Carregando...
Jusbrasil - Tópicos
18 de outubro de 2017
Princípio da Razoabilidade Editar Foto
×

Alterar Imagem

Envie uma imagem

Princípio da Razoabilidade

Princípio da razoabilidade

O princípio da razoabilidade é uma diretriz de senso comum, ou mais exatamente, de bom-senso, aplicada ao Direito. Esse bom-senso jurídico se faz necessário à medida que as exigências formais que decorrem do princípio da legalidade tendem a reforçar mais o texto das normas, a palavra da lei, que o seu espírito. Enuncia-se com este princípio que a Administração, ao atuar no exercício de discrição, terá de obedecer a critérios aceitáveis do ponto de vista racional, em sintonia com o senso normal de pessoas equilibradas e respeitosas das finalidades que presidiram a outorga da competência exercida. Vide princípio da proibição do excesso. Vide princípio da proporcionalidade. Vide princípio da razão suficiente.

Dispensa de empregada por fazer troca sem cupom fiscal é considerada abusiva

A Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou recurso da Zara Brasil Ltda. contra condenação ao pagamento de reparação por danos morais a uma encarregada da loja do Shopping Iguatemi de

Edicelia Lemos

Edicelia Lemos -

TST: Ultimato para optar entre trabalho e família marca assédio moral de engenheiro no TO

A Abengoa Construção Brasil Ltda. foi condenada pela Oitava Turma do Tribunal Superior do Trabalho a indenizar em R$ 10 mil um engenheiro que foi coordenador de manutenção no centro de logística da

Rodolfo Agra

Rodolfo Agra -

A cruel teoria humanitária da punição
A cruel teoria humanitária da punição

   Atualmente é frequente aquele velho discurso feito pelos progressistas “humanitários” de que o criminoso é uma pessoa doente que necessita ser reabilitada ou ressocializada para...

Andamento do Processo n. 1689911-1 - Habeas Corpus Crime - 10/07/2017 do TJPR

0060 . Processo/Prot: 1689911-1 Habeas Corpus Crime . Protocolo: 2017/122551. Comarca: Campo Mourão. Vara: 1ª Vara Criminal. Ação Originária: 0004413-65.2017.8.16.0058 Pedido de Revogação de Prisão

Andamento do Processo n. 0001049-27.2017.8.26.0246 - Liberdade Provisória - 23/06/2017 do TJSP

Processo 0001049-27.2017.8.26.0246 (apensado ao processo 0000047-12.2017.8.26.0605) (processo principal 0000047-12.2017.8.26.0605) - Liberdade Provisória com ou sem fiança - Incêndio - Robson Vieira

Andamento do Processo n. 0621719-54.2017.8.06.0000 - Habeas Corpus - 07/06/2017 do DJCE

0621719-54.2017.8.06.0000 - Habeas Corpus . Impetrante: Francisco César Mariano. Paciente: Roclecio de Araujo Lima. Advogado: Francisco César Mariano (OAB: 20991/CE). Impetrado: Juiz de Direito da

Andamento do Processo n. 0622234-89.2017.8.06.0000 - Habeas Corpus - 07/06/2017 do DJCE

0622234-89.2017.8.06.0000 - Habeas Corpus . Impetrante: Defensoria Pública do Estado do Ceara. Paciente: Francisco Anderson Silva da Cunha. Paciente: Pedro Henrique do Nascimento. Def. Público:

Andamento do Processo n. 1012486-35.2016.8.26.0003 - 19/04/2017 do TJSP

Processo 1012486-35.2016.8.26.0003 (apensado ao processo 1009078-70.2015.8.26.0003) - Embargos à Execução - Efeito Suspensivo / Impugnação / Embargos à Execução - Cláudio Martins de Oliveira - Anna

Os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade

Os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade não se encontram previstos de forma expressa na Constituição Federal , mas estão previstos na Lei 9.784 /99, que regula o processo administrativo

Andamento do Processo n. 0002637-78.2015.8.16.0194 - Apelação Cível - 16/02/2017 do TJPR

0095 . Processo/Prot: 1579809-1 Apelação Cível . Protocolo: 2016/160339. Comarca: Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba. Vara: 23ª Vara Cível. Ação Originária:

Resultados da busca Jusbrasil para "Princípio da Razoabilidade"

STJ - HABEAS CORPUS HC 246780 SP 2012/0131321-2 (STJ)

Data de publicação: 22/10/2012

Ementa: PROCESSUAL PENAL. HABEAS CORPUS. JULGAMENTO DE REVISÃO CRIMINAL.EXCESSO DE PRAZO. PRINCÍPIO DA RAZOABILIDADE. 1. A alegação de excesso de prazo não pode basear-se em simplescritério aritmético, devendo a demora ser analisada em cotejo com asparticularidades e complexidades de cada caso concreto, pautando-sesempre pelo critério da razoabilidade. 2. No caso concreto, não restou caracterizado o alegadoconstrangimento ilegal, pois a demora no julgamento da revisãocriminal decorreu da inércia do advogado constituído pelo réu.Ordem denegada, com recomendação.

STJ - HABEAS CORPUS HC 227352 SP 2011/0293996-1 (STJ)

Data de publicação: 21/05/2013

Ementa: HABEAS CORPUS. PROCESSUAL PENAL. CRIMES DE TRÁFICO E ASSOCIAÇÃO PARA O TRÁFICO DE DROGAS. CUSTÓDIA CAUTELAR. EXCESSO DE PRAZO NA FORMAÇÃO DA CULPA. PRINCÍPIO DA RAZOABILIDADE. CONSTRANGIMENTO ILEGAL NÃO EVIDENCIADO. HABEAS CORPUS DENEGADO. 1. Os prazos indicados para a consecução da instrução criminal servem apenas como parâmetro geral, pois variam conforme as peculiaridades de cada processo, razão pela qual a jurisprudência uníssona os tem mitigado, à luz do princípio da razoabilidade. Precedente. 2. Somente se cogita da existência de constrangimento ilegal, quando o excesso de prazo for motivado por injustificada demora do juízo, o que não ocorreu na presente hipótese, em se considerando as peculiaridades do caso, que envolve nove acusados, custodiados em comarcas diversas do distrito da culpa, o que requer a expedição de diversas cartas precatórias. 3. Habeas corpus denegado, com recomendação de urgência na conclusão do processo.

STJ - HABEAS CORPUS HC 244183 SP 2012/0111109-6 (STJ)

Data de publicação: 25/02/2013

Ementa: PROCESSUAL PENAL. HABEAS CORPUS. EXCESSO DE PRAZO NO JULGAMENTO DAAPELAÇÃO. PRINCÍPIO DA RAZOABILIDADE. AUSÊNCIA DE CONSTRANGIMENTOILEGAL. ORDEM DENEGADA. COM RECOMENDAÇÃO DE CELERIDADE AO FEITO. 1. A alegação de excesso de prazo não pode basear-se em simplescritério aritmético, devendo a demora ser analisada em cotejo com asparticularidades e complexidades de cada caso concreto, pautando-sesempre pelo critério da razoabilidade. 2. Na hipótese, considera-se razoável a demora no julgamento daapelação por pouco mais de 1 (um) ano. Desse modo, por ora, não háque se falar em manifesto constrangimento suportado pelo paciente.Ordem denegada, com recomendação de celeridade no julgamento daapelação.

×