Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
17 de Junho de 2024
    Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

    Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

    Superior Tribunal de Justiça STJ - AÇÃO RESCISÓRIA: AR XXXXX SP XXXX/XXXXX-4

    Superior Tribunal de Justiça
    há 12 anos

    Detalhes

    Processo

    Órgão Julgador

    S2 - SEGUNDA SEÇÃO

    Publicação

    Julgamento

    Relator

    Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO

    Documentos anexos

    Inteiro TeorAR_2830_SP_1330970273474.pdf
    Certidão de JulgamentoAR_2830_SP_1330970273476.pdf
    Relatório e VotoAR_2830_SP_1330970273475.pdf
    VotoAR_2830_SP_1330970273477.pdf
    Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

    Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

    Ementa

    AÇÃO RESCISÓRIA. AÇÃO ANULATÓRIA DE CONTRATO DE COMPRA E VENDA DEIMÓVEL. DUPLA VENDA DO MESMO IMÓVEL POR PROCURADORES DIFERENTES.ALEGAÇÃO DE VIOLAÇÃO DO ART. 1.321 DO CÓDIGO CIVIL DE 1916 E DO ART. 460 DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. INOCORRÊNCIA. PRESERVAÇÃO DAVALIDADE E EFICÁCIA DO CONTRATO REGISTRADO EM PRIMEIRO LUGAR NOOFÍCIO DO REGISTRO IMOBILIÁRIO. IMPROCEDÊNCIA.

    1. Pretensão de rescisão de acórdão desta Corte que, ao darprovimento a recurso especial, julgou improcedente pedido deanulação de escritura de compra e venda de imóvel.
    2. Inocorrência de violação ao artigo 460 do Código de ProcessoCivil quando a pretensão da parte autora é desacolhida por outrosfundamentos distintos dos apontados como causa de pedir.
    3. Ausência de violação ao art. 1.321 do CC/16, pois o acórdãorescindendo não reconheceu a invalidade do negócio celebrado entre oautor e o antigo procurador do casal proprietário do imóvel,afirmando apenas que o fato de ter agido de boa-fé não é razãosuficiente para anulação de outra escritura pública de compra evenda lavrada acerca do mesmo bem imóvel, mas levada com primazia aregistro no cartório do registro imobiliário, estando também oadquirente de boa-fé.
    4. Simples aplicação pelo acórdão rescindendo da velha máxima de quequem não registra não é dono (art. 533 do CC/16, atual art. 1245 doCC/2002).

    Acórdão

    Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, julgar improcedente a ação rescisória, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros Maria Isabel Gallotti, Antonio Carlos Ferreira, Ricardo Villas Bôas Cueva, Março Buzzi, Massami Uyeda, Luis Felipe Salomão e Raul Araújo votaram com o Sr. Ministro Relator. Ausente, ocasionalmente, a Sra. Ministra Nancy Andrighi.

    Referências Legislativas

    Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/stj/21285225

    Informações relacionadas

    Superior Tribunal de Justiça
    Jurisprudênciahá 3 anos

    Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp XXXXX TO XXXX/XXXXX-9

    Tribunal de Justiça de Minas Gerais
    Jurisprudênciahá 7 anos

    Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Agravo de Instrumento-Cv: AI XXXXX-36.2017.8.13.0000 MG

    Superior Tribunal de Justiça
    Jurisprudênciahá 10 anos

    Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp XXXXX SC XXXX/XXXXX-1

    Superior Tribunal de Justiça
    Jurisprudênciahá 4 anos

    Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO INTERNO NOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL: AgInt nos EDcl no AgInt no REsp XXXXX MG XXXX/XXXXX-1

    Tribunal Regional Federal da 5ª Região
    Jurisprudênciahá 4 meses

    Tribunal Regional Federal da 5ª Região TRF-5 - APELAÇÃO / REMESSA NECESSÁRIA: XXXXX-52.2021.4.05.8000