Artigo 33 da Lei nº 8.212 de 24 de Julho de 1991

LOSS - Lei nº 8.212 de 24 de Julho de 1991

Dispõe sobre a organização da Seguridade Social, institui Plano de Custeio, e dá outras providências.
Art. 33. À Secretaria da Receita Federal do Brasil compete planejar, executar, acompanhar e avaliar as atividades relativas à tributação, à fiscalização, à arrecadação, à cobrança e ao recolhimento das contribuições sociais previstas no parágrafo único do art. 11 desta Lei, das contribuições incidentes a título de substituição e das devidas a outras entidades e fundos. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009).
§ 1o É prerrogativa da Secretaria da Receita Federal do Brasil, por intermédio dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil, o exame da contabilidade das empresas, ficando obrigados a prestar todos os esclarecimentos e informações solicitados o segurado e os terceiros responsáveis pelo recolhimento das contribuições previdenciárias e das contribuições devidas a outras entidades e fundos. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009).
§ 2o A empresa, o segurado da Previdência Social, o serventuário da Justiça, o síndico ou seu representante, o comissário e o liquidante de empresa em liquidação judicial ou extrajudicial são obrigados a exibir todos os documentos e livros relacionados com as contribuições previstas nesta Lei. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009).
§ 3o Ocorrendo recusa ou sonegação de qualquer documento ou informação, ou sua apresentação deficiente, a Secretaria da Receita Federal do Brasil pode, sem prejuízo da penalidade cabível, lançar de ofício a importância devida. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009).
§ 4o Na falta de prova regular e formalizada pelo sujeito passivo, o montante dos salários pagos pela execução de obra de construção civil pode ser obtido mediante cálculo da mão de obra empregada, proporcional à área construída, de acordo com critérios estabelecidos pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, cabendo ao proprietário, dono da obra, condômino da unidade imobiliária ou empresa corresponsável o ônus da prova em contrário. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009).
§ 5º O desconto de contribuição e de consignação legalmente autorizadas sempre se presume feito oportuna e regularmente pela empresa a isso obrigada, não lhe sendo lícito alegar omissão para se eximir do recolhimento, ficando diretamente responsável pela importância que deixou de receber ou arrecadou em desacordo com o disposto nesta Lei.
§ 6º Se, no exame da escrituração contábil e de qualquer outro documento da empresa, a fiscalização constatar que a contabilidade não registra o movimento real de remuneração dos segurados a seu serviço, do faturamento e do lucro, serão apuradas, por aferição indireta, as contribuições efetivamente devidas, cabendo à empresa o ônus da prova em contrário.
§ 7º O crédito da seguridade social é constituído por meio de notificação de débito, auto-de-infração, confissão ou documento declaratório de valores devidos e não recolhidos apresentado pelo contribuinte.
(Revogado)
(Parágrafo acrescentado pela Lei nº 9.528, de 10.12.97).
(Revogado)
§ 7o O crédito da seguridade social é constituído por meio de notificação de lançamento, de auto de infração e de confissão de valores devidos e não recolhidos pelo contribuinte.
(Revogado)
(Redação dada pela Medida Provisória nº 449, de 2008)
(Revogado)
§ 8o Aplicam-se às contribuições sociais mencionadas neste artigo, as presunções legais de omissão de receita previstas nos §§ 2º e 3o do art. 12 do Decreto-Lei no 1.598, de 26 de dezembro de 1977, e nos arts. 40, 41 e 42 da Lei no 9.430, de 27 de dezembro de 1996.
(Incluído pela Medida Provisória nº 449, de 2008)
§ 7o O crédito da seguridade social é constituído por meio de notificação de lançamento, de auto de infração e de confissão de valores devidos e não recolhidos pelo contribuinte. (Redação dada pela Lei nº 11.941, de 2009).
§ 8o Aplicam-se às contribuições sociais mencionadas neste artigo as presunções legais de omissão de receita previstas nos §§ 2º e 3º do art. 12 do Decreto-Lei nº 1.598, de 26 de dezembro de 1977, e nos arts. 40, 41 e 42 da Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de 1996. (Incluído pela Lei nº 11.941, de 2009).

A importância do planejamento previdenciário para profissionais liberais

. 33, § 5º, da Lei n. 8.212 /1991 prevê a responsabilidade do empregador pelo recolhimento das contribuições... em seguridade, aplicando recursos por exemplo em planos de previdência complementar. Ar…
Ivenise Rocha, Advogado
há 6 meses

A empresa não pagou meu INSS! O que fazer?

de sua responsabilidade, pois é dever da Receita Federal fazer essa fiscalização, veja: O art. 33 da Lei 8.212/91 fala sobre o tema... fazendo os repasses das contribuições para Previdência Socia…

O que é Período de Carência e quais são os prazos?

, conforme previsão do artigo 24 da Lei 8.213 /91. Exceções: 1ª Hipótese: O período em que o segurado estava em gozo...) que presta serviços a empresa (a partir de abril de 2003) a contribuição se …

Alíquotas de contribuição pós-Reforma da Previdência e seus responsáveis tributários

do empregador reter a contribuição e não repassar para o INSS, e assim presumirá como recolhido: Art. 33 da Lei 8.212/91... 8.212/91 e art. da Lei 8.213/91. c) Contribuinte individual: é o …
Saariano Pinheiro, Advogado
há 10 meses

Negativa de aposentadoria pela falta de contribuição pelo empregador

pelo empregador e pela inércia do Fisco. É o que diz o art. 33 da Lei 8.212/91: Art. 33. À Secretaria da Receita... arrecadação, à cobrança e ao recolhimento das contribuições sociais previstas …

Meu patrão não recolheu INSS, mas descontou do meu salário. O que eu faço?

Mais comum do que se imagina é a falta de recolhimento de contribuições ao INSS por parte do empregador, o que pode trazer vários prejuízos e inúmeros transtornos aos trabalhadores. Tal ausência da…

Aposentadoria Rural Por Idade

UNIVERSIDADE PAULISTA RAIANE MARIA DA CONCEIÇÃO SOUZA APOSENTADORIA RURAL POR IDADE: benefício ou assistência? SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 2018 RAIANE MARIA DA CONCEIÇÃO SOUZA APOSENTADORIA RURAL POR IDADE:…

Minha aposentadoria foi negada, pois meu patrão não recolheu INSS. E agora?

O empregador (patrão) é obrigado a recolher o INSS do empregado como é de conhecimento amplo. Entretanto, há casos em que este não recolhe seja por falta de verbas ou por esquecimento. Ao chegar à…
L H, Advogado
há 3 anos

Reconhecimento de vínculo de emprego: execução das contribuições sociais do período

Reconhecimento de vínculo de emprego: execução das contribuições sociais do período Por: Luiz Henrique Aguiar Leite Competência da Justiça do Trabalho para o reconhecimento de vínculo empregatício e…

A Necessidade de Motivação do Lançamento do Crédito Tributário

O crédito tributário surge por meio de sua formalização, que é decorrente da aplicação da regra matriz de incidência tributária. Isto é, para que ele seja formalizado é necessário realizar a…