Art. 233 do Código Processo Penal - Decreto Lei 3689/41

CPP - Decreto Lei nº 3.689 de 03 de Outubro de 1941

Art. 233. As cartas particulares, interceptadas ou obtidas por meios criminosos, não serão admitidas em juízo.
Parágrafo único. As cartas poderão ser exibidas em juízo pelo respectivo destinatário, para a defesa de seu direito, ainda que não haja consentimento do signatário.

Teoria das Provas

· Sobre o conceito de Prova Prova é a demonstração. Conforme preceitua Paulo Rangel, prova seria “o meio instrumental de que se valem os sujeitos processuais (autor, Juiz e réu) de comprovar os fatos…

Escuta telefônica não exige ordem judicial para ser efetivada

A Lei 9.296/96 veio à lume com o objetivo de conferir eficácia ao artigo 5º, inciso XII, da Constituição da República, que permite o afastamento do sigilo das comunicações nos seguintes termos: é…

Prova ilícita na diligencia defensiva

CASO (resumido): Réu subtrai carta dirigida a outra pessoa, mas que constam registros que o inocentam. O Juiz está convencido da veracidade do conteúdo. A prova deve ser admitida aos autos ? São…

A prova no processo penal

Por Roberto Parentoni No processo penal ninguém poderá ser condenado se não houver provas que liguem um autor ao ato pelo qual se está sendo acusado, pois vigora o Princípio da Verdade Real, além do…

Prova Ilícita: inaceitável para condenar, aceitável para absolver? Por que?

Prova ilícita é, segundo classificação de Alexandre de Moraes, espécie do gênero provas ilegais. Entre estas estariam as provas ilícitas, que dizem respeito a todo elemento probatório obtido com…

Breves considerações sobre a prova no processo penal

No processo penal ninguém poderá ser condenado se não houver provas que liguem um autor ao ato pelo qual se está sendo acusado, pois vigora o Princípio da Verdade Real, além do que, não se pode…