Andamento do Processo n. 0000368-73.2018.8.24.0021 - Inquérito Policial - 18/09/2020 do TJSC

Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

Tribunal de Justiça

EDITAL DE PUBLICAÇÃO DE DECISÕES MONOCRÁTICAS TERMINATIVAS

Nº 2020.026093 Quarta Câmara Criminal

Edital de Publicação de Decisões Monocráticas Terminativas

1.Inquérito Policial - 0000368-73.2018.8.24.0021 - Cunha Porã

Indiciado : Jairo Rivelino Ebeling

Relator: Exmo. Sr. Desembargador Sidney Eloy Dalabrida

DECISÃO MONOCRÁTICA TERMINATIVA

DESPACHO Em atenção ao requerimento do órgão do Ministério Público, certifiquem-se os antecedentes criminais do indiciado, bem como eventuais concessões de benefícios da Lei n. 9.099/95, nos moldes postulados às fls. 298-300. Cumprida a diligência, dê-se nova vista à Procuradoria-Geral de Justiça.

DECISÃO MONOCRÁTICA TERMINATIVA I Cuida-se de Inquérito Policial instaurado em face de Jairo Rivelino Ebeling, atual Prefeito de Cunha Porã, para apuração da suposta prática de crime de responsabilidade (art. , X, do Decreto-Lei n. 201/1967), pois, conforme consta nos autos, no ano de 2014, na condição de Prefeito do município citado, o indiciado teria alienado imóvel público sem a indispensável autorização legislativa específica da Câmara Municipal de Vereadores. Ocorre que, porquanto não verificada a presença de dolo na conduta do alcaide, sobreveio aos autos requerimento da douta Procuradoria-Geral de Justiça, por intermédio do Subprocurador-Geral de Justiça para assuntos jurídicos, Dr. Fábio de Souza Trajano, e do Promotor de Justiça, Dr. Alexandre Reynaldo Oliveira Graziotin, a fim de que seja arquivado o presente Inquérito Policial, nos termos do art. 18 do Código de Processo Penal e do art. , I, da Lei n. 8.038/90 (fls. 298-301). É o relatório. II O pedido comporta acolhida. Isso porque, como se sabe, “na hipótese de ação penal originária, isto é, da que se promove junto ao Supremo Tribunal Federal, Superior Tribunal de Justiça, Tribunais de Justiça, Tribunais Regionais Eleitorais e Tribunais Regionais Federais, se o Procurador-Geral de Justiça ou da República, dentro em suas respectivas áreas, entender dever o inquérito ser arquivado, outra posição não poderá tomar o Tribunal senão acolher o pedido, pelo simples fato de o arquivamento ter sido solicitado pelo próprio Chefe da Instituição” (Código de Processo Penal Comentado. 14. ed. São Paulo: Saraiva, 2012. p. 182). Nesse norte, colaciona-se da jurisprudência da Corte Superior: PENAL. PROCESSO PENAL. NOTITIA CRIMINIS. AÇÃO PENAL PÚBLICA. PEDIDO DE ARQUIVAMENTO FORMULADO POR SUBPROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA. ACOLHIMENTO OBRIGATÓRIO. AGRAVO IMPROVIDO. 1. A atipicidade da conduta e a inexistência de elementos mínimos para a persecutio criminis na visão Ministério Público Federal, titular da ação penal pública, impõe o arquivamento dos autos. 2. O pedido de arquivamento da notitia criminis formulado por Subprocurador-Geral da República, que oficia nesta sede por delegação do Procurador-Geral da República, vincula esta Corte, não sendo aplicável o disposto no art. 28 do Código de Processo Penal. 3. Agravo regimental improvido (AgRg na NC 344/RJ, rel. Min. Arnaldo Esteves Lima, Corte Especial, j. em 3/2/2010, DJUe de 8/3/2010). Mais: PROCESSUAL PENAL. SINDICÂNCIA. COMPETÊNCIA ORIGINÁRIA. PEDIDO DE ARQUIVAMENTO PELO VICE-PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA. IMPOSSIBILIDADE DE OBJEÇÃO AO PLEITO DE ARQUIVAMENTO FORMULADO PELO MINISTÉRIO PÚBLICO. ART. 28 DO CPP. INAPLICABILIDADE. PEDIDO DE ARQUIVAMENTO DEFERIDO. OBSERVADOS OS TERMOS DO ART. 18 DO CPP. I - Sindicância instaurada a partir da notícia da localização, em telefone celular apreendido em investigação criminal, de conversas mantidas por meio de aplicativo de troca de mensagens, nas quais há menção a autoridade detentora de foro por prerrogativa de função previsto no art. 105, I, a, da Constituição

Federal. II - O Ministério Público Federal consigna que não há nos autos indícios de cometimento de crime por parte da autoridade citada nas conversações. III - Jurisprudência pacífica desta Corte Superior no sentido de que o pedido de arquivamento de inquérito formulado pelo Procurador-Geral da República, ou mesmo pelo Vice-ProcuradorGeral da República, nos casos em que oficia por delegação daquele, vincula o STJ, sendo inaplicável a disposição contida no art. 28 da lei adjetiva penal. Precedentes. Inq 473/GO, Rel. Min. Sidnei Beneti, DJe 27/11/2013; Inq 967/DF, Rel. Min. Humberto Martins, DJe 30/3/2015). IV - Pedido de arquivamento deferido, para o fim de determinar o arquivamento da sindicância, observada a possibilidade de reabertura do procedimento, nos termos do art. 18 do CPP (Sd 708/ DF, rel. Min. Francisco Falcão, Corte Especial, j. em 5/12/2018, DJUe de 12/12/2018). Esta Corte não destoa: INQUÉRITO POLICIAL -APURAÇÃO DE CRIME AMBIENTAL PRATICADO, EM TESE, POR PREFEITO MUNICIPAL NO EXERCÍCIO DO MANDATO - MANIFESTAÇÃO DA PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA PELO ARQUIVAMENTO DO FEITO - AUSÊNCIA DE JUSTA CAUSA PARA A PERSECUÇÃO PENAL - ARQUIVAMENTO DETERMINADO. Cabe ao Tribunal de Justiça decretar o arquivamento do inquérito quando assim pretendido pelo titular da Ação Penal, mediante parecer devidamente fundamentado na ausência de justa causa para a sua deflagração (Notícia-Crime n. 0200253-78.2011.8.24.0000, de Abelardo Luz, rel. Des. Getúlio Corrêa, Segunda Câmara Criminal, j. em 18/10/2016). INQUÉRITO POLICIAL CONTRA PREFEITO MUNICIPAL. COMPETÊNCIA ORIGINÁRIA DESTE TRIBUNAL. CRIME DE RESPONSABILIDADE. SUPOSTA PRÁTICA DE UTILIZAÇÃO INDEVIDA DE BENS E SERVIÇOS PÚBLICOS (ART. , II, DO DECRETO-LEI Nº. 201/67). REQUERIDO O ARQUIVAMENTO DO FEITO PELA PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA. FATO NARRADO QUE NÃO CONSTITUI CRIME. PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO ACOLHIDA. A promoção de arquivamento de investigação criminal oriunda de competência originária do Tribunal de Justiça, devidamente fundamentada, é imperiosa, não restando ao Relator outra alternativa a não ser acolher o pleito (Inquérito n. 2010.029752-5, de Itapema, rel. Des. Paulo Roberto Sartorato, Primeira Câmara Criminal, j. em 4/12/2012). Nesse passo, porquanto devidamente fundamentadas as razões do pleito Ministerial, e em atenção ao art. , I, da Lei n. 8.038/90, segundo o qual compete ao relator “determinar o arquivamento do inquérito ou de peças informativas, quando o requerer o Ministério Público, ou submeter o requerimento à decisão competente do Tribunal” (grifou-se), impõe-se o seu acatamento. No mesmo rumo, consulte-se as decisões monocráticas: TJSC, Inquérito Policial n. 0017756-52.2018.8.24.0000, da Capital, rel. Des. Ernani Guetten de Almeida, j. em 19/3/2019; Inquérito Policial n. 0000318-08.2018.8.24.0034, de Itapiranga, rel. Des. José Everaldo Silva, j. em 29/1/2019; e Inquérito Policial n. 0000647-13.2016.8.24.0059, de São Carlos, rel. Des. Moacyr de Moraes Lima Filho, j. em 5/12/2016. III Ante o exposto, acolho o parecer da douta Procuradoria-Geral de Justiça (fls. 298-301) e, por conseguinte, determino o arquivamento do presente feito, com fulcro no art. , I, da Lei n. 8.038/90. I-se.