Carregando...
Jusbrasil - Tópicos
23 de outubro de 2017
Artigo 220 da Constituição Federal de 1988

Art. 220 da Constituição Federal de 88

Constituição Federal de 1988

Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.

Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.

Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.

Art. 220. A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição .

§ 1º Nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir embaraço à plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social, observado o disposto no art. 5º, IV, V, X, XIII e XIV.

§ 2º É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.

§ 3º Compete à lei federal:

§ 1º Nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir embaraço à plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social, observado o disposto no art. 5º, IV, V, X, XIII e XIV.

§ 2º É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.

I - regular as diversões e espetáculos públicos, cabendo ao Poder Público informar sobre a natureza deles, as faixas etárias a que não se recomendem, locais e horários em que sua apresentação se mostre inadequada;

§ 1º Nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir embaraço à plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social, observado o disposto no art. 5º, IV, V, X, XIII e XIV.

§ 3º Compete à lei federal:

II - estabelecer os meios legais que garantam à pessoa e à família a possibilidade de se defenderem de programas ou programações de rádio e televisão que contrariem o disposto no art. 221, bem como da propaganda de produtos, práticas e serviços que possam ser nocivos à saúde e ao meio ambiente.

I - regular as diversões e espetáculos públicos, cabendo ao Poder Público informar sobre a natureza deles, as faixas etárias a que não se recomendem, locais e horários em que sua apresentação se mostre inadequada;

§ 2º É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.

II - estabelecer os meios legais que garantam à pessoa e à família a possibilidade de se defenderem de programas ou programações de rádio e televisão que contrariem o disposto no art. 221, bem como da propaganda de produtos, práticas e serviços que possam ser nocivos à saúde e ao meio ambiente.

§ 4º A propaganda comercial de tabaco, bebidas alcoólicas, agrotóxicos, medicamentos e terapias estará sujeita a restrições legais, nos termos do inciso II do parágrafo anterior, e conterá, sempre que necessário, advertência sobre os malefícios decorrentes de seu uso.

§ 4º A propaganda comercial de tabaco, bebidas alcoólicas, agrotóxicos, medicamentos e terapias estará sujeita a restrições legais, nos termos do inciso II do parágrafo anterior, e conterá, sempre que necessário, advertência sobre os malefícios decorrentes de seu uso.

§ 3º Compete à lei federal:

§ 5º Os meios de comunicação social não podem, direta ou indiretamente, ser objeto de monopólio ou oligopólio.

I - regular as diversões e espetáculos públicos, cabendo ao Poder Público informar sobre a natureza deles, as faixas etárias a que não se recomendem, locais e horários em que sua apresentação se mostre inadequada;

§ 6º A publicação de veículo impresso de comunicação independe de licença de autoridade.

§ 5º Os meios de comunicação social não podem, direta ou indiretamente, ser objeto de monopólio ou oligopólio.

II - estabelecer os meios legais que garantam à pessoa e à família a possibilidade de se defenderem de programas ou programações de rádio e televisão que contrariem o disposto no art. 221, bem como da propaganda de produtos, práticas e serviços que possam ser nocivos à saúde e ao meio ambiente.

§ 6º A publicação de veículo impresso de comunicação independe de licença de autoridade.

§ 4º A propaganda comercial de tabaco, bebidas alcoólicas, agrotóxicos, medicamentos e terapias estará sujeita a restrições legais, nos termos do inciso II do parágrafo anterior, e conterá, sempre que necessário, advertência sobre os malefícios decorrentes de seu uso.

§ 5º Os meios de comunicação social não podem, direta ou indiretamente, ser objeto de monopólio ou oligopólio.

§ 6º A publicação de veículo impresso de comunicação independe de licença de autoridade.

Pg. 369. Diário de Justiça do Estado do Paraná DJPR de 23/10/2017

DECISÃO: ACORDAM os Magistrados integrantes da PRIMEIRA CÂMARA CRIMINAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, por unanimidade de votos, em conhecer parcialmente do recurso e, na porção

Desenvolvimento Sustentável e Cidadania

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E CIDADANIA Oberleide Soares de Carvalho [1] RESUMO O artigo discorre sobre o desenvolvimento sustentável e cidadania como forma de salvar o planeta para as gerações

Pg. 58. Tribunal Superior Eleitoral TSE de 20/10/2017

1. Tempestividade do pedido. Nas representações por excesso de doação, o prazo de 180 dias para a formalização do pedido tem como termo inicial o dia seguinte ao da diplomação, ainda que não seja dia

Pg. 1046. Seção I. Diário de Justiça do Estado de Goiás DJGO de 20/10/2017

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5373038.65.2017.8.09.0000 COMARCA DE GOIÂNIA AGRAVANTE: UNIMED GOIANIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO AGRAVADO: LUIZ HENRIQUE DE SOUSA RELATOR: JOSÉ CARLOS DE OLIVEIRA - Juiz

Pg. 392. II - Judicial - 2ª Instância. Diário de Justiça do Rio de Janeiro DJRJ de 20/10/2017

energia diversos exercícios fiscais e multas. Decisão monocrática que deu parcial provimento ao recurso para fixar as astreintes em R$1.000,00 (um mil reais) por dia de atraso, a ser iniciado após o

Pg. 107. Tribunal Regional Eleitoral da Bahia TRE-BA de 20/10/2017

Publique-se. Registre-se. Intimem-se. Cruz das Almas, 16/10/2017. Bel. Renato Alves Pimenta Juiz Eleitoral REPRESENTAÇÃO ELEITORAL PROCESSO: 396-33.2016.6.05.0142 ASSUNTO: REPRESENTAÇÃO ELEITORAL

Pg. 360. Diário de Justiça do Estado do Paraná DJPR de 20/10/2017

AFASTADA. TEORIA DA ASSERÇÃO. COMPRA PELA INTERNET. PRODUTO NÃO ENTREGUE. PAGAMENTO NÃO RESTITUÍDO. NEGOCIAÇÃO FEITA SEM A INTERMEDIAÇÃO DA PESSOA JURÍDICA. AUSÊNCIA DE RESPONSABILIDADE A AFASTAR OS

Pg. 1810. Diário de Justiça do Distrito Federal DJDF de 20/10/2017

de pesquisas com nome da autora, embora compreenda as razões expostas na inicial, porque os mesmos resultados também vinculam pessoa que foi notoriamente conhecida do público em geral, não podendo,

Ministro Luiz Fux cassa decisão judicial que proibia revista

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, revogou nesta quinta-feira (17/10) a censura imposta à revista Exame , da Editora Abril, por um juiz do interior de São Paulo. O juiz Fernando

Inteiro Teor. Recurso Extraordinário: RE 3018250920158240139 Porto Belo 0301825-09.2015.8.24.0139

Recurso Extraordinário n. 0301825-09.2015.8.24.0139/50001, Porto Belo Recorrente : Facebook Serviços Online do Brasil Ltda Advogado : Celso de Faria Monteiro (OAB: 41534A/SC) Recorrida : Iana

×