Artigo 7 da Lei nº 10.826 de 22 de Dezembro de 2003

Lei nº 10.826 de 22 de Dezembro de 2003

Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Nacional de Armas - Sinarm, define crimes e dá outras providências.
Art. 7o As armas de fogo utilizadas pelos empregados das empresas de segurança privada e de transporte de valores, constituídas na forma da lei, serão de propriedade, responsabilidade e guarda das respectivas empresas, somente podendo ser utilizadas quando em serviço, devendo essas observar as condições de uso e de armazenagem estabelecidas pelo órgão competente, sendo o certificado de registro e a autorização de porte expedidos pela Polícia Federal em nome da empresa.
§ 1o O proprietário ou diretor responsável de empresa de segurança privada e de transporte de valores responderá pelo crime previsto no parágrafo único do art. 13 desta Lei, sem prejuízo das demais sanções administrativas e civis, se deixar de registrar ocorrência policial e de comunicar à Polícia Federal perda, furto, roubo ou outras formas de extravio de armas de fogo, acessórios e munições que estejam sob sua guarda, nas primeiras 24 (vinte e quatro) horas depois de ocorrido o fato.
§ 2o A empresa de segurança e de transporte de valores deverá apresentar documentação comprobatória do preenchimento dos requisitos constantes do art. 4o desta Lei quanto aos empregados que portarão arma de fogo.
§ 3o A listagem dos empregados das empresas referidas neste artigo deverá ser atualizada semestralmente junto ao Sinarm.
Art. 7o-A. As armas de fogo utilizadas pelos servidores das instituições descritas no inciso XI do art. 6o serão de propriedade, responsabilidade e guarda das respectivas instituições, somente podendo ser utilizadas quando em serviço, devendo estas observar as condições de uso e de armazenagem estabelecidas pelo órgão competente, sendo o certificado de registro e a autorização de porte expedidos pela Polícia Federal em nome da instituição. (Incluído pela Lei nº 12.694, de 2012)
§ 1o A autorização para o porte de arma de fogo de que trata este artigo independe do pagamento de taxa. (Incluído pela Lei nº 12.694, de 2012)
§ 2o O presidente do tribunal ou o chefe do Ministério Público designará os servidores de seus quadros pessoais no exercício de funções de segurança que poderão portar arma de fogo, respeitado o limite máximo de 50% (cinquenta por cento) do número de servidores que exerçam funções de segurança. (Incluído pela Lei nº 12.694, de 2012)
§ 3o O porte de arma pelos servidores das instituições de que trata este artigo fica condicionado à apresentação de documentação comprobatória do preenchimento dos requisitos constantes do art. 4o desta Lei, bem como à formação funcional em estabelecimentos de ensino de atividade policial e à existência de mecanismos de fiscalização e de controle interno, nas condições estabelecidas no regulamento desta Lei. (Incluído pela Lei nº 12.694, de 2012)
§ 4o A listagem dos servidores das instituições de que trata este artigo deverá ser atualizada semestralmente no Sinarm. (Incluído pela Lei nº 12.694, de 2012)
§ 5o As instituições de que trata este artigo são obrigadas a registrar ocorrência policial e a comunicar à Polícia Federal eventual perda, furto, roubo ou outras formas de extravio de armas de fogo, acessórios e munições que estejam sob sua guarda, nas primeiras 24 (vinte e quatro) horas depois de ocorrido o fato. (Incluído pela Lei nº 12.694, de 2012)

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Criminal : APR 0050952-06.2017.8.13.0145 Juiz de Fora

EMENTA: APELAÇAO CRIMINAL. PORTE ILEGAL DE MUNIÇAO DE USO PERMITIDO. ABSOLVIÇAO. IMPOSSIBILIDADE. MATERIALIDADE E AUTORIA DELITIVAS COMPROVADAS. ART. 14 DA LEI 10.826/03. APREENSAO DE MUNIÇAO EM…

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Criminal : APR 0050952-06.2017.8.13.0145 Juiz de Fora

EMENTA: APELAÇÃO CRIMINAL. PORTE ILEGAL DE MUNIÇÃO DE USO PERMITIDO. ABSOLVIÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. MATERIALIDADE E AUTORIA DELITIVAS COMPROVADAS. ART. 14 DA LEI 10.826/03. APREENSÃO DE MUNIÇÃO EM …

Andamento do Processo n. 6.675 - Medida Cautelar - 14/04/2021 do STF

MEDIDA CAUTELAR NA AÇÃO DIRETA DE (977) INCONSTITUCIONALIDADE 6.675 ORIGEM : 6675 - SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL PROCED. : DISTRITO FEDERAL RELATORA :MIN. ROSA WEBER REQTE.(S) : PARTIDO SOCIALISTA…

Página 184 do Supremo Tribunal Federal (STF) de 14 de Abril de 2021

jurídico interno, as medidas necessárias para impedir que armas de fogo, peças e componentes e munições ilicitamente fabricados e traficados caiam nas mãos de pessoas não autorizadas , por meio da…

Andamento do Processo n. 0069800-26.2008.5.03.0035 - ATOrd - 07/04/2021 do TRT-3

Processo Nº ATOrd-0069800-26.2008.5.03.0035 AUTOR EDSON JOSE LISBOA ADVOGADO PAULLA FARIA BITTENCOURT(OAB: 188420/MG) ADVOGADO MATHEUS FARIA BITTENCOURT(OAB: 158024/MG) ADVOGADO LUIS ANTONIO DE…

Andamento do Processo n. 0069800-26.2008.5.03.0035 - ATOrd - 07/04/2021 do TRT-3

Processo Nº ATOrd-0069800-26.2008.5.03.0035 AUTOR EDSON JOSE LISBOA ADVOGADO PAULLA FARIA BITTENCOURT(OAB: 188420/MG) ADVOGADO MATHEUS FARIA BITTENCOURT(OAB: 158024/MG) ADVOGADO LUIS ANTONIO DE…

Página 6043 da Judiciário do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT-3) de 7 de Abril de 2021

INTIMAÇÃO Fica V. Sa. intimado para tomar ciência da Sentença ID c4c3c13 proferida nos autos. Vistos etc. Considerando que a execução encontra-se frustrada há mais de dois anos. Considerando o teor…

Página 6056 da Judiciário do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT-3) de 7 de Abril de 2021

JOSE NILTON FERREIRA PANDELOT Juiz(a) Titular de Vara do Trabalho Processo Nº ATOrd-0069800-26.2008.5.03.0035 AUTOR EDSON JOSE LISBOA ADVOGADO PAULLA FARIA BITTENCOURT(OAB: 188420/MG) ADVOGADO…

Andamento do Processo n. 0801425-89.2017.4.05.8202 - Ação Civil de Improbidade Administrativa - 19/03/2021 do TRF-5

PROCESSO Nº: 0801425-89.2017.4.05.8202 - AÇÃO CIVIL DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RÉU: JI PEREIRA EVENTOS LTDA - ME ADVOGADO: Antonio Carlos Campos De Oliveira Neto…

Página 7 da Seção Judiciária da Paraíba - Edição Judicial do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) de 19 de Março de 2021

intuito de prequestionamento, por via do qual o Embargante imputa a mácula da omissão, segundo o argumento de que o ato judicial hostilizado quedou-se silente quanto à aplicabilidade das disposições…