Processo Nº 001XXXX-04.2010.8.24.0020

TJSC · Criciúma, SC
Criminal · Ação Penal - Procedimento Sumaríssimo

Andamento processual

Assine para desbloquear todas as movimentações desse processo
Data visível apenas para assinantes
Movimentação visível apenas para assinantes.
Movimentação visível apenas para assinantes.
Movimentação visível apenas para assinantes.
Data visível apenas para assinantes
Movimentação visível apenas para assinantes.
Data visível apenas para assinantes
Movimentação visível apenas para assinantes.
Ato Ordinatório-Intimação do Ministério Público Encaminho os presentes autos para intimação do Ministério Público.
Ato Ordinatório-Intimaç....pdf
09/12/2015há 7 anos
Certidão emitida CERTIFICO, para os devidos fins, que a sentença proferida foi publicada e registrada nesta data.
Certidão emitida.pdf
Certificado a publicação e registro da sentença
Extinta a punibilidade por prescrição Aberta a audiência, presente as partes acima nominadas. Antes de iniciar o interrogatório, a defensora arguiu a prescrição punitiva estatal, em razão de ter fluido lapso temporal superior a três anos entre a data do recebimento da denuncia e a presente data. O MP concordou com a extinção da punibilidade pela prescrição, considerando a pena máxima cominada ao delito. Pela MMa. Juíza foi dito: "De fato, verifica-se que a pena máxima imputada à contravenção de vias de fato é de 3 meses de prisão simples. Logo, sua prescrição se encerra em 3 anos, a teor do art. 109, VI do C.P.. Nesse aspecto, verifica-se as fls 63 que a denuncia foi recebida em 09/10/2012. E, desde então, não ocorreu nenhuma outra causa de interrupção da prescrição. Por tanto, facilmente se verifica que já fluiu o prazo suzo, estando o fato alcançado pela prescrição. Ante o exposto, julgo extinta a punibilidade de JOELSON BARBOSA GONÇALVES, reconhecendo a prescrição punitiva estatal pela pena máxima em abstrato, forte no art. 109, VI e 107, IV, ambos do CP. Sem custas. Publicada em audiência. Ficam os presentes intimados. Em analogia à lei complementar 155/97, fixo remuneração à defensora nomeada desde o inicio do processo, Dra. Dóris Maria de Maman Anzolin, em R$ 1.100,00 (um mil e cem reais), valendo a presente decisão como título executivo. Imutável, arquive-se. Nada mais. E, para constar, foi determinada a lavratura do presente termo, que segue assinado eletronicamente apenas pelo magistrado, o que é suficiente para validar os atos praticados em audiência e também para certificar a presença de todos os nominados neste termo (Art. 8º, parágrafo único, da Lei n. 11.419/06 e Art. 36, §§ 1º e 2º, da Resolução Conjunta n. 3/2013-GP/CGJ).".Eu Larissa de Fáveri Mattei, o digitei e o conferi.
Extinta a punibilidade ....pdf
13/11/2015há 7 anos
Certificado pelo Oficial de Justiça Intimação Negativa - PF-PJ
Certificado pelo Oficia....pdf
Bloqueio de timeline
Crie uma conta para visualizar informações mais antigas

Já tem conta? Entrar

Documentos anexos
Estamos trabalhando para ampliar nossa coleta de documentos (autos) nos tribunais.
O acesso a estes documentos é disponibilizado apenas para assinantes do Jusbrasil que estão envolvidos no processo ou advogados.
Audiência.pdf
Outros.pdf
Ato Ordinatório.pdf
Certidão do Oficial de ....pdf
Denúncia.pdf
Fontes de informações
Todas as informações exibidas nesta página são públicas e foram coletadas nos Sistemas dos Tribunais e Diários Oficiais.
SABER MAIS