Art. 2 da Lei 8723/93

Lei nº 8.723 de 28 de Outubro de 1993

Dispõe sobre a redução de emissão de poluentes por veículos automotores e dá outras providências.
Art. 2° São os seguintes os limites e prazos a que se refere o artigo anterior:
I — (Vetado;)
II — para os veículos leves fabricados a partir de 1° de janeiro de 1997, os limites para níveis de emissão de gases de escapamento são:
a) 2,0 g/km de monóxido de carbono (CO};
b) 0,3 g/km de hidrocarbonetos (HC);
c) 0,6 g/km de óxidos de nitrogênio (NOx);
d) 0,03 g/km de aldeídos (CHO);
e) 0,05 g/km de partículas, nos casos de veículos do ciclo Diesel;
f) meio por cento de monóxido de carbono (CO) em marcha lenta;
III — (Vetado;}
IV — 08 veículos pesados do ciclo Otto atenderão aos níveis de emissão de gases de escapamento de acordo com limites e cronogramas a serem definidos pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).
§ 1° (Vetado.)
§ 2° Ressalvados critérios técnicos do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), é obrigatória a utilização de lacres nos dispositivos reguláveis do sistema de alimentação de combustível.
§ 3° Todos os veículos pesados não turbinados são obrigados a apresentar emissão nula dos gases dos cárter, devendo os demais veículos pesados atender às disposições em vigor do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), que regulam esta matéria.
§ 4° Oitenta por cento da totalidade de veículos pesados do ciclo Diesel comercializados pelos fabricantes nacionais terão os níveis máximos de emissão de gases de escapamento reduzido, em duas etapas, conforme 09 limites e cronogramas especificados abaixo:
I — a partir de 1° de janeiro de 1996:
a) 4,9 g/kWh de monóxido de carbono (CO);
b} 1,23 g/kWh de hidrocarbonetos (HC};
c) 9,0 de g/kWh de óxidos de nitrogênio {NO
x);
d) 0,7 g/kWh de partículas para motores com até 85 kW de potência;
e) 0,4 g/kWh de partículas para motores com mais de 85 kW de potência;
II — a partir de 1° de janeiro de 2000:
a) 4,0 g/kWh de monóxido de carbono (CO);
b) 1,1 g/kWh de hidrocarbonetos (HC);
c) 7,0 g/kWh de óxido de nitrogênio (NOx);
d) 0,15 g/kWh de partículas, a critério do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), até o final de 1994, em função de sua viabilidade técnica.
§ 5° Para os ônibus urbanos, as etapas estabelecidas no parágrafo anterior são antecipadas em dois anos, não se aplicando, entretanto, os limites estabelecidos no inciso I, d e e, do parágrafo anterior deste artigo.
§ 6° A partir de 1° de janeiro de 2002, a totalidade de veículos pesados do ciclo Diesel comercializados no Brasil atenderá aos mesmos limites de emissão de gases de escapamento definidos no § 4°, II, deste artigo.
§ 7º Para os veículos leves do ciclo Otto fabricados a partir de 1° de janeiro de 1992, quando não derivados de automóveis e classificados como utilitários, camionetes de uso misto ou veículos de carga, são os seguintes os limites de emissão de gases de escapamento, a vigorar a partir de 31 de dezembro de 1996:
a) 24,0 g/km de monóxido de carbono (CO);
b) 2,1 g/km de hidrocarbonetos (HC);
c) 2,0 g/km de óxidos de nitrogênio {NO
x);
d) 0,15 g/km de aldeídos (CHO);
e) três por cento de monóxido de carbono (CO) em marcha lenta.
§ 8° Os veículos leves do ciclo Diesel fabricados a partir de 1° de janeiro de 1992, quando não derivados de automóveis e classificados como utilitários, camionetes de uso misto ou veículos de carga, poderão, dependendo das características técnicas do motor, definidos pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), atender aos limites e exigências estabelecidos para os veículos pesados.
§ 9° As complementações e alterações deste artigo serão estabelecidas pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) .

Andamento do Processo n. 0014752-58.2013.4.01.3200 - Apelação Cível - 30/03/2017 do TRF-1

APELAÇÃO CÍVEL N. 0014752-58.2013.4.01.3200/AM : DESEMBARGADOR FEDERAL RELATOR JIRAIR ARAM MEGUERIAN APELANTE : DP INDUSTRIA E COMERCIO DE VIDROS LTDA ADVOGADO : RR00000791 - ANGELO PECCINI NETO E…

Página 4224 da Caderno Judicial - TRF1 do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) de 30 de Março de 2017

APELAÇÃO CÍVEL N. 0014752-58.2013.4.01.3200/AM : DESEMBARGADOR FEDERAL RELATOR JIRAIR ARAM MEGUERIAN APELANTE : DP INDUSTRIA E COMERCIO DE VIDROS LTDA ADVOGADO : RR00000791 - ANGELO PECCINI NETO E…

Página 14 da Judicial I - Capital SP do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) de 6 de Fevereiro de 2015

de inidoneidade para licitar e contratar com a Administração Pública enquanto perdurarem os motivos determinantes da punição ou até que seja promovida a reabilitação perante a própria autoridade que…

Página 870 da Judicial I - Interior SP e MS do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) de 8 de Agosto de 2013

estabelecido nos artigos 1º e 4º, abaixo colacionados:Art. 1º Os veículos automotores importados são obrigados a atender os mesmos limites de emissão de poluentes e níveis de ruído estabelecidos para…

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - APELAÇÃO CIVEL : AC 73733 RS 2001.04.01.073733-2

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL Nº 2001.04.01.073733-2/RS RELATOR : DES. FEDERAL CARLOS EDUARDO THOMPSON FLORES LENZ APELANTE : UNIAO FEDERAL ADVOGADO : José…

Página 1770 do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de 7 de Dezembro de 2010

aos artigos 1º e 2º, da Lei Federal 8.723/93 - normas que estabelecem o percentual de álcool anidro que deve ser adicionado à gasolina -, e ao artigo 1º, §1º, I, da Lei 9.847/99, regramento que…

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - APELAÇÃO CIVEL : AC 73733 RS 2001.04.01.073733-2

ADMINISTRATIVO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. MTBE ADICIONADO À GASOLINA.IMPROCEDÊNCIA DA AÇÃO. DIREITO AMBIENTAL. PRINCÍPIO DA PREVENÇÃO.EFEITOS. - Improvimento do agravo retido e provimento das apelações e …

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - APELAÇÃO CIVEL : AC 73733 RS 2001.04.01.073733-2

ADMINISTRATIVO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. MTBE ADICIONADO À GASOLINA.IMPROCEDÊNCIA DA AÇÃO. DIREITO AMBIENTAL. PRINCÍPIO DA PREVENÇÃO.EFEITOS. - Improvimento do agravo retido e provimento das apelações e …

Superior Tribunal de Justiça STJ : EDcl no Ag 1341923

EDcl no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.341.923 - SP (2010/0145344-8) RELATOR : MINISTRO LUIZ FUX EMBARGANTE : FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADOR : MÔNICA HERNANDES DE SÃO PEDRO E OUTRO(S) …
Termo/Assunto relacionado