Artigo 10 da Lei nº 9.263 de 12 de Janeiro de 1996

Lei nº 9.263 de 12 de Janeiro de 1996

Regula o § 7º do art. 226 da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências.
Art. 10. Somente é permitida a esterilização voluntária nas seguintes situações: (Artigo vetado e mantido pelo Congresso Nacional - Mensagem nº 928, de 19.8.1997)
I - em homens e mulheres com capacidade civil plena e maiores de vinte e cinco anos de idade ou, pelo menos, com dois filhos vivos, desde que observado o prazo mínimo de sessenta dias entre a manifestação da vontade e o ato cirúrgico, período no qual será propiciado à pessoa interessada acesso a serviço de regulação da fecundidade, incluindo aconselhamento por equipe multidisciplinar, visando desencorajar a esterilização precoce;
(Revogado)
I - em homens e mulheres com capacidade civil plena e maiores de 21 (vinte e um) anos de idade ou, pelo menos, com 2 (dois) filhos vivos, desde que observado o prazo mínimo de 60 (sessenta) dias entre a manifestação da vontade e o ato cirúrgico, período no qual será propiciado à pessoa interessada acesso a serviço de regulação da fecundidade, inclusive aconselhamento por equipe multidisciplinar, com vistas a desencorajar a esterilização precoce; (Redação dada pela Lei nº 14.443, de 2022) Vigência
II - risco à vida ou à saúde da mulher ou do futuro concepto, testemunhado em relatório escrito e assinado por dois médicos.
§ 1º É condição para que se realize a esterilização o registro de expressa manifestação da vontade em documento escrito e firmado, após a informação a respeito dos riscos da cirurgia, possíveis efeitos colaterais, dificuldades de sua reversão e opções de contracepção reversíveis existentes.
§ 2º É vedada a esterilização cirúrgica em mulher durante os períodos de parto ou aborto, exceto nos casos de comprovada necessidade, por cesarianas sucessivas anteriores.
(Revogado)
§ 2º A esterilização cirúrgica em mulher durante o período de parto será garantida à solicitante se observados o prazo mínimo de 60 (sessenta) dias entre a manifestação da vontade e o parto e as devidas condições médicas. (Redação dada pela Lei nº 14.443, de 2022) Vigência
§ 3º Não será considerada a manifestação de vontade, na forma do § 1º, expressa durante ocorrência de alterações na capacidade de discernimento por influência de álcool, drogas, estados emocionais alterados ou incapacidade mental temporária ou permanente.
§ 4º A esterilização cirúrgica como método contraceptivo somente será executada através da laqueadura tubária, vasectomia ou de outro método cientificamente aceito, sendo vedada através da histerectomia e ooforectomia.
§ 5º Na vigência de sociedade conjugal, a esterilização depende do consentimento expresso de ambos os cônjuges. (Vide Lei nº 14.443, de 2022) Vigência
(Revogado pela Lei nº 14.443, de 2022) Vigência
§ 5º (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 14.443, de 2022) Vigência
§ 6º A esterilização cirúrgica em pessoas absolutamente incapazes somente poderá ocorrer mediante autorização judicial, regulamentada na forma da Lei.

O Direito a laqueadura tubária: análise das mudanças trazidas pela lei 14.443/22

RESUMO O planejamento familiar é um tema complexo e fundamental para a sociedade contemporânea, abordando questões relacionadas à autonomia, liberdade e dignidade das pessoas. A recente aprovação da…
1
0
Jonathas Pereira, Estudante de Direito
ano passado

O Parto Anônimo e o Direito à Origem Genética: uma Celeuma à Luz da Hermenêutica Jurídica

INTRODUÇÃO A presente pesquisa visa abordar acerca das possíveis consequências da regulamentação do parto anônimo no Brasil, pois de um lado, existem questões relacionadas ao reconhecimento da…
1
0

Laqueadura e as mulheres de baixa renda.

Thaís da Silva Cavalcanti [1] Otávio Augusto de Souza [2] Introdução O direito de planejamento familiar está contido na Constituição Federal, em seu artigo 226, § 7, trazendo a cada indivíduo a…
1
0

Dispositivo da lei do planejamento familiar restringindo e violando o direito reprodutivo e a autonomia do próprio corpo da mulher.

 Artigo científico sobre a óptica do art. 10, § 5º, da lei nº 9.263/96 do planejamento familiar e, como este, fere o direito reprodutivo e a autonomia do próprio corpo da mulher. Apresentado à…
1
0

Consentimento para colocar DIU?

Você deve pedir consentimento para colocação de DIU? Recentemente, uma reportagem da Folha de São Paulo denunciou alguns planos de saúde do interior do estado que estavam exigindo consentimento do…
1
0

Esterilização voluntária

Esterilização voluntária A Lei nº 9.263/1996 , que trata do planejamento familiar, em seu artigo 10, inciso I, quando cuida da esterilização voluntária realizada no âmbito do SUS, em uma das causas…
8
3
Larissa Brito, Advogado
há 3 anos

O caso da exigência de consentimento do marido para inserção do DIU e a incansável tentativa de controle dos corpos das mulheres

Autoras: Larissa Farias Brito* e Idalina Cecília Fonseca da Cunha* No último dia 04 foi veiculado no jornal Folha de São Paulo a notícia de que algumas operadoras de plano de saúde - citando, em…
15
31

Laqueadura / Esterilização Feminina uma Garantia do Art. 10 da Lei Nº 9.263/96

1 RESUMO Este artigo científico versará sobre a esterilização feminina (laqueadura) como um direito garantido pelo art. 10 da lei 9263 de 1996, Lei do Planejamento Familiar , o qual as mulheres se…
2
0

A Lei do Planejamento Familiar é Constitucional?

A Constituição de 1988, muito acertadamente chamada de Constituição Cidadã, trouxe ao ordenamento jurídico brasileiro uma preocupação muito atenta e cuidadosa sobre a necessidade de construirmos uma…
1
0

As esterilizações forçadas e o livre consentimento informado das pessoas com deficiência

Até pouco tempo atrás, as pessoas que sofriam de deficiências ou enfermidades, principalmente as de ordem mental e intelectual, eram tolhidas dos mais variados direitos fundamentais, de forma mais…
3
1