jusbrasil.com.br
12 de Agosto de 2022

Peça extraída do processo n°XXXXXXX-XX.2022.8.14.0051

Petição - TJPA - Ação Aborto Provocado pela Gestante ou com o seu Consentimento - Ação Penal de Competência do Júri - contra Ministério Público do Estado do Pará

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA MMa 03a VARA CRIMINAL

DA COMARCA DE SANTARÉM-PA

PROCESSO N º : 0000000-00.0000.0.00.0000

REQUERENTE: ADRYANE ARAÚJO DE PAULA

MM. JUIZ,

O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ , por sua Promotora de Justiça, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, vem, perante Vossa Excelência, manifestar-se da seguinte maneira:

Trata-se de pedido formulado pela Defensoria Pública do Estado do Pará (DPE-PA) em favor de ADRYANE ARAÚJO DE PAULA, a qual encontra-se com idade gestacional de 14 (quatorze) semanas aproximadamente, com feto pesando aproximadamente 389g (trezentos e oitenta e nove gramas), com malformações na face, coluna e nos membros inferiores e superiores, sendo diagnosticada a seguinte patologia: artrogripose múltipla congênita (CID 10: Q 743), conforme laudos médicos de id. (00)00000-0000, fls. 05-08.

Nessas circunstâncias, a requerente aduz que o prognóstico do feto é letal, pois as patologias apresentadas seriam incompatíveis com a vida (id. (00)00000-0000, fl. 01). Assim, postula autorização para a realização de aborto humanitário, em decorrência da constatação das patologias acima mencionadas. Para tanto, juntou cópia dos exames médicos e ultrassonografia que comprovam tal condição - Doc. Id. nº (00)00000-0000, págs. 01/08.

Diante desses fatos, o Magistrado encaminhou os autos ao Órgão Ministerial para manifestação.

É o sucinto relatório, passo ao parecer.

Inicialmente, registra-se que um dos pilares fáticos deste pedido decorre dos exames de ultrassom obstétrico e laudo médico (id. (00)00000-0000, fls. 05-08), de modo que a interrupção da gravidez, através do aborto pretendido, se mostra uma solução viável e que se apresenta compatível com a preservação da integridade física e psicológica da requerente.

Sobre o tema, na literatura, são oportunos os ensinamentos do magistrado Nome, em matéria publicada no Boletim IBCCrim, ano I, de dezembro de 1993: se a lei penal permite o aborto necessário ou terapêutico quando em perigo a vida da mãe, independentemente das condições de saúde do feto, e se a mesma lei tolera o aborto sentimental (da estuprada), também independentemente das condições do feto, razoável admitir-se o aborto quando se verificar também a impossibilidade de vida autônoma do feto, como no caso da "acrania" (ausência de crânio), "acefalia" (ausência de cérebro) ou anomalias seríssimas e assemelhadas , tudo previamente constatado por médicos.

Nos termos do presente requerimento, cabe a aplicação analógica do entendimento da Corte do Supremo Tribunal Federal quando do julgamento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, (ADPF) 54, que pacificou o entendimento de que o aborto de feto anencéfalo não caracteriza qualquer das condutas tipificadas nos artigos 124, 126, 128, incisos I e II, do Código Penal.

Com base na decisão acima mencionada, a realização do aborto de feto anencéfalo é ação irrelevante para o mundo do direito, fato formalmente atípico , fora das hipóteses constantes no Código Penal, pois as condutas lá tipificadas referem-se a fetos viáveis e, portanto, protegidos pela normatização vigente, assim, fica pacificado que feto anencéfalo não é bem juridicamente tutelado, podendo a gestante tomar decisões privadas neste tocante.

No mesmo sentido, os julgados nacionais acompanham o precedente do Supremo Tribunal Federal, apontando a possibilidade de abortamento em casos desse jaez, conforme abaixo se observa:

ABORTO Eugênico Autorização Admissibilidade Impossibilidade de vida extra-uterina Detecção de cardiopatia grave e má formação de diversos .órgãos - Deformidade absoluta e irreversível Interrupção da gravidez que vem a evitar tanto o risco de vida da mãe tanto o seu sofrimento em saber que daria à luz a um natimorto - Segurança concedida. (TJSP - MS 418.592-3/4- 00 5a C.Crim. ReI. Des. Barbosa Pereira J. 12.06.2003).

APELAÇÃO CRIMINAL - AUTORIZAÇÃO JUDICIAL - GRAVIDEZ - INTERRUPÇÃO MÁ-FORMAÇÃO CONGÊNITA ANENCEFALIA COMPROVAÇÃO PROVIMENTO DO APELO UNANIMIDADE Diagnosticada a ausência de calota craniana ou acrania fetal, com previsão de óbito intra-uterino ou no período neonatal, deve-se garantir à gestante o direito constitucional de submeter-se à operação terapêutica para interrupção da gravidez, a despeito de tal hipótese não se achar prevista dentre as causas autorizadoras do aborto, dispostas no art. 128 do Código Penal. Impõe-se a observância da decisão liminar com efeito vinculante, proferida pelo Ministro do STF, Marco Aurélio de Mello, em sede de Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 54 MC/DF, autorizando a operação terapêutica de parto de fetos anencefálicos. (TJAC - ACr 2004.001375-5 - C.Crim. - ReI. Des. Arquilau Melo - DJAC 21.10.2004 - p. 04).

Nessa esteira, também se mostram relevantes os seguintes trechos da sentença do r. Dr. Nome, Juiz de Direito da 1a Vara Criminal de Goiana (Protocolo nº 00000-00GO), em decisão sobre o tema:

"Poder-se-ia, no caso, preferir o formalismo e, com isso, concluir pela impossibilidade jurídica do pedido. Contudo, diante da realidade vivenciada, onde a prática de abortos clandestinos é maciça e extremamente tímido o controle dessa banda criminosa pelo Estado, com grave repercussão na saúde pública e das gestantes, inclusive com a perda da própria capacidade gestacional, não pode a justiça, na minha limitada visão, deixar de prestigiar a responsável via escolhida pela requerente, ao buscar, no Poder Judiciário, a solução para a sua pretensão. Assim sendo, longe a pretensão de defender o deferimento da postulação só pelo fato de ter sido a questão submetida ao Poder Judiciário. Mas, deixando de enfrentá-la poderá a Justiça estar indiretamente contribuindo ou, pelo menos reforçando a ideia de que o único caminho viável é o da interrupção da gravidez, nesses casos, de forma clandestina, fora do controle Estatal. É sabido que o direito à vida, abrangendo a vida uterina, assegurado pelo dogma do caput do artigo do Texto Constitucional, é inviolável. Todavia, esse elementar direito não se apresenta absoluto, admitindo exceções conforme prescreve o artigo 128 e seus incisos do Código Penal. Tenho assim, que a situação ora reclamada requer a adaptação do ordenamento jurídico à evolução do tempo e às avançadas técnicas que hodiernamente auxiliam a medicina. Segundo ensinamento de Guilherme de Souza Nucci, Código Penal Comentado, fls. 334: 'algumas decisões de juízes têm autorizado aborto de fetos que tenham graves anomalias, inviabilizando, segundo a Medicina atual, sua vida futura. Seriam crianças que fatalmente morreriam logo ao nascer ou pouco tempo depois. Assim, baseando-se no fato de algumas mães, descobrindo tal fato, não se conformem com a gestação de um ser completamente inviável, abreviasse o sofrimento e autoriza-se o aborto. O juiz invoca, por vezes, a tese de inexigibilidade de conduta diversa, por vezes a própria interpretação da norma penal que protege a vida humana e não a falsa existência, pois o feto só está vivo por conta do organismo materno que o sustenta. A tese de inexigibilidade, nesse caso, teria dois enfoques: o da mãe, não suportando gerar e carregar no ventre uma criança de vida inviável; o do médico, julgando salvar a genitora do forte abalo psicológico que vem sofrendo. A medicina, por ter meios atualmente de detectar tais anomalias gravíssimas, propicia uma avaliação judicial antes impossível. Até esse ponto, cremos ser razoável a invocação da tese de ser inexigível a mulher carregar por meses um ser que, logo ao nascer, perecerá".

Da mesma forma, o Boletim do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais nº 11, em

artigo de autoria de Nome, reafirma que "se impossível a

sobrevida do feto, deve ser autorizado o aborto. (...) Não se pode negar e a questão há de ser

suscitada - que a vida da impetrante corre risco, não sendo razoável sacrificá-la, em nenhuma hipótese, mormente quando se sabe da absoluta e irreversível deformidade patológica do feto que ela gera".

De fato, em tais casos graves não haveria sequer a necessidade de autorização judicial prévia para a realização do aborto, pois a decisão acerca de qual o tratamento médico e de qual a melhor abordagem a ser realizada no caso seriam exclusivamente do profissional - médico assistente - da gestante. Tal profissional (o médico) é o responsável pela paciente assistida, que encontra-se a sua disposição e sob seus cuidados, nos atos, intervenções e decisões técnico-médicas afetas a sua profissão, porquanto ele (o médico) se mostra como a pessoa mais qualificada a atuar na situação para avaliar e estabelecer corretamente os riscos à saúde e à vida do (s) ser (es) humanos envolvido (s) no caso concreto em análise.

Sem embargo, é de registrar que o próprio Conselho Federal de Medicina (CFM) editou a Resolução de nº 1989/2012 em decorrência da decisão exarada pelo STF na ADPF 54, dispondo em seu art. 1º que: "na ocorrência do diagnóstico inequívoco de anencefalia o médico pode, a pedido da gestante, independente de autorização do Estado, interromper a gravidez".

Isso posto, uma vez respeitados os princípios e as regras gerais do Código de Ética Médica, tem-se por necessário reconhecer que o profissional médico que assiste a gestante (médico assistente) tem plena autonomia profissional para decidir tecnicamente sobre qual o tratamento médico e qual a melhor abordagem em relação ao caso em comento, de tudo se registrando no respectivo prontuário médico da paciente/gestante, a título de cautela, para os devidos fins registrais e de direito.

A par do exposto, e diante do que consta dos autos, o Parquet Estadual não vislumbra na presente postulação qualquer das hipóteses legais que exigiriam o suprimento judicial, visto que a parte é perfeitamente capaz; e o objeto, a princípio , não seria ilícito e é possível; razão pela qual careceria de necessidade da intervenção do Estado-Juiz no presente caso, diante da constatação técnica-profissional do médico responsável por assistir à gestação em epígrafe, da existência da grave patologia artrogripose múltipla congênita (CID 10: Q 743) , bem como, de defeitos na face, na coluna e nos membros inferiores e superiores , a teor do laudo da Dra. Camila Amaral, CRM PA Número de inscrição, id. (00)00000-0000, pags. 05/06; e do exame laudado pelo Dr. Nome, CRM PA Número de inscrição, id. (00)00000-0000, pags. 07/08.

Efetuadas tais considerações, diante da inafastabilidade da jurisdição (art. 5º, XXXV, CRFB ) e da instrumentalidade-finalidade do presente processo, o Parquet Estadual se manifesta no sentido do deferimento do pleito da parte requerente, com as devidas cautelas e seguindo as recomendações e orientações da equipe técnico-médica que assiste a requerente (gestante), de acordo com a normativa profissional, técnico-científica e a ética médica que regem e se aplicam ao presente caso.

Nesses termos, é a manifestação ministerial.

Santarém-PA, 24 de junho de 2022.

Nome

Promotor de Justiça de 02a entrância

titular da 05a Promotoria de Justiça de Santarém

Informações relacionadas

Eduardo Luiz Santos Cabette, Professor de Direito do Ensino Superior
Artigoshá 2 meses

O Estupro, o Aborto e a Mentira

Tribunal de Justiça de São Paulo
Peças Processuaishá 2 meses

Razões - TJSP - Ação Tratamento Médico-Hospitalar - Apelação Cível - de Amil Assistência Médica Internacional

Brenda Abreu, Estudante de Direito
Artigoshá 2 meses

Estupro de Vulnerável e a aplicabilidade jurídica do Aborto

Tribunal de Justiça de São Paulo
Peças Processuaishá 2 meses

Contestação - TJSP - Ação Tratamento Médico-Hospitalar - Apelação Cível - de Amil Assistência Médica Internacional

Artigoshá 7 anos

Do Aborto - Artigo 124 a 128 do Código Penal