Carregando...
Jusbrasil - Tópicos
25 de julho de 2017
Artigo 4 da Lei nº 818 de 18 de Setembro de 1949

Art. 4 da Lei de Nacionalidade - Lei 818/49

Lei nº 818 de 18 de Setembro de 1949

Regula a aquisição, a perda e a reaquisição da nacionalidade, e a perda dos direitos políticos.

Art. 4º O filho de brasileiro, ou brasileira, nascido no estrangeiro e cujos pais ali não estejam a serviço do Brasil, poderá após a sua chegada ao País, para nêle residir, requerer ao juízo competente do seu domicílio, fazendo-se constar dêste e das respectivas certidões que o mesmo só valerá, como prova de nacionalidade brasileira, até quatro anos depois de atingida a maioridade. (Redação dada pela Lei nº 5.145, de 1966)

§ 1º O requerimento será instruído com documentos comprobatórios da nacionalidade brasileira de um dos genitores do optante, na data de seu nascimento, e de seu domicílio do Brasil. (Incluído pela Lei nº 5.145, de 1966)

§ 2º Ouvido o representante do Ministério Público Federal, no prazo de cinco dias, decidirá o juiz em igual prazo. (Incluído pela Lei nº 5.145, de 1966)

§ 3º Da decisão que autorizar a transcrição do têrmo recorrerá o juiz de ofício. (Incluído pela Lei nº 5.145, de 1966)

§ 3 º Esta decisão estará sujeita ao duplo grau de jurisdição, não produzindo efeito senão depois de confirmada pelo Tribunal. (Redação dada pela Lei nº 6.014, de 1973)

"Neto de Peixe, Peixinho é"

Com a atual crise que se instalou no Brasil, a procura pela nacionalidade portuguesa tem aumentado como uma “porta de emergência” para a Europa. Muitos Brasileiros já não têm a ligação parental

Pg. 549. Judicial I - Interior SP e MS. Tribunal Regional Federal da 3ª Região TRF-3 de 13/07/2017

[...] c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe brasileira, desde que sejam registrados em repartição brasileira competente ou venham a residir na República Federativa do Brasil e

Nacionalidade portuguesa: atual cenário para bisnetos, netos, cônjuges e imigrantes ilegais

A notícia da última semana foi a publicação do Decreto-Lei n.º 71/2017, que dá vida à nacionalidade originária para netos de portugueses nascidos no estrangeiro e ao mesmo tempo lhes retira a via da

Pg. 463. Judicial - JFRJ. Tribunal Regional Federal da 2ª Região TRF-2 de 30/05/2017

A nacionalidade, direito fundamental da pessoa humana, configura vínculo político e pessoal entre o Estado e o indivíduo, e encontra regulamentação expressa na Constituição Federal de 1988, que

Pg. 332. Judicial I - Interior SP e MS. Tribunal Regional Federal da 3ª Região TRF-3 de 12/05/2017

D I S P O S I T I V O Diante do exposto, HOMOLOGO a opção pela nacionalidade brasileira definitiva feita por DIOGO FILIPE MICALI MOTA. Em consequência, DETERMINO seja efetuado o respectivo registro

Pg. 268. Caderno Judicial - SJGO. Tribunal Regional Federal da 1ª Região TRF-1 de 04/05/2017

termo de nascimento da requerente, no livro "E", conforme as disposições da Lei nº 6.015/73, art. 32, parágrafo 2º. Sem custas nem honorários. Sentença não adstrita ao reexame necessário, uma vez que

[Modelo] Inicial de Opção de Nacionalidade

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA... SUBSESSÃO JUDICIÁRIA DE... NOME , nacionalidade, estado civil, profissão, endereço residencial, endereço eletrônico, e-mail, vem, por intermédio de sua

Inteiro Teor. REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL: REO 34519320154036141 SP

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL Nº 0003451-93.2015.4.03.6141/SP 2015.61.41.003451-8/SP RELATORA : Desembargadora Federal CONSUELO YOSHIDA PARTE AUTORA

Andamento do Processo n. 0026725-31.2009.4.01.3400 - Reexame Necessário - 23/02/2017 do TRF-1

Numeração Única: 0026725-31.2009.4.01.3400 REEXAME NECESSÁRIO N. 2009.34.00.027240-0/DF : DESEMBARGADOR FEDERAL NÉVITON GUEDES RELATOR AUTOR : DIONISI MURACHEV REUTOV (MENOR) ADVOGADO : DF00009983 -

Pg. 3835. Caderno Judicial - TRF1. Tribunal Regional Federal da 1ª Região TRF-1 de 23/02/2017

Quinta Turma do TRF da 1ª Região – Brasília, 7 de dezembro de 2016. Desembargador Federal NÉVITON GUEDES Relator Numeração Única: 0026725-31.2009.4.01.3400 REEXAME NECESSÁRIO N.

×