jusbrasil.com.br
13 de Junho de 2021

Recurso - Ação Planos de saúde

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Recurso especial no 0000000-00.0000.0.00.0000.

I. Trata-se de recurso especial interposto por Unimed Campinas Cooperativa de Trabalho Médico, com fundamento no art. 105, III, a, da Constituição Federal, contra o V. Acórdão proferido na C. 7a Câmara de Direito Privado.

Das vias recursais, extrai-se a intenção de abertura da via especial, também, com base no art. 105, III, c, da Constituição da República.

II. O recurso não reúne condições de admissibilidade pela alínea a da norma autorizadora.

Violação aos arts. 13, parágrafo único, I, 16, VII, da Lei 9.656/98, 473, do CC, 51, XI, do CDC e 1o, do CONSU no 19:

Não ficou demonstrada a alegada vulneração aos dispositivos arrolados, pois as exigências legais na solução das questões de fato e de direito da lide foram atendidas pelo V. Acórdão ao declinar as premissas nas quais assentada a decisão.

Nesse sentido, o E. Superior Tribunal de Justiça vem decidindo que "a simples referência aos dispositivos legais desacompanhada da necessária argumentação que sustente a alegada ofensa à lei federal não é suficiente para o conhecimento do recurso especial" (Agravo Regimental no Agravo em Recurso Especial 00.000 OAB/UF, Relator Ministro Marco Aurélio Bellizze, in DJe de 02.9.2016).

As questões suscitadas no recurso impõem a necessidade de o E. Superior Tribunal de Justiça proceder ao exame das provas, com a interpretação de cláusulas contratuais, o que é descabido na instância especial, a teor das súmulas 5 e 7 da E. Corte Superior. Nesse sentido: "O recurso especial não comporta o exame de questões que impliquem interpretação de cláusula contratual ou incursão no contexto fático-probatório dos autos, a teor do que dispõem as Súmulas n. 5 e 7 do STJ" ( agravo regimental no agravo em recurso especial 00.000 OAB/UF, Rel. Min. Antonio Carlos Ferreira , in DJe de 30.5.2016).

III. Melhor sorte não colhe o reclamo sob o prisma da letra c.

Apesar do asseverado na peça recursal, não logrou o recorrente caracterizar o dissenso pretoriano acerca da matéria porquanto o trecho transcrito a fls. 404/405, para demonstrar a interpretação divergente, não se refere à decisão

recorrida, prejudicada, pois, a sua análise.

IV. Pelo exposto, INADMITO o recurso especial, com base no art. 1.030, V, do CPC.

V. Alerto que esta Presidência não conhecerá de eventuais embargos declaratórios opostos contra a presente decisão. Isto porque o E. Superior Tribunal de Justiça já consagrou entendimento no sentido de que os embargos de declaração opostos contra decisão de inadmissão de recurso especial não têm o condão de interromper ou suspender o prazo recursal, uma vez que o único recurso cabível contra tal despacho é o agravo em recurso especial (nesse sentido: AREsp (00)00000-0000/RJ, Ministro Presidente João Otavio Noronha, in DJe de 27.08.2019; AREsp (00)00000-0000, Ministro Presidente João Otavio Noronha, in DJe de 27.08.2019; AREsp (00)00000-0000, Ministro Presidente João Otavio Noronha, in DJe de 23.08.2019 e AREsp (00)00000-0000, Ministro Presidente João Otavio Noronha, in DJe de 20.08.2019).

São Paulo, 4 de maio de 2021.

Nome