Art. 4 da Lei 12850/13

Lei nº 12.850 de 02 de Agosto de 2013

Define organização criminosa e dispõe sobre a investigação criminal, os meios de obtenção da prova, infrações penais correlatas e o procedimento criminal; altera o Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal); revoga a Lei no 9.034, de 3 de maio de 1995; e dá outras providências.
Art. 4o O juiz poderá, a requerimento das partes, conceder o perdão judicial, reduzir em até 2/3 (dois terços) a pena privativa de liberdade ou substituí-la por restritiva de direitos daquele que tenha colaborado efetiva e voluntariamente com a investigação e com o processo criminal, desde que dessa colaboração advenha um ou mais dos seguintes resultados:
I - a identificação dos demais coautores e partícipes da organização criminosa e das infrações penais por eles praticadas;
II - a revelação da estrutura hierárquica e da divisão de tarefas da organização criminosa;
III - a prevenção de infrações penais decorrentes das atividades da organização criminosa;
IV - a recuperação total ou parcial do produto ou do proveito das infrações penais praticadas pela organização criminosa;
V - a localização de eventual vítima com a sua integridade física preservada.
§ 1o Em qualquer caso, a concessão do benefício levará em conta a personalidade do colaborador, a natureza, as circunstâncias, a gravidade e a repercussão social do fato criminoso e a eficácia da colaboração.
§ 2o Considerando a relevância da colaboração prestada, o Ministério Público, a qualquer tempo, e o delegado de polícia, nos autos do inquérito policial, com a manifestação do Ministério Público, poderão requerer ou representar ao juiz pela concessão de perdão judicial ao colaborador, ainda que esse benefício não tenha sido previsto na proposta inicial, aplicando-se, no que couber, o art. 28 do Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal).
§ 3o O prazo para oferecimento de denúncia ou o processo, relativos ao colaborador, poderá ser suspenso por até 6 (seis) meses, prorrogáveis por igual período, até que sejam cumpridas as medidas de colaboração, suspendendo-se o respectivo prazo prescricional.
§ 4o Nas mesmas hipóteses do caput, o Ministério Público poderá deixar de oferecer denúncia se o colaborador:
I - não for o líder da organização criminosa;
II - for o primeiro a prestar efetiva colaboração nos termos deste artigo.
§ 5o Se a colaboração for posterior à sentença, a pena poderá ser reduzida até a metade ou será admitida a progressão de regime ainda que ausentes os requisitos objetivos.
§ 6o O juiz não participará das negociações realizadas entre as partes para a formalização do acordo de colaboração, que ocorrerá entre o delegado de polícia, o investigado e o defensor, com a manifestação do Ministério Público, ou, conforme o caso, entre o Ministério Público e o investigado ou acusado e seu defensor.
§ 7o Realizado o acordo na forma do § 6o, o respectivo termo, acompanhado das declarações do colaborador e de cópia da investigação, será remetido ao juiz para homologação, o qual deverá verificar sua regularidade, legalidade e voluntariedade, podendo para este fim, sigilosamente, ouvir o colaborador, na presença de seu defensor.
§ 8o O juiz poderá recusar homologação à proposta que não atender aos requisitos legais, ou adequá-la ao caso concreto.
§ 9o Depois de homologado o acordo, o colaborador poderá, sempre acompanhado pelo seu defensor, ser ouvido pelo membro do Ministério Público ou pelo delegado de polícia responsável pelas investigações.
§ 10. As partes podem retratar-se da proposta, caso em que as provas autoincriminatórias produzidas pelo colaborador não poderão ser utilizadas exclusivamente em seu desfavor.
§ 11. A sentença apreciará os termos do acordo homologado e sua eficácia.
§ 12. Ainda que beneficiado por perdão judicial ou não denunciado, o colaborador poderá ser ouvido em juízo a requerimento das partes ou por iniciativa da autoridade judicial.
§ 13. Sempre que possível, o registro dos atos de colaboração será feito pelos meios ou recursos de gravação magnética, estenotipia, digital ou técnica similar, inclusive audiovisual, destinados a obter maior fidelidade das informações.
§ 14. Nos depoimentos que prestar, o colaborador renunciará, na presença de seu defensor, ao direito ao silêncio e estará sujeito ao compromisso legal de dizer a verdade.
§ 15. Em todos os atos de negociação, confirmação e execução da colaboração, o colaborador deverá estar assistido por defensor.
§ 16. Nenhuma sentença condenatória será proferida com fundamento apenas nas declarações de agente colaborador.
anteontem

Benefícios da colaboração premiada previstos na lei 12.850/13 (lei de organizações criminosas).

1 . ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA Antes de conceituar a delação premiada se faz necessário expor o que é a organização criminosa.. O §1º do artigo 1º da lei 12.850/2013 diz que organização criminosa é a...

Andamento do Processo n. 0025888-67.2018.8.19.0023 - 22/08/2019 do TJRJ

Proc. 0025888-67.2018.8.19.0023 - MINISTÉRIO PÚBLICO X ORLANDO OLIVEIRA DE ARAUJO E OUTROS (Adv(s). Dr(a). FHABIO FAIAL CORREA (OAB/RJ-214458), Dr(a). FABIANI PORTO LAGÔAS (OAB/RJ-185471), Dr(a)....

Página 418 da IV - Judicial - 1ª Instância (Interior) do Diário de Justiça do Rio de Janeiro (DJRJ) de 22 de Agosto de 2019

Expediente do dia: 20/08/2019 Alimentos - Lei Especial Nº 5.478/68 Proc. 0001045-04.2019.8.19.0023 - A.L.R.S. E OUTROS (Adv(s). Dr(a). RAIMUNDO AFONSO MARTINS FEITOSA (OAB/RJ-023409), Dr(a). ANNA...

Andamento do Processo n. 1000933-39.2019.8.26.0050 - Medidas Investigatórias Sobre Organizações Criminosas - Corrupção Ativa - 21/08/2019 do TJSP

Processo 1000933-39.2019.8.26.0050 - Medidas Investigatórias Sobre Organizações Criminosas - Corrupção ativa - J.P. - -M.P.E.S.P. - C.A.D.M. - Portanto, com fulcro no artigo 4º e seus parágrafos da...

Página 2062 da Judicial - 2ª Instância do Diário de Justiça do Estado de São Paulo (DJSP) de 21 de Agosto de 2019

informações ao Juízo, o que culminou na criação de um apenso à ação penal, referente à colaboração premiada da ré Juliana da Costa e Silva e análise dos objetos apreendidos, análise essa feita em...

Página 2287 da Judicial - 1ª Instância - Capital do Diário de Justiça do Estado de São Paulo (DJSP) de 21 de Agosto de 2019

e sob as penas da lei. 4. No mais, aguarde-se a vinda das informações das autoridades coatoras e do parecer ministerial. 5. Após, tornem conclusos. Intime-se. - ADV: ODAIR ALVES (OAB 336801/SP)...

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF : 20150910199137 - Segredo de Justiça 0019725-54.2015.8.07.0009

Poder Judiciário da União Fls. _____ TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS Órgão : 1ª TURMA CRIMINAL Classe : APELAÇAO N. Processo : 20150910199137APR (0019725-54.2015.8.07.0009)...

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Habeas Corpus Criminal : HC 10000190862052000 MG

EMENTA: HABEAS CORPUS - TRÁFICO DE ENTORPECENTES - LAVAGEM DE DINHEIRO - ORGANIZAÇAO CRIMINOSA - NEGATIVA DE AUTORIA - ATIPICIDADE DA CONDUTA - MATÉRIA DE MÉRITO DA AÇAO PENAL - DISCUSSAO INCABÍVEL...

Andamento do Processo n. 527.123 - Habeas Corpus - 20/08/2019 do STJ

HABEAS CORPUS Nº 527.123 - GO (2019/0240641-9) RELATOR : MINISTRO NEFI CORDEIRO IMPETRANTE : DIOGO DOS SANTOS SANTANA E OUTRO ADVOGADOS : ORLANDO TERRA DE OLIVEIRA NETO - GO031146 DIOGO DOS SANTOS...

Página 8707 do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de 20 de Agosto de 2019

HABEAS CORPUS Nº 527.123 - GO (2019/0240641-9) RELATOR : MINISTRO NEFI CORDEIRO IMPETRANTE : DIOGO DOS SANTOS SANTANA E OUTRO ADVOGADOS : ORLANDO TERRA DE OLIVEIRA NETO - GO031146 DIOGO DOS SANTOS...

Termo/Assunto relacionado