL, W. D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue da Língua de Sinais Brasileira, v 1 e 2. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001. 05 - ESTELITA, M. Elis. Escrita das Línguas de Sinais. Petrópolis: Arara Azul, 2007. 06 - FELIPE, T.; MONTEIRO, M. S. LÍBRAS em contexto. Curso Básico. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto/Secretaria de Educação Especial, 2001. 07 - FERNANDES, E. Surdez e bilinguismo. Porto Alegre: Mediação Editora, 2005. 08 - FINGER, I.; QUADROS, R. M. de. Teorias de aquisição da linguagem. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2008. 09 - GESSER, Audrey. O ouvinte e a surdez: sobre ensinar e aprender a LÍBRAS. São Paulo: Parábola Editorial, 2012. 10 - LIMASALLES, H. M. M. (Org.). Bilinguismo dos surdos: questões linguísticas e educacionais. Goiânia: Cânone Editorial, 2007. 11 - NEDER, Maria Lúcia Cavalli. O processo de comunicação na educação a distância: o texto como elemento de mediação entre os sujeitos da ação educativa. In: PRETI, O. et al. (Org.). Educação a distância: resinificando práticas. Brasília: Líber Livro Editora, 2005. 12 - PEREIRA, Alice T, Cybers; STUMPF, Marianne Rossi; QUADROS, Ronice Müller. (Orgs.). Coleção Letras Líbras. UFSC: 2008. Disponível em www.líbras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/. 13 - QUADROS, Ronice Muller de. KARNOPP, Lodenir Becker. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre, Artmed, 2004. 14 - QUADROS. Políticas linguísticas e educação de surdos em Santa Catarina: espaço de negociações. Cad. CEDES, maio/ago. 2006, vol.26, nº 69, p.141-161. 15 - SKLIAR, C. A surdez: um olhar sobre

as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998. Faculdade: FA DIR/UFGD (Curso de Relações Internacionais); Área: Segurança e Relações Internacionais da América do Sul. PONTOS: 01 - Conceitos e evolução histórica do pensamento em segurança e defesa. 02 - Os estudos de segurança no Pós-Guerra Fria. 03 - A evolução da estratégia brasileira de defesa.04 - As operações de Paz e a (re) construção de Estados.05 - A cooperação internacional na área de defesa. 06 - Instituições internacionais de segurança continente americano07Novas ameaças, fronteiras e defesa na América do Sul. 08 - O (s) regionalismo (s) na América do Sul no século XXI. 09 - Segurança e cooperação na região amazônica10O debate sobre Soberania, legitimidade e intervenções humanitárias. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: 01 - CLAUSEWITZ, CARL VON. Da guerra. 3. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010. 02 - CEPIK, Marcos A.. Segurança Internacional: práticas, tendências e conceitos. São Paulo, Hucitec. 2010. 03 - BUZAN, Barry.; HANSEN, Lene. A evolução dos Estudos de Segurança Internacional. São Paulo: Editora da UNESP, 2012. 04 -BUZAN, Barry; WAEVER, Ole; WILDE, Jaap de. Security: a new framework for analysis. Boulder: Lynne Rienner, 1998. 05 - ADLER, Emmanuel; Barnett, Michael. Security communities. Cambridge: Cambridge University Press, 2002. 06 - MOYA MENA, S. Las Fronteras: Espacios de encuentro y cooperación, San José de Costa Rica, FLACSO Secretaría General y CAF. 2012. 07 - VADELL, Javier Alberto ; CAMPOS, Taiane Las Casas . Os Novos Rumos Do Regionalismo e as Alternativas Políticas na América do Sul. 1. ed. Belo Horizonte: PUC Minas, 2010. 08 - COLLINS, Alan. Contemporary secutity studies. New York: Oxford University Press, 2010. 09 -CARVALHO, LEONARDO ARQUIMIMO DE. Segurança e defesa

na América Latina. Curitiba : Jurua, 2009. 10 - OLIVEIRA, Eliezer Rizzo de. Segurança e defesa nacional: da competição a cooperação regional . São Paulo , 2007. 11 - AYERBE, Luis F. (Org.). Territorialidades, Conflitos e Desafios à Soberania Estatal na América Latina. 1. ed. São Paulo: Fundação Memorial da América Latina, 2012. 12 - MEDINA, Cremilda (org). Fronteiras latino-americanas, Geopolítica do século XXI.". São Paulo. Fundação Memorial América Latina/Cátedra UNESCO.2011. 13 - UZIEL, E. O Conselho de Segurança, as operações de manutenção da paz e a inserção do Brasil no mecanismo de segurança coletiva das Nações Unidas. Brasília: Funag, 2010. 14 - WALZER, Michael. Guerras justas e injustas : uma

argumentação moral com exemplos históricos. são Paulo : Martins Fontes, 2003. 15 - BELLAMY, Alex; WILLIAMS, Paul; GRIFFIN, Stuart. Understanding peacekeeping. Cambridge: Polity Press, 2004. 16 - HOLZGREFE, J. L.; KEOHANE, Robert O. Humanitarian intervention:et-hical, legal and political dilemmas. Londres: Cambridge University Press, 2003. 17 - VILLA, Rafael Antonio Duarte; REIS, Rossana Rocha. A segurança internacional no pós-Guerra Fria: um balanço da teoria tradicional e das novas agendas de pesquisa. BIB, São Paulo, n. 62, 2ºsemestre, p. 19-51, 2006. 18 - PINTO, José Roberto de Almeida (Org.); ROCHA, A. J. R. (Org.) ; SILVA, Roberto Doring Pinho da (Org.) . Reflexões sobre defesa e segurança:

uma estratégia para o Brasil. Brasília: Ministério da Defesa, Secretaria de Estudos e de Cooperação, 2004. 19 - PINTO, José Roberto de Almeida (Org.); ROCHA, A. J. R. (Org.) ; SILVA, Roberto Doring Pinho da (Org.) . O Brasil no cenário internacional de defesa e segurança. 1. ed. Brasília: Ministério da Defesa, 2004. 20 - KALDOR, Mary. New and Old wars, organized violence in a global era. Oxford: Polity Press. 1998. 21 - ALSINO JR. João: JOBIM, Nelson. Segurança Internacional: Perspectivas brasileiras. Rio de Janeiro. Editora FGV, 2010. Faculdade: Faculdade de Engenharia/FAEN; Área: Engenharia de Operações Produtivas. PONTOS: 01 - Estudo de tempos e movimentos. Mapeamento e análise de processos. 02 - Manufatura Integrada por computador (CIM). Aspectos fundamentais: CAD, CAE, CAPP e MRP. Sistemas de automática. Redes de computadores para manufatura. 03 - Sistemas computacionais aplicados aos processos produtivos: Enterprise Resources Planning (ERP). 04 -Gerenciamento de projetos: escopo, cronograma e orçamento. 05 -Layout Industrial. Planejamento sistemático. Tipos de arranjo físico. Dimensionamento de áreas. Movimentação de materiais. Técnicas quantitativas de avaliação. Projeto da fábrica. 06 - Confiabilidade de sistemas e análise do efeito e modo de falhas. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: 01 - BARNES, R. M. Estudo de movimentos e de tempos: projeto e medida do trabalho. São Paulo: Edgard Blücher, 1999. 02 -SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da produção. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2002. 03 - CAIÇARA JR., C. Sistemas integrados de gestão ERP: uma abordagem gerencial. 3 ed. Curitiba: Ibpex, 2008. 04 - CORRÊA, H. L.; GIANESI, I. G. N.; CAON, M. Planejamento, programação e controle da produção: MRP II/ERP: conceitos, uso e implantação. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2007. 05 - LAUDON, K. C., LAUDON, J. P. Sistemas de informação gerenciais. São Paulo: Prentice Hall, 2007. 06 - CARVALHO, M. M.; RABECHINI JR., R. Construindo competências para gerenciar projetos: teoria e casos. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2008. 07 - MEREDITH, J. R.; MANTEL JR., S. J. Administração de projetos: uma abordagem gerencial. 4.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2003. 08 - MOREIRA, D. A. Administração da produção e operações. São Paulo: Pioneira Thomson, 2001.09MUTHER, R.; WHEELER, J. D. Planejamento simplificado de layout: sistema SLP. São Paulo: IMAM, 2008. Faculdade: Faculdade de Engenharia/FAEN; Área: Gerenciamento de Processos Industriais. PONTOS: 01 - Processo da indústria metal-mecânica. Noções sobre metalurgia extrativa. Metais e ligas de aplicação industrial. Fundição. 02 - Principais tratamentos térmicos e de superfície. Montagem e ajustes mecânicos. 03 - Gerenciamento e tecnologias de processamento cerâmico. 04 - Gerenciamento e tecnologias de processamento de polímeros. 05 - Propriedades dos materiais metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos. 06 - Representação gráfica e gerenciamento de sistemas integrados de manufatura (CAD/CAE/CAM). BIBLIOGRAFIA BÁSICA: 01 - CETLIN, P. R.; HELMAN, H. Fundamentos da conformação mecânica dos metais. São Paulo: Artliber, 2005. 02 - DINIZ, A. E.; MARCONDES, F. C.; COPPINI, N. L. Tecnologia da usinagem dos materiais. 6.ed. São Paulo: Artliber, 2008. 03 - MAGUIRE, D. E.; SIMMONS, C. H. Desenho técnico: problemas e soluções gerais de desenho. São Paulo: Hemus, 2004. 04 - SILVA, A. Desenho técnico moderno. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006. 05 - LESKO, J. Design industrial: materiais e processos de fabricação. São Paulo: Edgard Blücher: 2004. 06 -ABMACO. Compósitos I: materiais, processos, aplicações e desempenhos. São Paulo: ABMACO, 2009. 07 - ABMACO. Compósitos II: tecnologia de processos. São Paulo: ABMACO, 2009. 08 - CALLISTER, W. D. Fundamentos da ciência e engenharia de materiais. 2.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006. 09 - PADILHA, A. F. Materiais de engenharia: microestrutura e propriedades. São Paulo: Hemus, 2007. 10 - MANO, E.B.; MENDES, L.C. Introdução a polímeros. 2.ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2004. 12 - PADILHA, A. F. Materiais de engenharia: microestrutura e propriedades. São Paulo: Hemus, 2007. 13 - HARADA, J. Moldes para injeção de termoplásticos: projetos e princípios básicos. São Paulo: Artliber, 2004. 14 - MANO, E.B. Polímeros como materiais de engenharia. São Paulo: Edgard Blücher, 2003. Faculdade: Faculdade de Engenharia/FAEN; Área: Gerenciamento e Otimização de Sistemas Logísticos. PONTOS: 01 - Logística e cadeia de suprimentos: nível de serviço e custos logísticos. Materiais: movimentação, aquisição e distribuição física. 02 - Gerenciamento de transportes, frotas e roteirização de veículos. 03 - Projetos de redes de operações: coordenação, desenvolvimento de fornecedores, previsão de demanda, estoque cíclico e economias de escala. 04 - Gerenciamento de projetos: escopo, cronograma, qualidade e orçamento. 05 - Princípios e técnicas de simulação de sistemas de produção. 06 - Mapeamento, análise de processos e métodos: metodologias, técnicas e ferramentas. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: 01 - BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos/logística empresarial. 5.ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. 02 - BOWERSOX, D. J.; CLOSS, D. J. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. São Paulo: Atlas, 2001. 03 - CHOPRA, S.; MEINDL, P. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégia, planejamento e operação. São Paulo: Prentice Hall, 2003. 04 - PIRES, S. R. I. Gestão da cadeia de suprimentos (supply chain management): conceitos, estratégias, práticas e casos. São Paulo: Atlas, 2004. 05 - SIMCHI-LEVI, D.; KAMINSKY, P.; SIMCHI-LEVI, E. Cadeia de suprimentos: projeto e gestão - conceitos, estratégias e estudos de casos. Porto Alegre: Bookman, 2003. 06 - CARVALHO, M. M.; RABECHINI JR., R. Construindo competências para gerenciar projetos: teoria e casos. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2008. 07 - MEREDITH, J. R.; MANTEL JR., S. J. Administração de projetos: uma abordagem gerencial. 4.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2003. 08 - CHWIF, L.; MEDINA, A. C. Modelagem e simulação de eventos discretos: teoria e aplicações. 2.ed. São Paulo: IMAM, 2007. 09 - FREITAS FILHO, P. J. Introdução à modelagem e simulação de sistemas. 2.ed. Florianópolis: Visual Books, 2008. 10 - CARPINETTI, Luiz Cesar Ribeiro. Gestão da qualidade: conceitos e técnicas. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2012. 11 - FREZATTI, FABIO; . Orçamento empresarial: planejamento e controle gerencial. 3. São Paulo: Atlas, 2006. Faculdade: Faculdade de Engenharia/FAEN; Área: Gerenciamento de Operações e Processos da Produção. PONTOS: 01 - Planejamento e controle da produção: previsão de demanda, capacidade produtiva, programação-mestre e acompanhamento/controle de operações. 02 - Planejamento de necessidades de materiais e recursos de manufatura (MRP/MRPII). 03 - Ferramentas e técnicas da produção enxuta. 04 - Produção Enxuta. Conceito e classificação de perdas. Troca rápida de ferramentas. Controle de qualidade. Zero Defeitos. 05 - Planejamento e controle da produção em sistemas Enterprise Resources Planning (ERP). 06 - Princípios e técnicas de simulação de sistemas de produção. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: 01 - HEIZER, J.; RENDER, B. Administração de operações: bens e serviços. 5.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2001. 02 - TUBINO, D. F. Planejamento e controle da produção: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2007. 03 - CORRÊA, H. L.; GIANESI, I. G. N.; CAON, M. Planejamento, programação e controle da produção: MRP II/ERP: conceitos, uso e implantação. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2007. 04 -ANTUNES, J. (org.). Sistemas de produção: conceitos e práticas para projeto e gestão da manufatura enxuta. Porto Alegre: Bookman, 2008. 05 - OHNO, T. O sistema Toyota de produção: além da produção em larga escala. Porto Alegre: Bookman, 1997. 06 - CAIÇARA JR., C. Sistemas integrados de gestão ERP: uma abordagem gerencial. 3 ed. Curitiba: Ibpex, 2008. 07 - GORDON, S. R.; GORDON, J. R. Sistemas de informação: uma abordagem gerencial. Rio de Janeiro: LTC, 2006. 08 - CHWIF, L.; MEDINA, A. C. Modelagem e simulação de eventos discretos: teoria e aplicações. 2.ed. São Paulo: IMAM, 2007. 09 - FREITAS FILHO, P. J. Introdução à modelagem e simulação de sistemas. 2.ed. Florianópolis: Visual Books, 2008. Faculdade: FA CULDADE DE ENGENHARIA; Área: CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS. PONTOS: 01 - Produção, industrialização, distribuição e comercialização de alimentos no Brasil e no Mundo. 02 - Análise qualitativa e quantitativa de Alimentos por Espectrofotometria na região do ultravioleta/visível. 03 - Análise qualitativa e quantitativa de Alimentos por métodos cromatográficos em papel e