Art. 1 do Decreto 2661/98

Decreto nº 2.661 de 08 de Julho de 1998

Regulamenta o parágrafo único do art. 27 da Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965 ( código florestal ), mediante o estabelecimento de normas de precaução relativas ao emprego do fogo em práticas agropastoris e florestais, e dá outras providências.
Art 1º É vedado o emprego do fogo:
I - nas florestas e demais formas de vegetação;
II - para queima pura e simples, assim entendida aquela não carbonizável, de
a) aparas de madeira e resíduos florestais produzidos por serrarias e madeireiras, como forma de descarte desses materiais;
b) material lenhoso, quando seu aproveitamento for economicamente viável;
III - numa faixa de:
a) quinze metros dos limites das faixas de segurança das linhas de transmissão e distribuição de energia elétrica;
b) cem metros ao redor da área de domínio de subestação de energia elétrica;
c) vinte e cinco metros ao redor da área de domínio de estações de telecomunicações;
d) cinqüenta metros a partir de aceiro, que deve ser preparado, mantido limpo e não cultivado, de dez metros de largura ao redor das Unidades de Conservação;
e) quinze metros de cada lado de rodovias estaduais e federais e de ferrovias, medidos a partir da faixa de domínio;
IV - no limite da linha que simultaneamente corresponda:
(Revogado)
a) à área definida pela circunferência de raio igual a onze mil metros, tendo como ponto central o centro geométrico da pista de pouso e decolagem de aeródromo;
(Revogado)
b) à área cuja linha perimetral é definida a partir da linha que delimita a área patrimonial de aeródromo, dela distanciando no mínimo dois mil metros, externamente, em qualquer de seus pontos.
(Revogado)
Parágrafo único. Após o transcurso de cinco anos da data de publicação deste Decreto, ficará proibido o uso do fogo, mesmo sob a forma de Queima Controlada, para queima de vegetação contida numa faixa de mil metros de aglomerado urbano de qualquer porte, delimitado a partir do seu centro urbanizado ou de quinhentos metros a partir do seu perímetro urbano, se superior.
(Revogado)
IV - no limite da linha que simultaneamente corresponda: (Redação dada pelo Decreto nº 2.905, de 28.12.1998)
(Revogado)
a) à área definida pela circunferência de raio igual a seis mil metros, tendo como ponto de referência o centro geométrico da pista de pouso e decolagem de aeródromos públicos; (Redação dada pelo Decreto nº 2.905, de 28.12.1998)
(Revogado)
b) à área cuja linha perimetral é definida a partir da linha que delimita a área patrimonial de aeródromo público, dela distanciando no mínimo dois mil metros, extremamente, em qualquer de seus pontos. (Redação dada pelo Decreto nº 2.905, de 28.12.1998)
(Revogado)
§ 1º Quando se tratar de aeródromos públicos que operem somente nas condições visuais diurnas (VFR) e a queima se realizar no período noturno compreendido entre o por e o nascer do Sol, será observado apenas o limite de que trata a alínea b do inciso IV. (Redação dada pelo Decreto nº 2.905, de 28.12.1998)
(Revogado)
§ 2º Quando se tratar de aeródromos privados, que operem apenas nas condições visuais diurnas (VFR) e a queima se realizar no período noturno, compreendido entre o por e o nascer do Sol, o limite de que trata a alínea b do inciso IV será reduzido para mil metros. (Redação dada pelo Decreto nº 2.905, de 28.12.1998)
(Revogado)
§ 3º Até 9 de julho de 2003, fica proibido o uso do fogo, mesmo sob a forma de queima controlada, para queima de vegetação contida numa faixa de mil metros de aglomerado urbano de qualquer porte, delimitado a partir do seu centro urbanizado, ou de quinhentos metros a partir do seu perímetro urbano, se superior.(Redação dada pelo Decreto nº 2.905, de 28.12.1998)
(Revogado)
IV - no limite da linha que simultaneamente corresponda: (Redação dada pelo Decreto nº 3.010, de 1999).
a) à área definida pela circunferência de raio igual a seis mil metros, tendo como ponto de referência o centro geométrico da pista de pouso e decolagem de aeródromos públicos; (Redação dada pelo Decreto nº 3.010, de 1999).
b) à área cuja linha perimetral é definida a partir da linha que delimita a área patrimonial de aeródromo público, dela distanciando no mínimo dois mil metros, externamente, em qualquer de seus pontos. (Redação dada pelo Decreto nº 3.010, de 1999).
§ 1o Quando se tratar de aeródromos públicos que operem somente nas condições visuais diurnas (VFR) e a queima se realizar no período noturno compreendido entre o por e o nascer do Sol, será observado apenas o limite de que trata a alínea b do inciso IV. (Redação dada pelo Decreto nº 3.010, de 1999).
§ 2o Quando se tratar de aeródromos privados, que operem apenas nas condições visuais diurnas (VFR) e a queima se realizar no período noturno, compreendido entre o por e o nascer do Sol, o limite de que trata a alínea b do inciso IV será reduzido para mil metros. (Redação dada pelo Decreto nº 3.010, de 1999).
§ 3o Após 9 de julho de 2003, fica proibido o uso do fogo, mesmo sob a forma de queima controlada, para queima de vegetação contida numa faixa de mil metros de aglomerado urbano de qualquer porte, delimitado a partir do seu centro urbanizado, ou de quinhentos metros a partir do seu perímetro urbano, se superior. (Redação dada pelo Decreto nº 3.010, de 1999).

Página 2436 do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de 25 de Junho de 2019

RECURSO ESPECIAL Nº 1.747.903 - RS (2017/0290245-8) RELATORA : MINISTRA REGINA HELENA COSTA RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RECORRIDO : CENTRAIS ELETRICAS DE SANTA CATARINA SA ADVOGADO : JOÃO...

Página 2437 do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de 25 de Junho de 2019

considerada, para fins de fixação da indenização, a faixa de segurança relativa à linha de transmissão instalada, uma vez que teria havido restrição do uso de terra indígena, qual seja, a realização...

Página 267 do Diário de Justiça do Estado do Paraná (DJPR) de 3 de Junho de 2019

Assinado Digitalmente Marco Aurélio Malucelli Diretor de Secretaria da 5ª Vara Cível Por ordem do(a) MM. Juiz(a) De acordo com a portaria nº 01/2010 Edital Geral IDMATERIA1528813IDMATERIA PODER...

Tribunal Regional Federal da 3ª Região TRF-3 : 00032685920124036002

PROC. -:- 2012.60.02.003268-8 Ap 2191045 D.J. -:- 07/08/2018 APELAÇAO CÍVEL Nº 0003268-59.2012.4.03.6002/MS 2012.60.02.003268-8/MS RELATORA : Desembargadora Federal DIVA MALERBI APELANTE : Instituto...

Andamento do Processo n. 0003268-59.2012.4.03.6002 - Apelação Cível - 06/08/2018 do TRF-3

00032 APELAÇÃO CÍVEL Nº 0003268-59.2012.4.03.6002/MS 2012.60.02.003268-8/MS RELATORA : Desembargadora Federal DIVA MALERBI APELANTE : Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais...

Página 892 da Judicial I - TRF do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) de 6 de Agosto de 2018

00032 APELAÇÃO CÍVEL Nº 0003268-59.2012.4.03.6002/MS 2012.60.02.003268-8/MS RELATORA : Desembargadora Federal DIVA MALERBI APELANTE : Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais...

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Cível : AC 70077100907 RS

ED Nº 70077100907 (Nº CNJ: 0075302-98.2018.8.21.7000) 2018/Cível APELAÇAO CÍVEL. SERVIDAO ADMINISTRATIVA. INDENIZAÇAO COMPLEMENTAR. DESCABIMENTO. VALIDADE DO NEGÓCIO JURÍDICO. VÍCIO DE CONSENTIMENTO;...

Andamento do Processo n. 0009638-31.2010.403.6000 - 04/10/2017 do TRF-3

0009638-31.2010.403.6000 - JOSE ORLANDO DE MATTOS (MS007878 - VANESSA RIBEIRO LOPES E MS011571 - DENISE FELICIO COELHO) X INSTITUTO BRAS DO MEIO AMB E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA...

Página 330 da Judicial I - Interior SP e MS do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) de 4 de Outubro de 2017

JOSÉ ORLANDO DE MATTOS propôs a presente ação contra o INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA.Sustenta que em11 de junho de 2002 foi lavrado contra sua...

Andamento do Processo n. 0013677-37.2011.403.6000 - 27/06/2017 do TRF-3

0013677-37.2011.403.6000 - NELSON CINTRA RIBEIRO (MS007889 - MARIA SILVIA CELESTINO E MS008962 - PAULA COELHO BARBOSA TENUTA) X INSTITUTO BRAS DO MEIO AMB E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA...

Termos/Assuntos relacionados