Carregando...
JusBrasil - Notícias
30 de junho de 2015

Legislação direta

Artigo 18 da Lei nº 8.078 de 11 de Setembro de 1990
Art. 18. Os fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não duráveis respondem solidariamente pelos vícios de qualidade ou quantidade que os tornem impróprios ou inadequados ao consumo a que se destinam ou lhes diminuam o valor, assim como por aqueles decorrentes da disparidade, com a indicações constantes do recipiente, da embalagem, rotulagem ou mensagem publicitária, respeitadas as variações decorrentes de sua natureza, podendo o consumidor exigir a substituição das partes viciadas.
§ 1° Não sendo o vício sanado no prazo máximo de trinta dias, pode o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha:
I - a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições de uso;
II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos;
III - o abatimento proporcional do preço.
§ 2° Poderão as partes convencionar a redução ou ampliação do prazo previsto no parágrafo anterior, não podendo ser inferior a sete nem superior a cento e oitenta dias. Nos contratos de adesão, a cláusula de prazo deverá ser convencionada em separado, por meio de manifestação expressa do consumidor.
§ 3º O consumidor poderá fazer uso imediato das alternativas do § 1º deste artigo sempre que, em razão da extensão do vício, a substituição das partes viciadas puder comprometer a qualidade ou características do produto, diminuir-lhe o valor ou se tratar de produto essencial.
§ 4° Tendo o consumidor optado pela alternativa do inciso I do § 1° deste artigo, e não sendo possível a substituição do bem, poderá haver substituição por outro de espécie, marca ou modelo diversos, mediante complementação ou restituição de eventual diferença de preço, sem prejuízo do disposto nos incisos II e III do § 1° deste artigo.
§ 5° No caso de fornecimento de produtos in natura, será responsável perante o consumidor o fornecedor imediato, exceto quando identificado claramente seu produtor.
§ 6° São impróprios ao uso e consumo:
I - os produtos cujos prazos de validade estejam vencidos;
II - os produtos deteriorados, alterados, adulterados, avariados, falsificados, corrompidos, fraudados, nocivos à vida ou à saúde, perigosos ou, ainda, aqueles em desacordo com as normas regulamentares de fabricação, distribuição ou apresentação;
III - os produtos que, por qualquer motivo, se revelem inadequados ao fim a que se destinam.

Regulamentação do comércio eletrônico no Brasil e um contexto de tutela à pessoa na Sociedade da Informação

legais, tais como o art. 927, pár. ún. do Código Civil e no art. 18 do Código de Defesa do Consumidor . Art. 18. Os fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não duráveis respondem ...

Enviadas Por Leitores - 02/05/2013

TJ mantém decisão a favor de adquirente de veículo

Aplicando o Código de Defesa do Consumidor (art. 18), a 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Goiás manteve decisão do juízo de Itumbiara que condenou a empresa Ford Motor Company Brasil Ltda... graves, motivadores ...

Justilex - 26/07/2006

Comprou e o produto estragou? Saiba seus direitos

Os produtos que de modo geral apresentam problemas, tornando-os impróprios para o uso ou lhes diminuído o seu valor são conceituados como viciados. De modo ilustrativo, o § 6º do art. 18 do Código... art. 18 , § 1º , ...

Leonardo - 29/06/2015

Não à arbitragem de consumo! Novas normas da lei de arbitragem acabam com vitórias de 25 anos de CDC

! Esperamos que a Presidente possa vetar este lacônico e desastroso § 3º do Art. 4º da nova lei de abritragem! Se o Brasil quer arbitragem de consumo, que seja regulada no Código de Defesa do Consumidor... de consumo tenham ...

Flávio - 25/05/2015

Decon multa Unimed por cobrança de “taxa de disponibilidade”

as praticas infratoras contra o consumidor estão determinadas no artigo 56 da Lei nº 8.078 /90 ( Código de Defesa do Consumidor - CDC ) e no art. 18 do Decreto no 2181 , de 20 de Março de 1997 (Sistema ...

Ministério Público do Estado do Ceará - 26/11/2014

Justiça mantém multa administrativa aplicada pelo Procon à Fiat

do processo, a ré foi devidamente notificada da reclamação administrativa, teve oportunidade de oferecer sua defesa e recurso administrativo. É indubitável a aplicação do Código de Defesa do Consumidor... aplicação de sanções ...

Âmbito Jurídico - 14/01/2015

Para TJGO, renovação automática de assinatura de revista é prática abusiva

merecia reparos, por entender que a prática da editora foi abusiva ao ferir a privacidade e disponibilidade do patrimônio de Wellington. O magistrado citou o Código de Defesa do Consumidor (CDC... o Código de Defesa do ...

Âmbito Jurídico - 10/10/2014

OAB defende direito do consumidor no STF

, parágrafo 1º e 3º , da Constituição Federal ao estabelecer novas normas gerais em matéria já regulamentada por legislação federal no Código de Defesa do Consumidor ( CDC ). A OAB argumenta que a lei... Federal 8.078 /90, no caso o ...

Âmbito Jurídico - 01/04/2015

Consumidor tem direito à assistência técnica de produto mesmo após prazo de garantia

e oito reais), na forma como prevê o art. 18 do Código de Defesa do Consumidor . Caso o devedor não promova o pagamento voluntário no prazo de 15 (quinze) dias a contar do trânsito em julgado... que o consumidor ...

Tribunal de Justiça do Maranhão - 02/07/2014

Justiça indeniza correntista de banco em R$ 5 mil por descontos indevidos na poupança

a responsabilidade civil, devendo aplicar também a regra estabelecida pelo Código de Defesa do Consumidor que prevê a responsabilidade objetiva do prestador de serviços, dispondo, no entanto, em seu art. 14 , 3... ...

Âmbito Jurídico - 03/09/2014

1 2 3 4 5 63 64 Próxima

ou

×

Fale agora com um Advogado

Oi, está procurando um advogado ou correspondente jurídico? Podemos te conectar com Advogados em qualquer cidade do Brasil.

Escolha uma cidade da lista
Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/noticias/busca