Carregando...
Jusbrasil - Tópicos
24 de setembro de 2017
Artigo 4 da Lei nº 12.850 de 02 de Agosto de 2013

Art. 4 da Lei 12850/13

Lei nº 12.850 de 02 de Agosto de 2013

Define organização criminosa e dispõe sobre a investigação criminal, os meios de obtenção da prova, infrações penais correlatas e o procedimento criminal; altera o Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal); revoga a Lei no 9.034, de 3 de maio de 1995; e dá outras providências.

Art. 4o O juiz poderá, a requerimento das partes, conceder o perdão judicial, reduzir em até 2/3 (dois terços) a pena privativa de liberdade ou substituí-la por restritiva de direitos daquele que tenha colaborado efetiva e voluntariamente com a investigação e com o processo criminal, desde que dessa colaboração advenha um ou mais dos seguintes resultados:

I - a identificação dos demais coautores e partícipes da organização criminosa e das infrações penais por eles praticadas;

II - a revelação da estrutura hierárquica e da divisão de tarefas da organização criminosa;

III - a prevenção de infrações penais decorrentes das atividades da organização criminosa;

IV - a recuperação total ou parcial do produto ou do proveito das infrações penais praticadas pela organização criminosa;

V - a localização de eventual vítima com a sua integridade física preservada.

§ 1o Em qualquer caso, a concessão do benefício levará em conta a personalidade do colaborador, a natureza, as circunstâncias, a gravidade e a repercussão social do fato criminoso e a eficácia da colaboração.

§ 2o Considerando a relevância da colaboração prestada, o Ministério Público, a qualquer tempo, e o delegado de polícia, nos autos do inquérito policial, com a manifestação do Ministério Público, poderão requerer ou representar ao juiz pela concessão de perdão judicial ao colaborador, ainda que esse benefício não tenha sido previsto na proposta inicial, aplicando-se, no que couber, o art. 28 do Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal).

§ 3o O prazo para oferecimento de denúncia ou o processo, relativos ao colaborador, poderá ser suspenso por até 6 (seis) meses, prorrogáveis por igual período, até que sejam cumpridas as medidas de colaboração, suspendendo-se o respectivo prazo prescricional.

§ 4o Nas mesmas hipóteses do caput, o Ministério Público poderá deixar de oferecer denúncia se o colaborador:

I - não for o líder da organização criminosa;

II - for o primeiro a prestar efetiva colaboração nos termos deste artigo.

§ 5o Se a colaboração for posterior à sentença, a pena poderá ser reduzida até a metade ou será admitida a progressão de regime ainda que ausentes os requisitos objetivos.

§ 6o O juiz não participará das negociações realizadas entre as partes para a formalização do acordo de colaboração, que ocorrerá entre o delegado de polícia, o investigado e o defensor, com a manifestação do Ministério Público, ou, conforme o caso, entre o Ministério Público e o investigado ou acusado e seu defensor.

§ 7o Realizado o acordo na forma do § 6o, o respectivo termo, acompanhado das declarações do colaborador e de cópia da investigação, será remetido ao juiz para homologação, o qual deverá verificar sua regularidade, legalidade e voluntariedade, podendo para este fim, sigilosamente, ouvir o colaborador, na presença de seu defensor.

§ 8o O juiz poderá recusar homologação à proposta que não atender aos requisitos legais, ou adequá-la ao caso concreto.

§ 9o Depois de homologado o acordo, o colaborador poderá, sempre acompanhado pelo seu defensor, ser ouvido pelo membro do Ministério Público ou pelo delegado de polícia responsável pelas investigações.

§ 10. As partes podem retratar-se da proposta, caso em que as provas autoincriminatórias produzidas pelo colaborador não poderão ser utilizadas exclusivamente em seu desfavor.

§ 11. A sentença apreciará os termos do acordo homologado e sua eficácia.

§ 12. Ainda que beneficiado por perdão judicial ou não denunciado, o colaborador poderá ser ouvido em juízo a requerimento das partes ou por iniciativa da autoridade judicial.

§ 13. Sempre que possível, o registro dos atos de colaboração será feito pelos meios ou recursos de gravação magnética, estenotipia, digital ou técnica similar, inclusive audiovisual, destinados a obter maior fidelidade das informações.

§ 14. Nos depoimentos que prestar, o colaborador renunciará, na presença de seu defensor, ao direito ao silêncio e estará sujeito ao compromisso legal de dizer a verdade.

§ 15. Em todos os atos de negociação, confirmação e execução da colaboração, o colaborador deverá estar assistido por defensor.

§ 16. Nenhuma sentença condenatória será proferida com fundamento apenas nas declarações de agente colaborador.

No país das resoluções e dos enunciados, quem precisa de lei?

Há alguns dias nós que atuamos na Justiça Criminal fomos “brindados” com mais algumas pérolas, muito comuns nos dias de hoje, quando pululam as absurdidades das mais variadas espécies, como se

Do (pré)julgamento (i)legal do magistrado “homologador” do acordo de colaboração premiada

Valber Melo [1] Filipe Maia Broeto [2] O instituto da colaboração premiada – “melhor” regulamentado pela Lei 12.850/2013 –, como se nota, se apresenta, cada vez mais, como campo fértil para a

Do (pré)julgamento (i)legal do magistrado “homologador” do acordo de colaboração premiada

Valber Melo [1] Filipe Maia Broeto [2] O instituto da colaboração premiada – “melhor” regulamentado pela Lei 12.850/2013 –, como se nota, se apresenta, cada vez mais, como campo fértil para a

Andamento do Processo n. 5.508 - Ação Direta de Inconstitucionalidade - 22/09/2017 do STF

da Lei 12.850, de 2 de agosto de 2013, no tocante à legitimidade do delegado de polícia para conduzir e pactuar... de órgãos ou entidades – artigo 7º da Lei 9.868, de 10 de novembro de 1999. O requerente não logrou demonstrar razão... ação direta de inconstitucionalidade, a compatibilidade, com a Constituição Fe...

Andamento do Processo n. 5.508 - Ação Direta de Inconstitucionalidade - 22/09/2017 do STF

da Lei 12.850, de 2 de agosto de 2013, no tocante à legitimidade do delegado de polícia para conduzir e pactuar... a manifestação de órgãos ou entidades – artigo 7º da Lei 9.868, de 10 de novembro de 1999. O requerente não logrou demonstrar... ação direta de inconstitucionalidade, a compatibilidade, com a Consti...

Andamento do Processo n. 0003517-16.2016.4.05.8200 - Acr - 22/09/2017 do TRF-5

do disposto nos §§ 10 e 11, do art. 4º, da Lei 12.850/13. 6. Há que se aguardar a prolação da sentença, na ação penal... 12.850/13. ACORDO DE COLABORAÇÃO PREMIADA. NÃO PROVIMENTO DA APELAÇÃO. 1. Apelação criminal interposta em face... do disposto nos arts. 1º e 4º, ambos do Decreto-Lei 3.240/41, pode recair s...

Pg. 81. Supremo Tribunal Federal STF de 22/09/2017

, dos parágrafos 2º e 6º do artigo 4º da Lei 12.850, de 2 de agosto de 2013, no tocante à legitimidade do delegado de polícia..., dos parágrafos 2º e 6º do artigo 4º da Lei 12.850, de 2 de agosto de 2013, no tocante à legitimidade do delegado de polícia... irrecorrível, é possível a manifestação de órgãos ou enti...

Pg. 24. TRF-5 - Edição Judicial. Tribunal Regional Federal da 5ª Região TRF-5 de 22/09/2017

com cautela, diante do disposto nos §§ 10 e 11, do art. 4º, da Lei 12.850/13. 6. Há que se aguardar a prolação.... DECRETO-LEI 3.240/41. LEI 12.850/13. ACORDO DE COLABORAÇÃO PREMIADA. NÃO PROVIMENTO DA APELAÇÃO. 1. Apelação criminal... nos autos, a teor do disposto nos arts. 1º e 4º, ambos do Decreto-Lei 3.24...

Pg. 2324. Seção III. Diário de Justiça do Estado de Goiás DJGO de 21/09/2017

RA. VANESSA GOULART BARBOSA. FEITO O PREGAO, CONSTATOU-SE A AUSEN CIA DO REEDUCANDO MIZAEL JUNIOR SARAIVA FERREIRA DE ARAUJO, BEM C OMO DO DEFENSOR CONSTITUIDO DR. WILMONDES DE CARVALHO VIANA, OAB/

No País das resoluções e dos enunciados, quem precisa de lei?

Há alguns dias nós que atuamos na Justiça Criminal fomos brindados por mais algumas pérolas, muito comuns nos dias de hoje, quando pululam as absurdidades das mais variadas espécies. Estamos como se

×