Carregando...
Jusbrasil - Tópicos
25 de setembro de 2017
Artigo 99 da Lei nº 94 de 14 de Março de 1979 do Munícipio do Rio de janeiro

Art. 99 da Lei 94/79, Rio de janeiro

Lei nº 94 de 14 de Março de 1979

DISPÕE SOBRE O ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Art. 99- Em caso de acidente de trabalho ou de doença profissional, será mantido integralmente, durante a licença, o vencimento do funcionário, correndo ainda por conta do Município as despesas com o tratamento médico e hospitalar do funcionário, que será realizado, sempre que possível, em estabelecimento municipal de assistência médica.

§ 1º - Por acidente no trabalho, para os efeitos deste Estatuto, entende-se o evento que causa dano físico ou mental ao funcionário e tenha relação mediata ou imediata com o exercício do cargo ou função.

§ 2º - Equipara-se ao acidente no trabalho, a agressão, quando não provocada, sofrida pelo funcionário no serviço ou em razão dele e o ocorrido no deslocamento para o serviço ou do serviço.

§ 3º - Por doença profissional, entende-se a que resulta da natureza e das condições do trabalho.

§ 4º - Nos casos previstos nos parágrafos 1o, 2o e 3o deste artigo, o laudo resultante da inspeção médica deverá estabelecer rigorosamente a caracterização do acidente no trabalho e da doença profissional.

Inteiro Teor. APELAÇÃO: APL 3569052720128190001 RIO DE JANEIRO CAPITAL 10 VARA FAZ PUBLICA

Poder Judiciário Estado do Rio de Janeiro Décima Nona Câmara Cível Apelaçãonº0356905-27.2012.8.19.0001 Apelante : GILDAROSESILVADOAMARAL Apelado : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Origem :10ª VARA DA

Andamento do Processo n. 991.338 - Recurso Extraordinário / Agravo - 20/09/2016 do STF

RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 991.338 (695) ORIGEM : 01911946720128190001 - TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADUAL PROCED. : RIO DE JANEIRO RELATOR :MIN. GILMAR MENDES RECTE.(S) : MUNICÍPIO DO RIO DE

Pg. 170. Supremo Tribunal Federal STF de 20/09/2016

razões específicas do seu organismo, comprove que o tratamento fornecido não é eficaz no seu caso ." Ocorre que, segundo ficou consignado no Tribunal de origem, existe medicamento eficaz no âmbito do

Pg. 16. Normal. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro DOM-RJ de 05/05/2016

Nº 1014 - Nomear ANA PAULA DA CONCEIÇÃO, PROFESSOR II, matrícula 10/235124-5, para exercer, com eficácia a contar de 26 de abril de 2016, o Cargo em Comissão de DIRETOR IV, símbolo DAS-06, código

Inteiro Teor. APELAÇÃO: APL 2306967620138190001 RIO DE JANEIRO CAPITAL 3 VARA FAZ PUBLICA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL © APELAÇÃO CÍVEL Processo eletrônico nº 0230696-76.2013.8.19.0001 APELANTE : ADAILSON DOMINGOS DE SOUZA APELADO : MUNICÍPIO

APELAÇÃO: APL 2522506720138190001 RIO DE JANEIRO CAPITAL 3 VARA FAZ PUBLICA

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO ACIDENTÁRIA. PRETENSÃO DE CONVERSÃO DA LICENÇA MÉDICA EM LICENÇA POR ACIDENTE DE TRABALHO, PREVISTA NO ART. 99, DA LEI MUNICIPAL Nº 94/79. SENTENÇA QUE JULGOU IMPROCEDENTE O PEDIDO. INCONFORMISMO DO AUTOR. CONSTITUI REQUISITO ESSENCIAL PARA A CARACTERIZAÇÃO DO ACIDENTE DE TRABALHO A DEMONSTRAÇÃO D...

Inteiro Teor. APELAÇÃO: APL 2522506720138190001 RIO DE JANEIRO CAPITAL 3 VARA FAZ PUBLICA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 18ª CÂMARA CÍVEL _________________________________________________________________________ APELAÇÃO CÍVEL Nº 0252250-67.2013.8.19.0001 3ª VARA DE

Pg. 14. Normal. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro DOM-RJ de 23/02/2016

Leia-se Processo: 07/046659/2008 Consoante razões apontadas à fl. 79/80 do processo em epígrafe, que ora acolho, declaro não aprovada a prestação de contas do mês de junho /2008, referente ao

Inteiro Teor. APELAÇÃO: APL 1608689020138190001 RIO DE JANEIRO CAPITAL 2 VARA FAZ PUBLICA

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Décima Sexta Câmara Cível Agravo Interno na Apelação Cível nº 0160868-90.2013.8.19.0001 FLS.1 Agravante: MIRIAN CONCEIÇÃO DE MATOS ARAÚJO Agravado:

TJ-RJ condena prefeitura a indenizar professora agredida por aluno

O poder público tem o dever de exercer vigilância e de proteger a todos que frequentam o ambiente escolar. Com esse entendimento, a 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro confirmou

×