Parágrafo 3 Artigo 49 da Lei nº 11.101 de 09 de Fevereiro de 2005

Lei nº 11.101 de 09 de Fevereiro de 2005

Regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência do empresário e da sociedade empresária.
Art. 49. Estão sujeitos à recuperação judicial todos os créditos existentes na data do pedido, ainda que não vencidos.
§ 3º Tratando-se de credor titular da posição de proprietário fiduciário de bens móveis ou imóveis, de arrendador mercantil, de proprietário ou promitente vendedor de imóvel cujos respectivos contratos contenham cláusula de irrevogabilidade ou irretratabilidade, inclusive em incorporações imobiliárias, ou de proprietário em contrato de venda com reserva de domínio, seu crédito não se submeterá aos efeitos da recuperação judicial e prevalecerão os direitos de propriedade sobre a coisa e as condições contratuais, observada a legislação respectiva, não se permitindo, contudo, durante o prazo de suspensão a que se refere o
J Leal, Juiz de Direito
há 2 meses

Recuperação Judicial

INTRODUÇÃO O Juízo Concursal da Recuperação Judicial traz, entre outras, a peculiaridade de suas decisões também produzirem efeitos em processos cíveis alhures, presididos por outros juízes, seja na…
3
0

Recuperação Extrajudicial e as eventuais exiguidades decorrentes da desjudicialização.

O objeto de estudo do presente Artigo é o instituto da Recuperação Extrajudicial de Empresas, criado pela Lei nº 11.101 de 2005, no contexto da desjudicialização de conflitos, tendência no Direito…
1
0

Recupere sua empresa, pagando somente 20% das dívidas

A Lei nº 11.101, de 9 de fevereiro de 2005 (LERF), é a norma basilar sobre recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência dos empresários e das sociedades empresárias. Antigamente o…
1
0

Travas Bancárias e a Dança do Capital: Decifrando as Decisões do STJ e TJ-PI na Recuperação Judicial.

Introdução Este breve texto mergulha nas nuances das travas bancárias dentro do contexto de recuperação judicial, explorando decisões críticas do STJ e do TJ-PI e suas implicações para os credores.
1
0
Douglas Vilar, Advogado
há 5 meses

O que muda com as alterações trazidas pela Lei nº 14.711/2023 - Lei da Alienação fiduciária, com vigência desde 30/10/2023?

Não se pretende com o presente esgotar o assunto, somente traçar um comparativo das alterações legislativas e dar um panorama simplificado sobre o tema. Abaixo segue quadro comparativo artigo por…
17
2

Algumas palavras sobre o novo marco das garantias no que concerne à alienação fiduciária envolvendo bem imóvel

ALGUMAS PALAVRAS SOBRE O NOVO MARCO DAS GARANTIAS NO QUE CONCERNE À ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA ENVOLVENDO BEM IMÓVEL Rogério Tadeu Romano I – A NOVA LEI 14.711 /23 Observo o que se disse em reportagem na…
8
5
há 6 meses

A (ir)relevância da distinção entre créditos a serem performados e os já performados nos contratos de cessão fiduciária de recebíveis

O crédito garantido fiduciariamente não se submete à recuperação judicial, por força do Art. 49, § 3º, da Lei n. 11.101/2005, pois é de propriedade (resolúvel) do credor, e não da empresa…
1
0
Rodrigo Spinelli, Advogado
há 8 meses

Recuperação Judicial: Sujeição do Ato Cooperativo e a Equiparação a Operação de Mercado

O ato cooperativo tem gerado uma dissidia pendular quando tratado dentro dos parâmetros legais estabelecidos no processo de recuperação judicial insculpidos na Lei nº 11.101/2005 e, principalmente,…
2
0

A fidúcia e os negócios em garantia

A FIDÚCIA E OS NEGÓCIOS EM GARANTIA Rogério Tadeu Romano I – FIDÚCIA E O NEGÓCIO JURÍDICO INDIRETO 1.1 - A FIDUCIA Gaio não enumerava a fidúcia entre as obrigações “re”. O que era a fidúcia? De…
2
0

Falhas Econômicas na Alienação Fiduciária de Imóveis

Diversas pessoas precisam de dinheiro à vista. Seja uma pessoa física ou uma empresa, o dinheiro à vista permite a conclusão de transações no presente, que só seriam possíveis no futuro, após a…
0
0