Artigo 17 da Lei nº 9.656 de 03 de Junho de 1998

Lei nº 9.656 de 03 de Junho de 1998

Dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde.
Art. 17. A inclusão de qualquer prestador de serviço de saúde como contratado, referenciado ou credenciado dos produtos de que tratam o inciso I e o § 1o do art. 1o desta Lei implica compromisso com os consumidores quanto à sua manutenção ao longo da vigência dos contratos, permitindo-se sua substituição, desde que seja por outro prestador equivalente e mediante comunicação aos consumidores com 30 (trinta) dias de antecedência. (Redação dada pela Lei nº 13.003, de 2014)
§ 1o É facultada a substituição do contratado ou credenciado a que se refere o caput, desde que por outro equivalente e mediante comunicação aos consumidores com trinta dias de antecedência (Vide Medida Provisória nº 1.665, de 1998)
(Revogado)
.
(Revogado)
§ 1o É facultada a substituição de entidade hospitalar, a que se refere o caput deste artigo, desde que por outro equivalente e mediante comunicação aos consumidores e à ANS com trinta dias de antecedência, ressalvados desse prazo mínimo os casos decorrentes de rescisão por fraude ou infração das normas sanitárias e fiscais em vigor. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.177-44, de 2001)
§ 2o Na hipótese de a substituição a que se refere o parágrafo anterior ocorrer durante internação do consumidor, o estabelecimento obriga-se a mantê-lo internado e a operadora obriga-se ao pagamento das despesas até a alta hospitalar, a critério médico, na forma do contrato.
(Revogado)
(Vide Medida Provisória nº 1.665, de 1998)
(Revogado)
§ 2o Na hipótese de a substituição do estabelecimento hospitalar a que se refere o § 1o ocorrer por vontade da operadora durante período de internação do consumidor, o estabelecimento obriga-se a manter a internação e a operadora, a pagar as despesas até a alta hospitalar, a critério médico, na forma do contrato. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.177-44, de 2001)
§ 3o Excetuam-se do previsto no § 2o os casos de substituição do estabelecimento hospitalar por infração às normas sanitárias em vigor, durante período de internação, quando a operadora arcará com a responsabilidade pela transferência imediata para outro estabelecimento equivalente, garantindo a continuação da assistência, sem ônus adicional para o consumidor.
(Vide Medida Provisória nº 1.665, de 1998)
(Revogado)
(Incluído pela Medida Provisória nº 2.177-44, de 2001)
§ 4o Em caso de redimensionamento da rede hospitalar por redução, as empresas deverão solicitar à ANS autorização expressa para tanto, informando:
(Vide Medida Provisória nº 1.685-5, de 1998)
(Revogado)
(Incluído pela Medida Provisória nº 2.177-44, de 2001)
I - nome da entidade a ser excluída;
(Vide Medida Provisória nº 1.685-5, de 1998)
(Revogado)
(Incluído pela Medida Provisória nº 2.177-44, de 2001)
II - capacidade operacional a ser reduzida com a exclusão;
(Vide Medida Provisória nº 1.685-5, de 1998)
(Revogado)
(Incluído pela Medida Provisória nº 2.177-44, de 2001)
III - impacto sobre a massa assistida, a partir de parâmetros definidos pela ANS, correlacionando a necessidade de leitos e a capacidade operacional restante; e (Vide Medida Provisória nº 1.685-5, de 1998)
(Revogado)
(Incluído pela Medida Provisória nº 2.177-44, de 2001)
IV - justificativa para a decisão, observando a obrigatoriedade de manter cobertura com padrões de qualidade equivalente e sem ônus adicional para o consumidor.
(Vide Medida Provisória nº 1.685-5, de 1998)
(Revogado)
(Incluído pela Medida Provisória nº 2.177-44, de 2001)
Art. 17-A. As condições de prestação de serviços de atenção à saúde no âmbito dos planos privados de assistência à saúde por pessoas físicas ou jurídicas, independentemente de sua qualificação como contratadas, referenciadas ou credenciadas, serão reguladas por contrato escrito, estipulado entre a operadora do plano e o prestador de serviço. (Incluído pela Lei nº 13.003, de 2014)
§ 1o São alcançados pelas disposições do caput os profissionais de saúde em prática liberal privada, na qualidade de pessoa física, e os estabelecimentos de saúde, na qualidade de pessoa jurídica, que prestem ou venham a prestar os serviços de assistência à saúde a que aludem os arts. 1o e 35-F desta Lei, no âmbito de planos privados de assistência à saúde. (Incluído pela Lei nº 13.003, de 2014)
§ 2o O contrato de que trata o caput deve estabelecer com clareza as condições para a sua execução, expressas em cláusulas que definam direitos, obrigações e responsabilidades das partes, incluídas, obrigatoriamente, as que determinem: (Incluído pela Lei nº 13.003, de 2014)
I - o objeto e a natureza do contrato, com descrição de todos os serviços contratados; (Incluído pela Lei nº 13.003, de 2014)
II - a definição dos valores dos serviços contratados, dos critérios, da forma e da periodicidade do seu reajuste e dos prazos e procedimentos para faturamento e pagamento dos serviços prestados; (Incluído pela Lei nº 13.003, de 2014)
III - a identificação dos atos, eventos e procedimentos médico-assistenciais que necessitem de autorização administrativa da operadora; (Incluído pela Lei nº 13.003, de 2014)
IV - a vigência do contrato e os critérios e procedimentos para prorrogação, renovação e rescisão; (Incluído pela Lei nº 13.003, de 2014)
V - as penalidades pelo não cumprimento das obrigações estabelecidas. (Incluído pela Lei nº 13.003, de 2014)
§ 3o A periodicidade do reajuste de que trata o inciso II do § 2o deste artigo será anual e realizada no prazo improrrogável de 90 (noventa) dias, contado do início de cada ano-calendário. (Incluído pela Lei nº 13.003, de 2014)
§ 4o Na hipótese de vencido o prazo previsto no § 3o deste artigo, a Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS, quando for o caso, definirá o índice de reajuste. (Incluído pela Lei nº 13.003, de 2014)
§ 5o A ANS poderá constituir, na forma da legislação vigente, câmara técnica com representação proporcional das partes envolvidas para o adequado cumprimento desta Lei. (Incluído pela Lei nº 13.003, de 2014)
§ 6o A ANS publicará normas regulamentares sobre o disposto neste artigo. (Incluído pela Lei nº 13.003, de 2014)

Ilegalidade da rescisão unilateral do contrato de seguro saude

Introdução: A relação entre as seguradoras e os beneficiários de planos de saúde, na maioria dos casos, é regulada por normas que visam proteger os direitos dos consumidores e garantir a prestação…
0
0
Luana Solomon, Advogado
há 2 meses

Da Ilegalidade Na Rescisão Unilateral Do Contrato De Seguro Saúde Com Beneficiários Em Tratamento Médico, Sem Justificativa Idônea

Resumo: Este artigo analisa a ilegalidade da rescisão unilateral do contrato de seguro saúde por parte de uma seguradora, com a migração compulsória dos beneficiários para um novo contrato com…
1
0

Direitos dos consumidores em casos de descredenciamento de prestadores de serviços médicos/hospitalares.

www.legnareduarte.adv.br www.legnareduarte.adv.br Como bem observamos no cotidiano jurídico, as prestadoras de Planos de Saúde, reiteradas vezes descumprem leis que guarnecem os direitos dos…
1
0

Novas regras da ANS para alteração de hospitais pelos planos de saúde

A diretoria colegiada da ANS, em reunião realizada no dia 14 de agosto de 2023, aprovou novas diretrizes para a modificação da rede hospitalar de planos de saúde. Estas alterações englobam tanto a…
3
0
Sabrina Bezerra, Advogado
há 11 meses

Meu plano de saúde parou de cobrir vários hospitais. E agora?

Em meio ao caos da vida moderna, onde a saúde é um bem cada vez mais precioso, os planos de saúde surgiram como uma promessa de segurança e tranquilidade. Contudo, por trás dessa fachada de proteção,…
2
0

Seu hospital do plano de saúde foi descredenciado na hora em que mais precisava? Saiba o que pode ser feito

INTRODUÇÃO É cada vez mais comum o abusivo descredenciamento de hospitais pelos planos de saúde, sem que haja a substituição por hospital de qualidade equivalente e sem que haja a comunicação prévia…
6
0
Jonas Araujo, Advogado
ano passado

Planos de Saúde têm a obrigação de comunicar com antecedência o descredenciamento de hospitais e clinicas conveniadas

A obrigatoriedade dos planos de saúde em comunicar com antecedência o descredenciamento de hospitais e clínicas conveniadas é um tema de grande relevância para a saúde e proteção dos direitos dos…
1
0
Georgia Gomide, Advogado
há 2 anos

Descredenciamento de rede de plano de saúde gera dano moral?

No último dia 14 de outubro foi noticiado na imprensa o aumento no número de reclamações dos segurados da SulAmérica à ANS por conta do descredenciamento de vários serviços de saúde da rede da…
7
0
Felipe Ricacho, Advogado
há 2 anos

Rota de Colisão: A Súmula 102 do TJ-SP vs. A Taxatividade do Rol da ANS

1 – Introdução  Não é prática incomum por parte das operadoras de plano de saúde negarem o tratamento alegando a não previsão no rol da ANS, bem como alegarem a natureza experimental do procedimento,…
2
0

Interrupção de Tratamento Oncológico

Não desejo que um dia você ou algum familiar seja surpreendido com a possibilidade de interrupção de tratamento oncológico. Obviamente, trata-se de um momento de muita angústia lutar pela vida e pelo…
2
0