Processo Nº 0700233-37.2016.8.02.0042

TJAL · Major Izidoro, AL
Cível · Procedimento do Juizado Especial Cível
Valor da causa:
R$ XX.XXX,XX
Exibir Valor
O processo teve origem no Tribunal de Justiça de Alagoas, em 19 de fevereiro de 2016. Tem como partes envolvidas Luiz Adálio Canuto de Souza, Marcilene Francisca de Souza, Banco Bradesco S/A, Maria do Socorro VAZ Torres.
O processo não está sincronizado com os sistemas dos tribunais

Andamento processual

Assine para desbloquear todas as movimentações desse processo
02/10/2019há 2 anos
Movimentação visível apenas para assinantes.
26/02/2019há 3 anos
Movimentação visível apenas para assinantes.
22/02/2019há 3 anos
Movimentação visível apenas para assinantes.
15/02/2019há 3 anos
Movimentação visível apenas para assinantes.
10/01/2019há 3 anos
Movimentação visível apenas para assinantes.

Tribunal de Justiça

Capital

Comarca de Coruripe

Vara do 2º Ofício de Coruripe

JUÍZO DE DIREITO DA 2º VARA DE CORURIPE

EDITAL DE INTIMAÇÃO DE ADVOGADOS

RELAÇÃO Nº 0006/2019

ADV: LUIZ ADÁLIO CANUTO DE SOUZA (OAB 8324/AL), ADV: MARIA DO SOCORRO VAZ TORRES (OAB 3788A/AL) -Processo 0700233-37.2016.8.02.0042 - Procedimento do Juizado Especial Cível - Inclusão Indevida em Cadastro de Inadimplentes

- REQUERENTE: Marcilene Francisca de Souza - REQUERIDO: Banco Bradesco S/A - Ante o exposto, julgo procedente o pedido da autora para, declarando a inexistência da dívida da autora para com a ré (conforme inscrição nas págs. 15/16), condenar a parte ré a pagar à autora, como compensação por dano moral, o valor de R$ 1.000,00 (mil Reais) acrescidos de juros legais a partir da data (15/05/2015) do evento danoso (Súmula 54 do STJ) e correção monetária pelo INPC (Súmula 362 STJ) a partir da data da publicação da sentença. Sem condenação em custas nem honorários ex vi art. 55 da Lei nº 9.099/1995. Após o trânsito em julgado, arquive-se com baixa. A fim de evitar desdobramentos dispendiosos à Justiça, inúteis e desnecessários à tramitação processual, o pagamento da condenação, após o trânsito em julgado, deverá ser feito mediante depósito em conta bancária, ou pagamento com recibo, ou outra forma acordada pelas partes, exceto depósito judicial, o qual somente poderá ser feito em AÇÃO AUTÔNOMA, nas hipóteses do artigo 539, do Código de Processo Civil e artigo 335 do Código Civil. Isso porque o rito singelo da Lei n. 9.099/95 não comporta consignação em pagamento. Eventual inobservância da presente disposição será por conta e risco do devedor. P.R.I.

09/01/2019há 3 anos
Encaminhado ao DJ Eletrônico Relação: 0006/2019 Teor do ato: Ante o exposto, julgo procedente o pedido da autora para, declarando a inexistência da dívida da autora para com a ré (conforme inscrição nas págs. 15/16), condenar a parte ré a pagar à autora, como compensação por dano moral, o valor de R$ 1.000,00 (mil Reais) acrescidos de juros legais a partir da data (15/05/2015) do evento danoso (Súmula 54 do STJ) e correção monetária pelo INPC (Súmula 362 STJ) a partir da data da publicação da sentença. Sem condenação em custas nem honorários ex vi art. 55 da Lei nº 9.099/1995. Após o trânsito em julgado, arquive-se com baixa. A fim de evitar desdobramentos dispendiosos à Justiça, inúteis e desnecessários à tramitação processual, o pagamento da condenação, após o trânsito em julgado, deverá ser feito mediante depósito em conta bancária, ou pagamento com recibo, ou outra forma acordada pelas partes, exceto depósito judicial, o qual somente poderá ser feito em AÇÃO AUTÔNOMA, nas hipóteses do artigo 539, do Código de Processo Civil e artigo 335 do Código Civil. Isso porque o rito singelo da Lei n. 9.099/95 não comporta consignação em pagamento. Eventual inobservância da presente disposição será por conta e risco do devedor. P.R.I. Advogados(s): Maria do Socorro Vaz Torres (OAB 3788A/AL), Luiz Adálio Canuto de Souza (OAB 8324/AL)
Julgado procedente o pedido Ante o exposto, julgo procedente o pedido da autora para, declarando a inexistência da dívida da autora para com a ré (conforme inscrição nas págs. 15/16), condenar a parte ré a pagar à autora, como compensação por dano moral, o valor de R$ 1.000,00 (mil Reais) acrescidos de juros legais a partir da data (15/05/2015) do evento danoso (Súmula 54 do STJ) e correção monetária pelo INPC (Súmula 362 STJ) a partir da data da publicação da sentença. Sem condenação em custas nem honorários ex vi art. 55 da Lei nº 9.099/1995. Após o trânsito em julgado, arquive-se com baixa. A fim de evitar desdobramentos dispendiosos à Justiça, inúteis e desnecessários à tramitação processual, o pagamento da condenação, após o trânsito em julgado, deverá ser feito mediante depósito em conta bancária, ou pagamento com recibo, ou outra forma acordada pelas partes, exceto depósito judicial, o qual somente poderá ser feito em AÇÃO AUTÔNOMA, nas hipóteses do artigo 539, do Código de Processo Civil e artigo 335 do Código Civil. Isso porque o rito singelo da Lei n. 9.099/95 não comporta consignação em pagamento. Eventual inobservância da presente disposição será por conta e risco do devedor. P.R.I.
Julgado procedente o pe....pdf
06/12/2017há 4 anos
Juntada de Documento Nº Protocolo: WCOR.17.70003820-1 Tipo da Petição: Pedido de juntada de documento(s) Data: 06/12/2017 18:05
05/12/2017há 4 anos
Conclusos
Detalhes do processo
Poder Judiciário
Justiça dos Estados e do Distrito Federal e Territórios
Tribunal de Origem
TJAL · Comarca · Major Izidoro, AL
Valor da Causa
R$ XX.XXX,XX
Exibir Valor
Data de tramitação
19/02/2016 a 02/10/2019
Natureza
Procedimento do Juizado Especial Cível
Área do Direito
Cível
Assunto
Inclusão Indevida em Cadastro de Inadimplentes
Juiz
Nelson Fernando de Medeiros Martins
Início do Processo
2016
Partes envolvidas
Parte autora
Parte ré
Maria do Socorro VAZ Torres
Advogado envolvido