Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
12 de Julho de 2024

Modelo Acordo Coletivo de Trabalho - Pandemia Coronavirus

há 4 anos
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO – PANDEMIA CORONAVARIUS

De um lado, o SINDICATO XXXXXXXXXXXXXX, CNPJ n. XX.XXX.XXX/XXXX.XX, neste ato representado pelo (a) Ilustríssimo (a) Presidente, Sr (a). XXXXXXXXXXX, e assistido pelo Bel. Dr. XXXXXXXXXXXXX, OAB/PE nº XXXXXXXXXXXXX-D e, de outro lado, a RAZÃO SOCIAL, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob nº XX.XXX.XXX/XXXX.XX, estabelecida à XXXXXXXXXXXXX(ENDEREÇO COMPLETO), CEP: 55.612-901, neste ato representada pelo (a) Sócio (a) Administrador (a), Sr (a) XXXXXXXXXXXXX, brasileiro, solteiro, empresário, inscrito no CPF/MF sob nº XX.XXX.XXX-XX, RG nº XXXXXXXXXXXXX, assistido pelo Bel. Dr. XXXXXXXXXXXXX, OAB/PE nº XXXXXXXXXXXXX-D; celebram o presente TERMO DE ACORDO COLETIVO DE TRABALHO EMERGENCIAL – PANDEMIA CORONAVÍRUS, estabelecendo as condições mínimas que poderão ser adotadas pelas empresas em face da situação excepcional pelo COVID-19 (CORONAVÍRUS).

Nesse sentido:

1) Considerando a declaração de pandemia da COVID-19 pela Organização Mundial de Saúde - OMS;

2) Considerando o Decreto Legislativo nº 06 de 2020 e a Lei 13.979/2020, que trata da calamidade pública e elenca regras para o “enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do PANDEMIA CORONAVÍRUS responsável pelo surto de 2019”, respectivamente;

3) Considerando que o COVID 19 é uma enfermidade epidêmica com alta transmissão, principalmente entre os mais idosos;

4) Considerando que os Decretos Estaduais nº 48.809, 48.822 e 48.834/2020, este último de 20 de março de2020, do Estado de Pernambuco, em seu art. 2º estabelece: "Fica suspenso, a partir do dia 22 de março de 2020, o funcionamento de todos os estabelecimentos de comércio localizados no Estado de Pernambuco.";

5) Considerando a publicação das Medidas Provisórias nº 927 e 936 de 2020, editadas pelo Governo Federal;

6) Considerando as medidas adotadas pelo Governo do Estado de Pernambuco e pelas Prefeituras Municipais com relação a suspensão de atividades escolares, espetáculos, concentrações, bem como recomendações para que se evite o máximo possível a locomoção nesse período considerado crítico;

7) Considerando a necessidade de preservar a saúde e, ao mesmo tempo, resguardar as empresas desta categoria econômica, bem como os postos dos trabalhos e sustento dos trabalhadores de categoria profissional;

8) Considerando que o setor econômico aqui representado precisa adotar as medidas necessárias de extrema urgência a fim de minimizar/conter os efeitos devastadores sofridos pela operação do turismo nacional e/ou global diante da proliferação desenfreada da pandemia provocada pelo alastramento do vírus COVID-19 (CORONAVÍRUS) mundo a fora;

9) Considerando que os efeitos da pandemia paralisaram as operações havidas nas empresas operadoras e intermediadoras do turismo em geral, faz-se necessário atenuar o impacto financeiro que essa situação acarretou ao setor, mormente perante as obrigações trabalhistas assumidas pelos empregadores em geral;

10) Considerando a prevalência do negociado sobre o legislado, aqui sendo observadas as disposições contidas nos Artigos 611-A e 611B da Consolidação das Leis do Trabalho;

11) Considerando a necessidade de medidas urgentes, o representante legal da Entidade Sindical, neste ato autorizados por sua diretoria (com dispensa de convocação de assembleias gerais) e a Empresa Signatária, DE FORMA TRANSITÓRIA E EMERGENCIAL, acordam as condições constantes do presente Instrumento de Acordo Coletivo de Trabalho que visam possibilitar adequações nas relações e contratos existentes, conforme segue:

CLÁUSULA PRIMEIRA – VIGÊNCIA: Ajustado o presente termo, as partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período de 01 de Abril de 2020 a 31 de Dezembro de 2020.

Parágrafo primeiro: As condições normais das relações de trabalho poderão ser retomadas antes do término da vigência fixada no caput, ante a retomada das atividades regulares as empresas representadas.

Parágrafo segundo: Caso a situação pandêmica ultrapasse o período previsto de vigência o presente Termo Aditivo Emergencial poderá se prorrogado, mediante termo aditivo escrito e assinado por todas as partes.

CLÁUSULA SEGUNDA – ABRANGÊNCIA: O presente Acordo Coletivo de Trabalho, aplicável no âmbito da (s) empresa (s) acordante (s), abrangerá a (s) categoria (s) de Empregados em Empresas de XXXXXXXXXXXXX (RAMO) do Estado de Pernambuco, com abrangência territorial em Pernambuco.

Parágrafo único: Obrigam-se as empresas representadas que adotem as medidas previstas neste Termo Aditivo Emergencial a comunicarem ao Sindicato Obreiro as condições que estão sendo praticadas e a relação dos trabalhadores envolvidos das condições adotadas, quanto às alterações das condições de trabalho, como prova de sua anuência às medidas tomadas.

CLÁUSULA TERCEIRA – DA DEMISSÃO E DO PAGAMENTO DAS VERBAS RESCISÓRIAS: Enquanto perdurar este Acordo Coletivo de Trabalho, a (s) empresa (s) representada (s) poderá(ão) demitir seu (s) empregado (s), garantido o pagamento do saldo salário, férias proporcionais e integrais acrescidas do terço constitucional, décimo terceiro salário e aviso prévio.

Parágrafo primeiro: A (s) empresa (s) representada (s) deverá(ão) pagar a multa fundiária de 40% (quarenta por cento) nos casos de demissão sem justa causa.

Parágrafo segundo: As verbas rescisórias poderão ser pagas em até 3 (três) parcelas iguais e sucessivas, sendo a 1ª (primeira) parcela no prazo estipulado no Art. 477 da CLT. As demais parcelas deverão ser quitadas até o 5º (quinto) dia útil subsequente ao mês do desligamento.

Parágrafo terceiro: Entende-se por demissão coletiva o desligamento de um grupo de funcionários, igual ou superior a 3 (três) empregados.

Parágrafo quarto: Diante de demissão coletiva, as verbas rescisórias poderão ser pagas em até 5 (cinco) parcelas iguais e sucessivas, sendo a 1ª (primeira) parcela no prazo estipulado no Art. 477 da CLT. As demais parcelas deverão ser quitadas até o 5º (quinto) dia útil subsequente ao mês do desligamento.

Parágrafo quinto: O pagamento das verbas rescisórias deverá ocorrer, preferencialmente, em conta bancária de titularidade do empregado, podendo ser paga em outra conta bancária indicada pelo Empregado, desde que declare, por escrito, a autorização.

Parágrafo sexto: Autoriza-se a adoção de meios eletrônicos para assinatura dos termos rescisórios, especialmente Termo de Rescisão e Quitação do Contrato de Trabalho e Guia de Habilitação no Seguro Desemprego.

Parágrafo sétimo: Quanto antecipadas as férias e devidamente pagas, a (s) empresa (s) representada (s) poderá(ão) descontar o valor pago do saldo de férias proporcionais e seu respectivo terço constitucional.

Parágrafo oitavo: Caso a (s) empresa (s) representada (s) demita seu empregado e não tenha pago o terço constitucional da antecipação das férias individuais, fica garantido seu pagamento na Rescisão do Contrato de Trabalho.

Parágrafo nono: Havendo o parcelamento do pagamento das verbas rescisórias, não caberá a aplicação da multa por atraso, conforme previsão do Art. 477, § 8º da CLT.

CLÁUSULA QUARTA – DA DEMISSÃO POR FORÇA MAIOR: A (s) empresa (s) representada (s) que fechar (em) por mais de 30 (trinta) dias seguidos ou encerrar suas atividades, poderá, em virtude da paralisação definitiva da sua atividade, aplicar o disposto nos Arts. 501 e seguintes da CLT.

Parágrafo único: Em havendo demissão por força maior, conforme Art. 501 e seguintes da CLT, poderá(ão) a (s) empresa (s) representada (s) aplicar a regra descrita na Cláusula Terceira deste Acordo Coletivo de Trabalho.

CLÁUSULA QUINTA – DO AVISO AOS EMPREGADOS: A (s) empresa (s) representada (s), após a assinatura do presente Acordo Coletivo de Trabalho, se compromete a enviar aos seus empregados e colaborares a referida negociação coletiva, seja por meio física, seja por meio eletrônico.

CLÁUSULA SEXTA – DE LEGISLAÇÃO SUPERVENIENTE: Havendo, durante a vigência deste Acordo Coletivo de Trabalho, publicação de Lei ou Medida Provisória que trate dos temas suscitados, a (s) empresa (s) representada (s) poderá(ão) ajustar, juntamente com seu Empregado, através de Acordo Individual de Trabalho, novos ajustes e condições, desde que a legislação contemporânea autorize.

CLÁUSULA SÉTIMA – MULTA POR DESCUMPRIMENTO: No caso de descumprimento de quaisquer obrigações previstas nas cláusulas desta negociação coletiva, o Empregador acordante ficará sujeito ao pagamento de multa em percentual igual a 25% (vinte e cinco por cento) do salário mínimo vigente por infração e por empregado, beneficiando diretamente a parte prejudicada.

CLÁUSULA OITAVA – DAS CONDIÇÕES GERAIS: Ficam também asseguradas as demais condições constatadas da Convenção Coletiva de Trabalho.

Recife, XX de XXXXXXXXXXXXX de 2020

SINDICATO XXXXXXXXXXXXX

CNPJ n. XX.XXX.XXX/XXXX.XX


EMPRESA XXXXXXXXXXXXX

CNPJ n. XX.XXX.XXX/XXXX.XX

  • Publicações7
  • Seguidores6
Detalhes da publicação
  • Tipo do documentoModelo
  • Visualizações4738
De onde vêm as informações do Jusbrasil?
Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/modelos-pecas/modelo-acordo-coletivo-de-trabalho-pandemia-coronavirus/831126181

Informações relacionadas

Luiz Rodrigues, Advogado
Modeloshá 4 anos

Modelo de Acordo Coletivo

Agnaldo Cardeal, Advogado
Modeloshá 7 anos

Convenção Coletiva de Trabalho - Sindicato dos Trabalhadores Offshore do Brasil.

Carlos Eduardo Vanin, Advogado
Artigoshá 9 anos

Acordo e convenção coletiva de trabalho

Danilo de Almeida, Advogado
Modeloshá 4 anos

Petição de homologação de acordo trabalhista extrajudicial

Graziella Freire, Advogado
Modeloshá 7 anos

(Modelo) Inquérito judicial para apuração de falta grave

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)