Busca sem resultado
Teoria Geral do Estado e Ciência Política

Teoria Geral do Estado e Ciência Política

27. Evolução das Instituições e do Pensamento Político V

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

27.1. Instituições políticas e economia capitalista: conflitos e crises

27.1.1. Os blocos europeus

Na realidade, a formação dos blocos presidia a interesses hegemônicos. De um lado, a Inglaterra e de outro, a Alemanha, potências estas em disputa pelo mercado industrial europeu e americano, competindo pela matéria-prima conseguida nas expedições coloniais, especialmente na África.

Em 1904 a Inglaterra, a França e a Rússia formaram a Entente Cordiale. Alemanha, Áustria e Itália, desde 1882, celebravam a Tríplice Aliança, visando um equilíbrio entre poder político, econômico e militar, abarcando as potências europeias, legitimado por meio do Tratado de Utrecht.

Os dois blocos se opunham por motivos econômicos e políticos. A disputa do mercado europeu entre a indústria inglesa e a alemã, os interesses alemães pelos territórios franceses da margem do Reno, além das pretensões russas sobre o Estreito do Bósforo para chegar até Constantinopla – Istambul, capital do Império Otomano, na Turquia, foram algumas das causas da Grande Guerra, ocorrida entre 1914 e 1918.

O famoso atentado de Sarajevo, com a morte do príncipe herdeiro Francisco Ferdinando da Áustria, considerado como estopim da guerra, na realidade foi um pretexto para iniciar a conflagração armada entre os blocos rivais.

27.1.2. A Primeira Guerra Mundial de 1914 a 1918

Os dois blocos se enfrentaram. Alterou-se assim o cenário, uma vez que a Itália, vendo sua tradicional política antiaustríaca que datava do Risorgimento ser invertida, mudou-se para o bloco das potências liberais: Inglaterra e França. Foi então substituída na coalizão dos impérios centrais – Áustria e Alemanha – pela Turquia, reforçando a adesão da Rússia ao bloco anglo-francês, pois, como já dissemos, esta se posicionava sempre no campo oposto ao dos turcos, em sua eterna reivindicação da continuidade entre Bizâncio e Rússia. Além disso, cabe lembrar o apoio incondicional russo à causa sérvia, pautado na orientação pan-eslavista de sua política externa, em choque com a atuação do Império Austro-Húngaro nos Bálcãs. Com isso, o arranjo compreendeu: Inglaterra, França Rússia e Itália (Aliados) contra Alemanha, Áustria e Turquia. Depois, entre inúmeras nações, os Estados Unidos passaram a figurar entre os Aliados. Terminada a Guerra, o Império Turco-Otomano foi partilhado entre França e Inglaterra, o Império Austro-Húngaro foi desmembrado e a Alemanha foi retalhada.

27.1.3. A Revolução Russa de 1917: o comunismo

A situação criada pela derrota do exército da Rússia, aliada da Inglaterra e França, como se viu, deu ensejo à pujança de muitos movimentos de orientação socialista e comunista para protestar contra a guerra e suas desastrosas consequências para a população europeia, tendo como pano de fundo as disputas capitalistas de mercado.

Várias greves comunistas …

Uma nova experiência de pesquisa jurídica em Doutrina. Toda informação que você precisa em um só lugar, a um clique.

Com o Pesquisa Jurídica Avançada, você acessa o acervo de Doutrina da Revista dos Tribunais e busca rapidamente o conteúdo que precisa dentro de cada obra.

  • Acesse até 03 capítulos gratuitamente.
  • Busca otimizada dentro de cada título.
Ilustração de computador e livro
jusbrasil.com.br
30 de Maio de 2024
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/doutrina/secao/27-evolucao-das-instituicoes-e-do-pensamento-politico-v-parte-ii-ciencia-politica-teoria-geral-do-estado-e-ciencia-politica/1590439396