jusbrasil.com.br
28 de Outubro de 2021

Peça extraída do processo n°XXXXXXX-XX.2016.5.01.0044

Petição - Ação Indenização

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

EXMO. SR. DR. JUIZ FEDERAL DA 44a VARA DO TRABALHO DO RIO DE JANEIRO/RJ

Processo nº 0000000-00.0000.0.00.0000

PRÓ-SAÚDE ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E , HOSPITALAR , por seus advogados e bastantes procuradores, vem, respeitosamente, à presença de V. Ex.a "em tempo hábil", , nos termos do art. 897 da CLT, letra b, interpor o presente,

AGRAVO DE INSTRUMENTO

contra a decisão de fls., proferida nos autos da Reclamação Trabalhista em epigrafe, que lhes é movida por Nome, em tramite perante a 44a Vara do Trabalho do Rio de Janeiro /RJ, requerendo o Agravante, seja o presente recurso recebido e processado ao Egrégio Tribunal Regional do Trabalho, conforme razões anexas.

Devidamente preenchidos os requisitos para a sua interposição, requer seja o presente

recebido, juntamente com as razões acostadas, dando-se-lhe o competente processamento e remessa ao Tribunal Regional do Trabalho da 1a Região.

Em atendimento ao artigo 1016 do Novo Código de Processo Civil, inicialmente informa os nomes e endereços das partes:

Nome, 00.000 OAB/UF, com

escritório na Endereço, onde receberá todas as intimações.

Patrono do Agravado Nome- 00.000 OAB/UFcom escritório localizado na cidade do Rio de Janeiro/RJ.

Em atendimento ao disposto RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 1418, DE 30 DE AGOSTO DE 2010, a Agravante deixa de juntar cópias das peças de traslado.

Finalmente, requer que todas as intimações e publicações sejam realizadas em nome do seu procurador DR. Nome, inscrito na 00.000 OAB/UF, com endereço na EndereçoCEP 00000-000, na Cidade de São Paulo - Estado de São Paulo, nos termos do art. 272, § 5º, do CPC e Súmula 427 do C. TST , sob pena de NULIDADE.

Termos em que,

Pede Deferimento.

São Paulo/SP, 20 de março de 2018.

pp/ Nomepp/ Rodrigo Monteiro de Souza

00.000 OAB/UF 00.000 OAB/UF

RAZÕES DO AGRAVO DE INSTRUMENTO

AGRAVANTE: PRÓ-SAÚDE ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E HOSPITALAR.

AGRAVADO: Nome

PROCESSO nº 0000000-00.0000.0.00.0000

RECLAMAÇÃO TRABALHISTA

ORIGEM: 44a VARA DO TRABALHO DO RIO DE JANEIRO /RJ

EGRÉGIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 01a REGIÃO

O douto julgador de primeiro grau negou seguimento do Recurso Ordinário interposto pela Reclamada, por entender estar deserto.

Ocorre, porém, que - data maxima venia - tal decisão não poderá prevalecer, uma vez que tal entendimento se trasmuda em demasiado formalismo e não altera a essência da demonstração, conseguindo-se, no caso em tela, alcançar o objetivo desejado - não havendo, portanto, que se falar em não conhecimento do recurso interposto, ato arbitrário e que cerceia o direito de defesa da ora Agravante, ao mesmo tempo que atenta contra os princípios mais basilares do direito, tal como o do duplo grau de jurisdição.

Não obstante a inegável importância das formas para os atos processuais, essa importância não pode ser considerada de modo absoluto, mas sempre condicionada à observância do fim a que se destina .

Assim, data vênia, há de ser admitido o Recurso Ordinário interposto pela ora Agravante, eis que presentes todos os requisitos necessários para a sua admissão.

No caso em apreço, a ora Agravante, na qualidade de entidade beneficente, demonstrou de forma cabal nos autos a sua impossibilidade de arcar com o pagamento das custas e depósito recursal.

E mesmo que assim não o fosse, a Agravante, na qualidade de organização social, que atua como entidade filantrópica , sem fins lucrativos, está amparada pela norma inserta no § 10, do artigo 899 da CLT , acrescentada pela Lei 13.467/2017 , que assim dispõe:

Art. 899 - Os recursos serão interpostos por simples petição e terão efeito meramente devolutivo, salvo as exceções previstas neste Título, permitida a execução provisória até a penhora.

(...)

§ 10. São isentos do depósito recursal os beneficiários da justiça gratuita , as entidades filantrópicas e as empresas em recuperação judicial.

Observa-se claramente que o legislador ao redigir o texto do § 10 do artigo 899 da CLT, , fez questão de disciplinar a viabilidade de concessão de justiça gratuita às entidades beneficentes, sem fins lucrativos, isentando-as ao mesmo tempo do recolhimento de depósito recursal.

Tal previsão, ademais, veio apenas a corroborar com o entendimento já sedimentado pelas Súmula 463 do TST , e Súmula 481 do STJ .

E por justamente ser admitida a concessão da gratuidade ao empregador, foi que o TST acrescentou o item II a redação da Orientação Jurisprudencial 269 da Subseção de Dissídios Individuais (SBDI-1) , com vistas a se adequar aos termos do§ 7ºº do artigo999 doNovo CPCC.

"OJ-SDI1-269 JUSTIÇA GRATUITA. REQUERIMENTO DE ISENÇÃO DE DESPESAS PROCESSUAIS. MOMENTO OPORTUNO

I - O benefício da justiça gratuita pode ser requerido em qualquer tempo ou grau de jurisdição, desde que, na fase recursal, seja o requerimento formulado no prazo alusivo ao recurso;

II - Indeferido o requerimento de justiça gratuita formulado na fase recursal, cumpre ao relator fixar prazo para que o Agravante efetue o preparo (art. 99, § 7º, do CPC de 2015) ." (g.n.)

Assim, formulado o pedido de concessão de justiça gratuita nas razões recursais, a sua apreciação não ficará a cargo do magistrado de Primeiro Grau, responsável pelo juízo de admissibilidade "a quo", e sim do desembargador relator no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho.

No caso em apreço, a situação financeira da ora Agravante está enormemente abalada por conta da ausência de repasses por parte do Estado do Rio de Janeiro, cuja situação de calamidade é pública e notória.

Como já adiantado, o TST editou a Súmula 463 , dispondo que é possível a concessão das benesses da Justiça Gratuita, desde que comprovada a sua indisponibilidade econômica para arcar com as custas do processo:

Súmula nº 463 do TST

ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA. COMPROVAÇÃO (conversão da Orientação Jurisprudencial nº 304 da SBDI-1, com alterações decorrentes do CPC de 2015) - Endereçoe 30.06.2017

I - A partir de 26.06.2017, para a concessão da assistência judiciária gratuita à pessoa natural, basta a declaração de hipossuficiência econômica firmada pela parte ou por seu advogado, desde que munido de procuração com poderes específicos para esse fim (art. 105 do CPC de 2015);

II - No caso de pessoa jurídica, não basta a mera declaração: énecessária a demonstração cabal de impossibilidade de a parte arcar com as despesas do processo.

Desta forma, no que tange a isenção de recolhimento ao depósito recursal, importante consignar que a ora Agravante trata-se de uma entidade filantrópica, sem fins lucrativos, de valores cristãos, com quase cinco décadas de experiência em gestão hospitalar, assistência social e formação de profissionais, presidida pelo Arcebispo Emérito de Juiz de Fora - MG, Dom Eurico dos Santos Veloso, conforme demonstra seu estatuto social e atas de eleição de diretoria já anexada aos autos.

A Agravante, no Estado do Rio de Janeiro, operou como Organização Social e que administrou o hospital em que laborou a Recorrida por meio de Contratos de Gerenciamento, haja vista o fato de a matéria, no Direito Brasileiro, ter como base a Lei n.º 9.637/98.

Em rápidas linhas, desde 1.998, há a possibilidade de o Poder Público, nos setores que estabelece (dentre eles o da Saúde), repassar recursos públicos a entidades privadas de ilibada reputação no 'Terceiro Setor' para que estas, em seu lugar, administrem bens e serviços públicos (dentre estes, in casu , hospitais públicos). E isto, observe-se, sem remuneração alguma, por tratarem-se, mormente, como a ora Agravante, de entidades filantrópicas, ou seja, a ora Agravante é a extensão do Estado, e por esta razão deve ter as mesmas condições processuais, tantos os ônus como bônus, onde se inclui os benefícios da justiça gratuita .

No Direito brasileiro, organização social ou O.S. é uma entidade privada, com personalidade jurídica, sem fins lucrativos, que recebe subvenção do Estado para prestar serviços de relevante interesse público , como por exemplo, a saúde pública .

A expressão organização social designa um título de qualificação que se outorga a uma entidade privada, para que ela esteja apta a receber determinados benefícios do poder público, tais como dotações orçamentárias, isenções fiscais ou mesmo subvenção direta, para a realização de seus fins.

O modelo de OS foi pensado a partir da década de 1990, e tem relação com a ideia de ONG, diferenciando-se desta última definição apenas em relação ao campo de atuação. Em 1998, devido ao alegado desgaste da expressão "de utilidade pública", aprovou-se a criação da denominação "organização social", através da edição da Lei federal nº 9.637.

O objetivo da criação dessa lei, na época, foi o de viabilizar a transferência de certas atividades exercidas pelo Poder Público e que, e acordo com os autores da proposta, poderiam ser melhor exercidas pelo setor privado, sem necessidade de concessão ou permissão , com a valorização do chamado terceiro setor .

Na condição de ente público podemos citar como característica dessas entidades as atividades por elas prestadas, que muitas vezes consistem numa espécie de substituição ou complementação do Estado , ou seja, possuem finalidades que deveriam ser realizadas com exclusividade pela Administração Pública por expressa previsão constitucional (assistência social, por exemplo).

A definição legal do que sejam entidades e organizações de assistência social é trazida pelo art. da Lei Federal 8.742/93 e, segundo esse dispositivo, "consideram-se entidades e organizações de assistência social aquelas que prestam, sem fins lucrativos, atendimento e assessoramento aos beneficiários abrangidos por esta lei, bem como as que atuam na defesa e garantia de seus direitos".

A esse respeito, o art. 12, § 3º da Lei 9532/97 considera como entidade sem fim lucrativo aquela que NÃO apresente superávit em suas contas ou, caso o alcance em determinado exercício, destine referido resultado, integralmente, à manutenção e ao desenvolvimento dos seus objetivos sociais.

Diniz, G. (2000, p. 101) [1] explica que há reconhecimento público por parte do ente estatal (União, Estados, Distrito Federal e Municípios) em relação aos serviços prestados por essas entidades:

"Às entidades de interesse social o Estado reconhece publicamente os serviços por ela prestados, concedendo-lhes, direta ou indiretamente, favores especiais, em virtude dos fins humanitários e sociais a que elas visam. No âmbito do ordenamento jurídico brasileiro, são duas as manifestações nesse sentido. A primeira denomina-se de título de utilidade pública e advém da Lei nº 91, de 29 de agosto de 1935, que dispôs que as associações civis, as sociedades e as fundações constituídas no Brasil, que sirvam desinteressadamente à coletividade, poderão ser declaradas de utilidade pública, desde que tenham personalidade jurídica, estejam em efetivo funcionamento e sirvam desinteressadamente à coletividade e não sejam remunerados os cargos de sua diretoria."

Segundo esse autor, seriam objetivos da declaração de utilidade pública "a concessão de benefícios fiscais como isenções, bem como a concessão de vantagens financeiras como subvenções, auxílios, doações do Poder Público e possibilidade de dedução de imposto de renda ao contribuinte que fizer doação à entidade de utilidade pública" e, aliado a outros requisitos, servir de "[...] premissa para que a entidade goze da imunidade da contribuição das contas patronais de contribuições previdenciárias [...]".

Por serem entidades sem fins lucrativos, as organizações sociais representam corpos intermediários entre o Estado e o indivíduo, e sua existência se considera necessária para atender a determinadas necessidades sociais, desde uma concepção participativa na consecução de fins de interesse geral.

Por tudo isso, ainda de acordo com Paes (2003, p. 431) [2] , existe a tendência, por parte dos poderes públicos, em fomentar cada vez mais o movimento de entidades de interesse social, mediante a concessão de benefícios de ordem tributária (imunidades e isenções), em virtude de as atividades desenvolvidas por essas entidades complementarem as do Estado.

Carrazza (2005, p. 770) [3] , por sua vez, diz ser "altamente louvável usufruam de certos benefícios, como o de não serem obrigadas a recolher impostos". Ao final, diz Carrazza (2005, p. 772) que "é para favorecer esta cooperação com o Estado, auxiliando-o a promover o pleno desenvolvimento das pessoas, que o art. 150, VI, 34c, da Constituição Federal, concede às instituições assistenciais, sem fins lucrativos, o atributo da imunidade tributária".

Apenas para fins de exemplificação, a aplicação da imunidade às entidades sem fins lucrativos é vislumbrada em relação aos tributos incidentes sobre o patrimônio, renda e serviço, conforme estabelecem os artigos 150, VI, c, da Constituição Federal e 9º, IV, c, do Código Tributário Nacional; já às entidades que possuem o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social, a Declaração de Utilidade Pública Federal e Estadual ou Municipal, e ainda outras condições, na isenção da parte patronal da contribuição para o INSS (Constituição Federal, art. 195, parágrafo 7º e Lei nº 8.212 /91), bem como outros benefícios.

No campo do direito privado, temos que asseverar que, muito embora tenham as Organizações Sociais que atender a legislação trabalhista nas relações com seus empregados, bem como a observância das obrigações acessórias exigidas pelos órgãos fazendários, deve a mesma ser equiparada ao ente público para todos os fins, inclusive, no que tange a isenção de recolhimento de custas e de depósitos recursais para que possa ter amplo acesso à Justiça.

Importante ressaltar que as organizações sociais não celebram contrato de prestação de serviços, não recebem qualquer contraprestação por serviços prestados. O que ocorre é que essas entidades, em parceria com o Poder Público, em atuação convergente, aplicam os recursos a elas destinados na viabilização de serviços à sociedade (e não ao ente público), prestando contas de todos os recursos financeiros recebidos e devolvendo ao Poder Público eventual saldo remanescente . Não cobram por esse serviço .

Deste modo, é evidente que as Organizações Sociais, tal como a ora Agravante, na condição de organização social, que atua como entidade filantrópica, sem fins lucrativos, está amparada pela norma do art. 790-A da CLT , que isenta do pagamento de custas, dentre outros, as entidades que prestam relevante serviço público que não explorem atividade econômica, o qual se destaca abaixo:

"Art. 790-A. São isentos do pagamento de custas, além dos beneficiários de justiça gratuita:

I - a União, os Estados, o Distrito Federal, os Municípios e respectivas autarquias e fundações públicas federais, estaduais ou municipais que não explorem atividade econômica;

Não bastasse a disposição legal acima citada, com relação ao recolhimento do depósito recursal, aplicável à Agravante o disposto no Decreto Lei 779/69, art. , inciso IV , que a dispensa de depósito para interposição de recurso, o qual assim dispõe:

"Art. 1º Nos processos perante a Justiça do Trabalho, constituem privilégio da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios e das autarquias ou fundações de direito público federais, estaduais ou municipais que não explorem atividade econômica:

(...)

IV - IV - a dispensa de depósito para interposição de recurso;

Deste modo, como os serviços disponibilizados pela ora Agravante são de interesse público e geral, deve, para todos os fins, inclusive, no que tange ao recolhimento de custas e depósito recursal, ser equiparada as pessoas jurídicas elencadas no mencionado dispositivo legal.

Some-se isso ao fato de que a ora Agravante é possuidora da chamada Certificação de Entidade Beneficente de Assistência Social - CEBAS, o qual, por si só, já demonstra que a mesma de fato trata-se de uma entidade beneficente de assistência social, sem fins lucrativos, cujo objeto social é a assistencial e filantrópico.

Importante consignar que, para fazer jus à Certificação de Entidade Beneficente de Assistência Social - CEBAS, a entidade precisa atender ao disposto na Lei nº 12.101/2009 e suas alterações, e conforme critérios definidos pelo Decreto nº 8.242/2014 e demais legislações referentes ao tema da certificação.

Vale ressaltar assim que, para obtenção do CEBAS, o Ministério da Saúde, atual órgão responsável pela emissão, analisa todos os documentos contábeis da entidade e constata a ausência de lucros, bem como o preenchimento dos demais requisitos previstos no artigo da Lei 1.060/50 , interpretado em consonância com o art. 5o, LXXIV, da CF . Sendo assim, a certificação só é emitida se todos os requisitos forem preenchidos.

A despeito do acima exposto, oportuno destacar também que sendo a Agravante uma pessoa jurídica constituída sem fins lucrativos, cujo objeto social é a assistência e filantropia, presumem-se os prejuízos que a imposição

do pagamento de custas processuais pode lhe causar, ainda mais, Excelência, no caso da ora Agravante, que necessita do repasses financeiros do Estado, cuja falência de recursos financeiros é de notório conhecimento no Rio de Janeiro.

Neste sentido, é a jurisprudência de nossos Tribunais:

"TRT-PR-19-02-2010 - BENEFÍCIOS DA JUSTIÇA GRATUITA - PESSOA JURÍDICA DE NATUREZA FILANTRÓPICA - A norma constitucional emanada do artigo 5º, LXXIV, da Lex Legum encerra direito fundamental do cidadão, resguardando maior acesso ao Poder Judiciário. Tal prisma deve nortear o magistrado na avaliação de cada caso concreto em que rogue a parte a concessão dos benefícios da justiça gratuita e visando conferir-lhes máxima efetividade é possível concedê-los não apenas ao empregado, mas, também, ao empregador, desde que atendidos os pressupostos legais específicos, na forma que assim o autoriza o art. 790, parágrafo terceiro, da CLT. Assim, tratando-se o empregador de entidade filantrópica, sem fins lucrativos, e declarando que não tem condições de suportar o pagamento das custas processuais sem prejuízo de suas atividades cotidianas, faz jus aos benefícios da justiça gratuita (art. da Lei 1.060/50). Necessário destacar que os serviços de educação são abertos à iniciativa privada, com preferência das entidades filantrópicas, sem fins lucrativos (art. 199, parágrafo 1º da CF/88), não se justificando o estrangulamento financeiro de tais entidades, ainda que em sede de verossimilhança, pois refletiria em evidente prejuízo ao bem comum e à coletividade, bem assim em ameaça ao acesso do cidadão à educação, valor também consagrado na Carta Magna (arts. , , IV, 196 e 197 da Constituição Federal)."GRIFOS E NEGRITOS NOSSOS. (TRT-9 00000-0022982-2008-8- 9-0-8, Relator: ROSEMARIE DIEDRICHS PIMPÃO, 2A. TURMA, Data de Publicação: 19/02/2010 ).

JUSTIÇA GRATUITA - Pessoa jurídica sem fins lucrativos - Art. da Lei 1.060/50, que deve ser interpretado em consonância com o art. 5o, LXXIV, da CF - Concedido à agravante pelo Conselho Nacional de Assistência Social "Certificado de Entidade de Fins Filantrópicos" - Agravante que foi reconhecida como sendo de utilidade pública municipal, estadual e federal - Indicação de advogado pela agravante - Fato que não suprime o seu direito à justiça gratuita - Agravante que faz jus ao favor legal. [4]

AGRAVO DE INSTRUMENTO - JUSTIÇA GRATUITA - PESSOA JURÍDICA - ENTIDADE FILANTRÓPICA - SEM FIM LUCRATIVO - NECESSIDADE PRESUMIDA - DEFERIMENTO . É possível a concessão da justiça gratuita à pessoa jurídica sem fim lucrativo, cuja natureza filantrópica faz presumir o prejuízo que as despesas decorrentes do processo acarretará à sua própria manutenção, comprometendo, inclusive, a realização de seu objeto social . [5]

Outros Tribunais já decidiram em favor da Agravante. [6]

Decidiu o STJ:

É cabível o deferimento da gratuidade da justiça para as entidades beneficentes sem fins lucrativos e assemelhadas. [7]

PROCESSUAL CIVIL - ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA - PESSOA JURÍDICA - SINDICATO - SÚMULA 07 . 1. A Corte Especial, no julgamento do EREsp 00.000 OAB/UF, consolidou entendimento segundo o qual as pessoas jurídicas podem ser beneficiárias da justiça gratuita de que trata a Lei n. 1.060/50. [8]

Outrossim, a frágil situação financeira da ora Agravante, a qual decorre necessariamente da ausência de repasse de recursos por parte do ESTADO , pode ser verificada da pesquisa SERASA anexada aos autos, a qual aponta a existência de centenas de pendências comerciais e protestos realizados em seu face da ora Agravante, DECORRENTES DA AUSÊNCIA DE REPASSE DE RECURSOS POR PARTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, cuja situação de falência financeira é NOTÓRIA!

Por fim, importante consignar que em recente decisão, o TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1a REGIÃO , reconheceu expressamente a possibilidade de se conceder as benesses da justiça gratuita à entidade beneficente, inclusive para lhe ausentar do recolhimento de depósito recursal (anexo), cuja ementa abaixo se destaca:

AGRAVO DE INSTRUMENTO. DESERÇÃO. GRATUIDADE DE JUSTIÇA DEVIDO A PESSOA JURÍDICA, CUJA EXECUÇÃO ENCONTRA-SE SUBMETIDA AO PLANO ESPECIAL DE EXECUÇÃO DE QUE TRATAM OS PROVIMENTOS CONJUNTOS 01/2007 E 02/2008 DESTE E. TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO.

(TRT 01 - Agravo de Instrumento em Recurso Ordinário - 0010506-70.2014.5.01.0073 - Rio de Janeiro, 12 de abril de 2016 - Desembargador Relator - DESEMBARGADOR JOSÉ DA FONSECA MARTINS JUNIOR)

É certo que a r. sentença deixou de apreciar o principal ponto, a situação econômica em que a Agravante atualmente passa, não isentando-a do pagamento das custas e depósitos recursais, a situação demonstra ser antagônica, sendo certo que hoje a agravante não possui condições de arcar com as despesas, a falta de recursos financeiros impede qualquer ação da Agravante.

Como já dito anteriormente a Constituição Federal, ao disciplinar a garantia de amplo acesso ajustiça, em seu art. 5, XXXV, dizendo que: "a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito", informa que não basta que se garanta o simples acesso à justiça, mas sim, sendo indispensável que esse acesso advenha uma prestação jurisdicional eficaz e efetiva, com presteza, pacificação social e principalmente com JUSTIÇA!

Entre os princípios do Direito temos que o Estado deve garantir que as partes tenham acesso à ordem jurídica de forma justa.

Assim, pelas razões tecidas é claro que deve ocorrer o destrancamento do recurso e consequentemente o deferimento da justiça gratuita da Agravante, isentando do recolhimento de custas e deposito recursal.

Diante do exposto, e por se achar fartamente comprovado que todos os requisitos de admissibilidade do Recurso Ordinário interposto, que está devidamente preenchido, requer seja o presente Recurso de Agravo Instrumento , recebido e processado, pelo E. Tribunal Regional do Trabalho e, após o reconhecimento da isenção ao pagamento de depósito recursal que lhe é garantido pelo quanto disposto no , § 10 do artigo 899 da CLT, bem como para que seja-lhe concedida as benesses da Justiça Gratuita.

Em última análise, a ora Agravante requer a aplicação do quanto disposto no item II da Orientação Jurisprudencial 269 da Subseção de Dissídios Individuais (SBDI-1).

Outrossim, requer que todas as intimações e publicações sejam realizadas em nome do seu procurador DR. Nome, inscrito na 00.000 OAB/UF, com endereço na EndereçoCEP 00000-000, na Cidade de São Paulo - Estado de São Paulo, nos termos do art. 272, § 5º, do CPC e Súmula 427 do C. TST , sob pena de NULIDADE.

Para que não persista nenhuma dúvida a respeito, e também para evitar incidentes e prejuízos processuais a Reclamada requer ainda, sejam os dados acima anotados tanto no presente processo em local apropriado como no cadastro do feito junto à secretaria desta Vara.

Termos em que,

Pede Deferimento.

São Paulo/SP, 20 de março de 2018.

pp/ Nomepp/ Marcel Gustavo Ferigato

00.000 OAB/UF 00.000 OAB/UF

pp/ Rodrigo Monteiro de Souza 00.000 OAB/UF