Carregando...
Jusbrasil - Tópicos
16 de outubro de 2017
Artigo 18 Lc nº 75 de 20 de Maio de 1993

Art. 18 do Estatuto do Ministério Público da União - Lc 75/93

Lc nº 75 de 20 de Maio de 1993

Dispõe sobre a organização, as atribuições e o estatuto do Ministério Público da União .

Art. 18. São prerrogativas dos membros do Ministério Público da União:

I - institucionais:

a) sentar-se no mesmo plano e imediatamente à direita dos juízes singulares ou presidentes dos órgãos judiciários perante os quais oficiem;

b) usar vestes talares;

c) ter ingresso e trânsito livres, em razão de serviço, em qualquer recinto público ou privado, respeitada a garantia constitucional da inviolabilidade do domicílio;

d) a prioridade em qualquer serviço de transporte ou comunicação, público ou privado, no território nacional, quando em serviço de caráter urgente;

e) o porte de arma, independentemente de autorização;

f) carteira de identidade especial, de acordo com modelo aprovado pelo Procurador-Geral da República e por ele expedida, nela se consignando as prerrogativas constantes do inciso I, alíneas c, d e e do inciso II, alíneas d, e e f, deste artigo;

II - processuais:

a) do Procurador-Geral da República, ser processado e julgado, nos crimes comuns, pelo Supremo Tribunal Federal e pelo Senado Federal, nos crimes de responsabilidade;

b) do membro do Ministério Público da União que oficie perante tribunais, ser processado e julgado, nos crimes comuns e de responsabilidade, pelo Superior Tribunal de Justiça;

c) do membro do Ministério Público da União que oficie perante juízos de primeira instância, ser processado e julgado, nos crimes comuns e de responsabilidade, pelos Tribunais Regionais Federais, ressalvada a competência da Justiça Eleitoral;

d) ser preso ou detido somente por ordem escrita do tribunal competente ou em razão de flagrante de crime inafiançável, caso em que a autoridade fará imediata comunicação àquele tribunal e ao Procurador-Geral da República, sob pena de responsabilidade;

e) ser recolhido à prisão especial ou à sala especial de Estado-Maior, com direito a privacidade e à disposição do tribunal competente para o julgamento, quando sujeito a prisão antes da decisão final; e a dependência separada no estabelecimento em que tiver de ser cumprida a pena;

f) não ser indiciado em inquérito policial, observado o disposto no parágrafo único deste artigo;

g) ser ouvido, como testemunhas, em dia, hora e local previamente ajustados com o magistrado ou a autoridade competente;

h) receber intimação pessoalmente nos autos em qualquer processo e grau de jurisdição nos feitos em que tiver que oficiar.

Parágrafo único. Quando, no curso de investigação, houver indício da prática de infração penal por membro do Ministério Público da União, a autoridade policial, civil ou militar, remeterá imediatamente os autos ao Procurador-Geral da República, que designará membro do Ministério Público para prosseguimento da apuração do fato.

Pg. 55. Diário de Justiça do Estado de Rondônia DJRO de 16/10/2017

157 §2º, II do Código Penal, pois teria, na companhia de terceiros, subtraído de forma violenta alguns bens de uma transeunte. Submetida à análise do Juízo Plantonista de primeiro grau, a prisão em

Inteiro Teor. Embargos de Declaração: ED 15652720125010001 RJ

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIAO Gab Des Sayonara Grillo Coutinho Leonardo da Silva Avenida Presidente Antonio Carlos 251 10º andar - Gabinete

Andamento do Processo n. 133425 - Recurso Ordinário - 13/10/2017 do TRE-MG

Publicação de Sentença Autos n.º 635-88.2016.6.13.0247 Natureza: Ação de Investigação Judicial Eleitoral Protocolo: 810.065/2016 Investigante: Partido Trabalhista do Brasil Advogado: Edno Fernandes

Andamento do Processo n. 133425 - Recurso Ordinário - 13/10/2017 do TRE-MG

Publicação de Sentença Autos n.º 633-21.2016.6.13.0247 Natureza: Ação de Investigação Judicial Eleitoral Protocolo: 776.369/2016 Investigante: Partido Social Democrático Advogados: Valdir Ataíde

Pg. 339. Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais TRE-MG de 13/10/2017

PREFEITO ELEITOS. DESPROVIMENTO DOS RECURSOS. 1. Para afastar legalmente determinado mandato eletivo obtido nas urnas, compete à Justiça Eleitoral, com base na compreensão da reserva legal

Pg. 343. Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais TRE-MG de 13/10/2017

1. Na linha da jurisprudência firmada nesta Corte Superior, o prazo recursal do Ministério Público Eleitoral, em virtude do disposto no art. 18, II, h, da LC nº 75/93, inicia-se com o recebimento dos

Pg. 60. Seção 2. Diário Oficial da União DOU de 13/10/2017

Ministério Público da União ATOS DO PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA PORTARIA Nº 1.067, DE 3 DE OUTUBRO DE 2017 A PROCURADORA-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições e tendo em vista a

Inteiro Teor. Recurso Eleitoral: RE 29304 RONDINHA - RS

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RE 293-04.2016.6.21.0167 PROCEDÊNCIA: RONDINHA RECORRENTES : COLIGAÇAO A FORÇA DA MUDANÇA, CLOVIS ALBERTO GELAIN, AMARILDO

HABEAS CORPUS: HC 372633 SP 2016/0253378-7

HABEAS CORPUS Nº 372.633 - SP (2016/0253378-7) RELATORA : MINISTRA MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA IMPETRANTE : RONALDO LABRIOLA PANDOLFI E OUTRO ADVOGADO : RONALDO LABRIOLA PANDOLFI E OUTRO(S) - SP141868 IMPETRADO : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO PACIENTE : ANTONIO CARLOS BORTOLIERO PARRA PROCESSUAL PENAL. HA...

Andamento do Processo n. 2016/0253378-7 - Habeas Corpus - 10/10/2017 do STJ

(5832) HABEAS CORPUS Nº 372.633 - SP (2016/0253378-7) RELATORA : MINISTRA MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA IMPETRANTE : RONALDO LABRIOLA PANDOLFI E OUTRO ADVOGADO : RONALDO LABRIOLA PANDOLFI E OUTRO(S) -

×