Artigo 2 da Lei nº 1.521 de 26 de Dezembro de 1951

Lei nº 1.521 de 26 de Dezembro de 1951

Altera dispositivos da legislação vigente sobre crimes contra a economia popular.
Art. 2º. São crimes desta natureza:
I - recusar individualmente em estabelecimento comercial a prestação de serviços essenciais à subsistência; sonegar mercadoria ou recusar vendê-la a quem esteja em condições de comprar a pronto pagamento;
II - favorecer ou preferir comprador ou freguês em detrimento de outro, ressalvados os sistemas de entrega ao consumo por intermédio de distribuidores ou revendedores;
III - expor à venda ou vender mercadoria ou produto alimentício, cujo fabrico haja desatendido a determinações oficiais, quanto ao peso e composição;
IV - negar ou deixar o fornecedor de serviços essenciais de entregar ao freguês a nota relativa à prestação de serviço, desde que a importância exceda de quinze cruzeiros, e com a indicação do preço, do nome e endereço do estabelecimento, do nome da firma ou responsável, da data e local da transação e do nome e residência do freguês;
V - misturar gêneros e mercadorias de espécies diferentes, expô-los à venda ou vendê-los, como puros; misturar gêneros e mercadorias de qualidades desiguais para expô-los à venda ou vendê-los por preço marcado para os de mais alto custo;
VI - transgredir tabelas oficiais de gêneros e mercadorias, ou de serviços essenciais, bem como expor à venda ou oferecer ao público ou vender tais gêneros, mercadorias ou serviços, por preço superior ao tabelado, assim como não manter afixadas, em lugar visível e de fácil leitura, as tabelas de preços aprovadas pelos órgãos competentes;
VII - negar ou deixar o vendedor de fornecer nota ou caderno de venda de gêneros de primeira necessidade, seja à vista ou a prazo, e cuja importância exceda de dez cruzeiros, ou de especificar na nota ou caderno - que serão isentos de selo - o preço da mercadoria vendida, o nome e o endereço do estabelecimento, a firma ou o responsável, a data e local da transação e o nome e residência do freguês;
VIII - celebrar ajuste para impor determinado preço de revenda ou exigir do comprador que não compre de outro vendedor;
IX - obter ou tentar obter ganhos ilícitos em detrimento do povo ou de número indeterminado de pessoas mediante especulações ou processos fraudulentos ("bola de neve", "cadeias", "pichardismo" e quaisquer outros equivalentes);
X - violar contrato de venda a prestações, fraudando sorteios ou deixando de entregar a coisa vendida, sem devolução das prestações pagas, ou descontar destas, nas vendas com reserva de domínio, quando o contrato for rescindido por culpa do comprador, quantia maior do que a correspondente à depreciação do objeto.
XI - fraudar pesos ou medidas padronizados em lei ou regulamentos; possuí-los ou detê-los, para efeitos de comércio, sabendo estarem fraudados.
Pena - detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa, de dois mil a cinqüenta mil cruzeiros.
Parágrafo único. Na configuração dos crimes previstos nesta Lei, bem como na de qualquer outro de defesa da economia popular, sua guarda e seu emprego considerar-se-ão como de primeira necessidade ou necessários ao consumo do povo, os gêneros, artigos, mercadorias e qualquer outra espécie de coisas ou bens indispensáveis à subsistência do indivíduo em condições higiênicas e ao exercício normal de suas atividades. Estão compreendidos nesta definição os artigos destinados à alimentação, ao vestuário e à iluminação, os terapêuticos ou sanitários, o combustível, a habitação e os materiais de construção.

Crimes virtuais e seus artifícios com criptomoedas

INTRODUÇÃO As blockchains livros razão implementados para o público, os computadores e celulares, tudo aquilo que revoluciona o ambiente tecnológico atual no mundo, nas últimas décadas as formas de…
2
0
Kareline Staut, Advogado
há 7 meses

Proibição da venda casada da garantia estendida de produtos

Quando compramos algum eletroeletrônico ou eletrodoméstico, muitas vezes somos surpreendidos com a oferta para prolongar a garantia do produto. Conhecida como Garantia Estendida, a proposta é uma…
1
0

Caso 123 milhas e ressarcimento em fase de recuperação judicial

A 123 milhas é uma empresa intermediária que oferece serviços de turismo e que ofereceu passagens aéreas promocionais com datas flexíveis que ainda não estavam disponíveis no mercado, por preço muito…
4
0
Pedro Torres, Advogado
há 9 meses

Para o STJ, a determinação das vítimas diferencia estelionato do delito contra a economia popular

O Superior Tribunal de Justiça, no julgamento dos autos de Habeas Corpus n.º 464.608/PE, estabeleceu as diferenças entre o crime de estelionato (artigo 171 do Código Penal) e o crime de ganhos…
1
0
Jéssica Nozé, Advogado
há 10 meses

Investimento de risco: crimes relacionados à corretagem/"trading" irregular na bolsa de valores ou na compra e venda de criptomoedas. Estelionato e pirâmide financeira.

Com a promessa de juros altos e retorno imediato, os procedimentos de corretagem e intermediações de ativos financeiros em bolsas de valores ou criptomoedas realizados de maneira irregular ganham…
2
0

Pirâmide Financeira x Esquema de Ponzi

Pirâmide Financeira é um modelo de negócios que recruta membros por meio de uma promessa de pagamentos ou serviços para inscrição de outros no esquema, em vez de fornecer investimentos ou venda de…
2
0

Aplicação da Teoria da Cegueira Deliberada em Esquemas de Pirâmides Finaceiras

APLICAÇÃO DA TEORIA DA CEGUEIRA DELIBERADA EM ESQUEMAS DE PIRÂMIDES FINANCEIRAS* APPLICATION OF WILLFUL BLINDNESS THEORY IN FINANCIAL PYRAMID SCHEMES* Juliana Candido FILIPIN ** Profa. Dra. Regina…
1
0
Vinicius Santos, Estudante de Direito
ano passado

As Criptomoedas na Legislação Brasileira

Resumo:  Com o Advento da tecnologia foi necessário a evolução de diversos institutos, uma delas foi a evolução do sistema monetário e nesse contexto apareceu os criptoativos, e em 2008 surgiu a…
3
1
Filipe Dias, Advogado
há 2 anos

Esquema de pirâmide é crime? Qual?

O assunto “pirâmide financeira” está na moda. Semanalmente – ou até diariamente -, deparamo-nos com notícias que anunciam a descoberta e a desarticulação desses esquemas ou com manchetes que divulgam…
6
8

Aplicação da Lei Penal no Tempo

Quando falamos em lei penal no tempo, queremos dizer: qual o tempo e lugar do crime, com a finalidade de identificar qual legislação será aplicada. Todavia, existe exceções e são elas que iremos…
12
0