Artigo 44 da Lei nº 4.771 de 15 de Setembro de 1965

Lei nº 4.771 de 15 de Setembro de 1965

Institui o novo Código Florestal .
Art. 44. O proprietário ou possuidor de imóvel rural com área de floresta nativa, natural, primitiva ou regenerada ou outra forma de vegetação nativa em extensão inferior ao estabelecido nos incisos I, II, III e IV do art. 16, ressalvado o disposto nos seus §§ 5o e 6o, deve adotar as seguintes alternativas, isoladas ou conjuntamente: (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)
I - recompor a reserva legal de sua propriedade mediante o plantio, a cada três anos, de no mínimo 1/10 da área total necessária à sua complementação, com espécies nativas, de acordo com critérios estabelecidos pelo órgão ambiental estadual competente; (Incluído pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)
II - conduzir a regeneração natural da reserva legal; e (Incluído pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)
III - compensar a reserva legal por outra área equivalente em importância ecológica e extensão, desde que pertença ao mesmo ecossistema e esteja localizada na mesma microbacia, conforme critérios estabelecidos em regulamento. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)
§ 1o Na recomposição de que trata o inciso I, o órgão ambiental estadual competente deve apoiar tecnicamente a pequena propriedade ou posse rural familiar. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)
§ 2o A recomposição de que trata o inciso I pode ser realizada mediante o plantio temporário de espécies exóticas como pioneiras, visando a restauração do ecossistema original, de acordo com critérios técnicos gerais estabelecidos pelo CONAMA. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)
§ 3o A regeneração de que trata o inciso II será autorizada, pelo órgão ambiental estadual competente, quando sua viabilidade for comprovada por laudo técnico, podendo ser exigido o isolamento da área. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)
§ 4o Na impossibilidade de compensação da reserva legal dentro da mesma micro-bacia hidrográfica, deve o órgão ambiental estadual competente aplicar o critério de maior proximidade possível entre a propriedade desprovida de reserva legal e a área escolhida para compensação, desde que na mesma bacia hidrográfica e no mesmo Estado, atendido, quando houver, o respectivo Plano de Bacia Hidrográfica, e respeitadas as demais condicionantes estabelecidas no inciso III. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)
§ 5o A compensação de que trata o inciso III deste artigo, deverá ser submetida à aprovação pelo órgão ambiental estadual competente, e pode ser implementada mediante o arrendamento de área sob regime de servidão florestal ou reserva legal, ou aquisição de cotas de que trata o art. 44-B. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)
§ 6o O proprietário rural poderá ser desonerado, pelo período de trinta anos, das obrigações previstas neste artigo, mediante a doação, ao órgão ambiental competente, de área localizada no interior de Parque Nacional ou Estadual, Floresta Nacional, Reserva Extrativista, Reserva Biológica ou Estação Ecológica pendente de regularização fundiária, respeitados os critérios previstos no inciso III deste artigo.
(Revogado)
(Incluído pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)
(Revogado)
§ 6o O proprietário rural poderá ser desonerado das obrigações previstas neste artigo, mediante a doação ao órgão ambiental competente de área localizada no interior de unidade de conservação de domínio público, pendente de regularização fundiária, respeitados os critérios previstos no inciso III do caput deste artigo. (Redação dada pela Lei nº 11.428, de 2006)
Art. 44-A. O proprietário rural poderá instituir servidão florestal, mediante a qual voluntariamente renuncia, em caráter permanente ou temporário, a direitos de supressão ou exploração da vegetação nativa, localizada fora da reserva legal e da área com vegetação de preservação permanente. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)
§ 1o A limitação ao uso da vegetação da área sob regime de servidão florestal deve ser, no mínimo, a mesma estabelecida para a Reserva Legal. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)
§ 2o A servidão florestal deve ser averbada à margem da inscrição de matrícula do imóvel, no registro de imóveis competente, após anuência do órgão ambiental estadual competente, sendo vedada, durante o prazo de sua vigência, a alteração da destinação da área, nos casos de transmissão a qualquer título, de desmembramento ou de retificação dos limites da propriedade. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)
Art. 44-B. Fica instituída a Cota de Reserva Florestal - CRF, título representativo de vegetação nativa sob regime de servidão florestal, de Reserva Particular do Patrimônio Natural ou reserva legal instituída voluntariamente sobre a vegetação que exceder os percentuais estabelecidos no art. 16 deste Código. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)
Parágrafo único. A regulamentação deste Código disporá sobre as características, natureza e prazo de validade do título de que trata este artigo, assim como os mecanismos que assegurem ao seu adquirente a existência e a conservação da vegetação objeto do título. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)
Art. 44-C. O proprietário ou possuidor que, a partir da vigência da Medida Provisória no 1.736 -31, de 14 de dezembro de 1998, suprimiu, total ou parcialmente florestas ou demais formas de vegetação nativa, situadas no interior de sua propriedade ou posse, sem as devidas autorizações exigidas por Lei, não pode fazer uso dos benefícios previstos no inciso III do art. 44 . (Incluído pela Medida Provisória nº 2.166 -67, de 2001)

Recurso - TJSP - Ação Ambiental - Apelação Cível - contra Ministério Público do Estado de São Paulo

Excelentíssimo Senhor Desembargador Presidente do Egrégio Tribunal de Justiça de São Paulo. Embargos de declaração n° /50000 Apelação n° 2a Câmara Reservada ao Meio Ambiente - Relator Paulo Ayrosa…

Contrarrazões - TJSP - Ação Revogação/Concessão de Licença Ambiental - Apelação Cível

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da 1a Vara da Fazenda Pública da Comarca de Bauru - SP. Mandado de Segurança Processo n.° O da CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo , por…

Contrarrazões - TJSP - Ação Revogação/Concessão de Licença Ambiental - Mandado de Segurança Cível - de João Parreira Negócios Imobiliários

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da 1a Vara da Fazenda Pública da Comarca de Bauru - SP. Mandado de Segurança Processo n.° O da CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo , por…

Recurso - TJSP - Ação Ambiental - Agravo de Instrumento - contra Ministério Público do Estado de São Paulo

L UCON • A DVOGADOS RONALDO VASCONCELOS TONY F. DE C. ISSAAC CHALITA MATEUS CASTELLO BRANCO ALMEIDA BESSA ABNER DE FANTI CARNICER FABIANA GAZ NICOLLELES JÚLIA BRIOSCHI KARINA ARCE DE ALMEIDA CAMARGO…

Recurso - TJSP - Ação Ambiental - Agravo de Instrumento - contra Ministério Público do Estado de São Paulo

L UCON • A DVOGADOS RONALDO VASCONCELOS NITYANANDA PORTELLADA SYLVIA C. GHERARDINI RODRIGUES PEDRO DE F. FERRAZ PEREIRA LEITE DANTHE NAVARRO LAURA SILVA SCAZUFCA PEDRO NAVES GUIMARÃES BEATRIZ RIZZI…

Razões - TJSP - Ação Inexequibilidade do Título / Inexigibilidade da Obrigação - Embargos à Execução - de Bulk & Bulk Hoteis e Turismo contra Ministério Público do Estado de São Paulo

Adv. A. Carlos FiniAdv. A. Carlos Fini EXCELENTISSIMEXCELENTISSIMAAAA SENHOR SENHORSENHORAAAA JUIZ JUIZJUIZAAAA DE DIREITO DA DE DIREITO DA DE DIREITO DA 1111a VARA D a VARA Da VARA DO FORO DE SERRA…

Razões - TJSP - Ação Ambiental - Apelação Cível - de Bulk & Bulk Hoteis e Turismo contra Ministério Público do Estado de São Paulo

Adv. A. Carlos FiniAdv. A. Carlos Fini EXCELENTISSIMEXCELENTISSIMAAAA SENHOR SENHORSENHORAAAA JUIZ JUIZJUIZAAAA DE DIREITO DA DE DIREITO DA DE DIREITO DA 1111a VARA D a VARA Da VARA DO FORO DE SERRA…

Recurso - TJSP - Ação Ambiental - Apelação Cível - de Bulk & Bulk Hoteis e Turismo contra Ministério Público do Estado de São Paulo

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO, SEÇÃO DE DIREITO PÚBLICO-SP. Ag.REsp n. C OMARCA DE S ERRA N EGRA 2a Câmara Reservada ao Meio…

Recurso - TJSP - Ação Inexequibilidade do Título / Inexigibilidade da Obrigação - Embargos à Execução - de Bulk & Bulk Hoteis e Turismo contra Ministério Público do Estado de São Paulo

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO, SEÇÃO DE DIREITO PÚBLICO-SP. Ag.REsp n. C OMARCA DE S ERRA N EGRA 2a Câmara Reservada ao Meio…

Contestação - TJSP - Ação Flora - Ação Rescisória - de Dirce de Oliveira Leme Carvalho contra Ministério Público do Estado de São Paulo

E XCELENTÍSSIMO S ENHOR D ESEMBARGADOR R ELATOR D R . P AULO A LCIDES DA 2 a C ÂMARA R ESERVADA AO M EIO A MBIENTE DO T RIBUNAL DE J USTIÇA DE S ÃO P AULO Ação Rescisória n° Autores: Espólio de Maria…