Artigo 10 da Lei nº 9.263 de 12 de Janeiro de 1996

Lei nº 9.263 de 12 de Janeiro de 1996

Regula o § 7º do art. 226 da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências.
Art. 10. Somente é permitida a esterilização voluntária nas seguintes situações: (Artigo vetado e mantido pelo Congresso Nacional - Mensagem nº 928, de 19.8.1997)
I - em homens e mulheres com capacidade civil plena e maiores de vinte e cinco anos de idade ou, pelo menos, com dois filhos vivos, desde que observado o prazo mínimo de sessenta dias entre a manifestação da vontade e o ato cirúrgico, período no qual será propiciado à pessoa interessada acesso a serviço de regulação da fecundidade, incluindo aconselhamento por equipe multidisciplinar, visando desencorajar a esterilização precoce;
(Revogado)
I - em homens e mulheres com capacidade civil plena e maiores de 21 (vinte e um) anos de idade ou, pelo menos, com 2 (dois) filhos vivos, desde que observado o prazo mínimo de 60 (sessenta) dias entre a manifestação da vontade e o ato cirúrgico, período no qual será propiciado à pessoa interessada acesso a serviço de regulação da fecundidade, inclusive aconselhamento por equipe multidisciplinar, com vistas a desencorajar a esterilização precoce; (Redação dada pela Lei nº 14.443, de 2022) Vigência
II - risco à vida ou à saúde da mulher ou do futuro concepto, testemunhado em relatório escrito e assinado por dois médicos.
§ 1º É condição para que se realize a esterilização o registro de expressa manifestação da vontade em documento escrito e firmado, após a informação a respeito dos riscos da cirurgia, possíveis efeitos colaterais, dificuldades de sua reversão e opções de contracepção reversíveis existentes.
§ 2º É vedada a esterilização cirúrgica em mulher durante os períodos de parto ou aborto, exceto nos casos de comprovada necessidade, por cesarianas sucessivas anteriores.
(Revogado)
§ 2º A esterilização cirúrgica em mulher durante o período de parto será garantida à solicitante se observados o prazo mínimo de 60 (sessenta) dias entre a manifestação da vontade e o parto e as devidas condições médicas. (Redação dada pela Lei nº 14.443, de 2022) Vigência
§ 3º Não será considerada a manifestação de vontade, na forma do § 1º, expressa durante ocorrência de alterações na capacidade de discernimento por influência de álcool, drogas, estados emocionais alterados ou incapacidade mental temporária ou permanente.
§ 4º A esterilização cirúrgica como método contraceptivo somente será executada através da laqueadura tubária, vasectomia ou de outro método cientificamente aceito, sendo vedada através da histerectomia e ooforectomia.
§ 5º Na vigência de sociedade conjugal, a esterilização depende do consentimento expresso de ambos os cônjuges. (Vide Lei nº 14.443, de 2022) Vigência
(Revogado pela Lei nº 14.443, de 2022) Vigência
§ 5º (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 14.443, de 2022) Vigência
§ 6º A esterilização cirúrgica em pessoas absolutamente incapazes somente poderá ocorrer mediante autorização judicial, regulamentada na forma da Lei.

10.1.Liberdade Privada - 10.Proibição de Preconceito - Instituições de Direito Civil: Família e Sucessões

Sumário: 8.Proteção jurídica e política da família 8.1.Estrutura constitucional de família. Prática jurídica 8.2.Direito privado e eficácia de segurança das relações de família 8.3.Políticas públicas…
0
0

10. Capacidade Civil em Situações Especiais - Capacidade Civil e Pessoas com Deficiência Intelectual e Mental

Embora a lei não o faça 1 , na doutrina, encontra-se a classificação da capacidade em genérica e específica. A primeira refere-se às situações consideradas comuns, no sentido de serem regradas apenas…
0
0

2.4.1 - Efeitos não patrimoniais - 2.4 - Efeitos

2.4.1 Efeitos não patrimoniais 2.4.1.1 Efeitos sociais Caio Mário afirma, com razão, ser a constituição da família o primeiro e grande efeito do casamento. 105 Se, por um lado, não se há mais de…
0
0

Capítulo 1 - Reprodução Assistida Póstuma - Herança Legítima Ad Tempus: Tutela Sucessória no Âmbito da Filiação Resultante de Reprodução Assistida Póstuma

Na esteira dos esclarecimentos prestados na introdução, o primeiro capítulo do livro obrigatoriamente envolve a apresentação da atividade relacionada à reprodução assistida póstuma no âmbito do…
0
0

O Contexto Sociojurídico da Família - Instituições de Direito Civil: Família e Sucessões

8. Proteção jurídica e política da família 8.1. Estrutura constitucional de família. Prática jurídica De acordo com a Constituição Federal de 1988, como vimos, a família se estrutura pelo casamento…
0
0

Capítulo II. O Contexto Sociojurídico da Família - Parte I - Direitos Fundamentais e Direito de Família - Instituições de Direito Civil: Família

1. Proteção jurídica e política da família 1.1. Estrutura constitucional de família. Prática jurídica D e acordo com a Constituição Federal de 1988, como vimos, a família se estrutura pelo casamento…
0
0

Capítulo 7 - A Pessoa Natural - Primeira Parte - Parte Geral do Direito Civil - Curso de Direito Civil: Parte Geral

1. Introdução Nas sociedades democráticas da atualidade, homens e mulheres são todos considerados pessoas para o direito, isto é, aptos a titularizar direitos e obrigações e autorizados à prática dos…
0
0

Capítulo 4. Responsabilidade Civil dos Médicos e as Clínicas de Reprodução Humana Assistida - Parte I - Novas Tecnologias na Área da Saúde e Responsabilidade Civil

Autores: Isadora Cé Pagliari Débora Gozzo 1 2 1. Introdução A reprodução humana assistida é tema que sempre suscita um grande número de questionamentos, dada sua importância para a sociedade, em…
0
0