Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
24 de Julho de 2024
    Adicione tópicos

    Caixa é condenada a ressarcir moradores de conjunto habitacional em Uberlândia/MG Empresa e construtores devem também realizar obras de reparo dos problemas encontrados nos imóveis. Prazo é

    Uberlândia. A Justiça Federal de Uberlândia proferiu sentença condenando a Caixa Econômica Federal (CEF), as empresas Construtora RCG Ltda e Ivan Negócios Imobiliários Ltda e os empresários Antônio Renato Venceslau Rodrigues da Cunha e Luiz Guarita Neto, donos da RCG, a ressarcirem os moradores do Residencial Europa, condomínio habitacional situado em Uberlândia/MG.

    A decisão atende pedido feito pelo Ministério Público Federal (MPF) na Ação Civil Pública nº 2008.38.03.007355-4.

    De acordo com o MPF, o condomínio foi construído com verbas federais do Programa de Arrendamento Residencial (PAR) instituído pela Lei nº 10.188/2001. A aquisição de imóveis pelo PAR difere da aquisição via Sistema Financeiro de Habitação (SFH) por uma particularidade: no PAR, é a própria Caixa quem escolhe a construtora que irá fazer as obras, que, no caso do Residencial Europa, foi a Construtora RCG. A empresa Ivan Negócios Imobiliários foi contratada para administrar o condomínio.

    Os defeitos de construção não tardaram a aparecer. Pouco tempo após a entrega das chaves aos proprietários, as unidades começaram a apresentar vários problemas, entre eles, trincas e infiltrações em praticamente todos os apartamentos; inadequação dos sistemas de esgoto, hidráulico e elétrico e péssima qualidade do acabamento. As janelas não tinham sido assentadas adequadamente, o que causou infiltrações e trincas diagonais nas paredes. Os telhados também foram instalados de forma inadequada. A situação era tão grave que o conjunto residencial corria o risco de ser interditado por falta de condições de segurança e habitabilidade.

    A administradora do condomínio, por sua vez, mantinha-se inerte diante dos problemas. Além de não promover a conservação das unidades, negava-se a prestar contas dos recursos arrecadados a título de taxa de condomínio. Os casos de venda não autorizada das unidades, que deveriam, obrigatoriamente, ser levados ao conhecimento da Caixa, também não eram investigados pela administradora.

    Problemas comprovados - Na sentença, o juiz reconheceu a existência dos vícios de construção, confirmados inclusive por perícia técnica feita por quatro engenheiros indicados pela Caixa Econômica Federal.

    “É o que basta para comprovar a pertinência do pedido [correção dos defeitos de construção] feito pelo Ministério Público Federal. Se há danos no empreendimento habitacional decorrentes de problemas na execução original da obra, os consumidores afetados possuem o direito à reparação deles, conforme artigos 18 e 20 do Código de Defesa do Consumidor”, disse o magistrado, ao determinar que a RGC e seus proprietários efetuem as obras, já que foram “os responsáveis pela construção”.

    Ele ainda determinou que a Caixa responda solidariamente pela execução das obras, pois foi com ela que o consumidor “contratou a aquisição do imóvel”.

    No caso dos moradores que, diante da inércia dos réus, efetuaram os reparos por conta própria, a sentença determinou que eles sejam ressarcidos dos valores gastos na realização de obras idênticas às propostas pela perícia e “desde que exista comprovação efetiva dos gastos e de suas origens”.

    Indenização – O juiz também acolheu o pedido de MPF de pagamento de indenização por dano moral aos proprietários.

    Segundo ele, “Não há como negar que a angústia dos adquirentes dos imóveis no Residencial Europa por conta dos inúmeros vícios de construção suplantou as raias da normalidade, dos aborrecimentos comuns à vida cotidiana. Quem adquire um imóvel simples, sendo pessoa em geral de baixa renda, realiza naquele momento o maior investimento financeiro de sua vida. A compra da casa própria é o sonho básico de consumo de toda família que vive de aluguel ou de favor. Se, quando finalmente esse sonho se realiza, com muito esforço, o imóvel se mostra cheio de vícios, trazendo incerteza quanto à sua habitabilidade, segurança, valor de mercado etc., o prejuízo emocional é evidente”.

    Os réus deverão pagar indenização por dano moral, no valor de três mil reais, a cada um dos adquirentes de unidades habitacionais que apresentaram problemas. A quantia deverá ser paga exclusivamente ao titular do contrato firmado com a Caixa Econômica Federal e, havendo mais de um titular de uma mesma unidade habitacional, o valor deverá ser rateado entre eles.

    As obras para a correção dos vícios de construção deverão ser feitas em até 180 dias.

    Assessoria de Comunicação Social

    Ministério Público Federal em Minas Gerais

    Tel.: (31) 2123.9008

    No twitter: mpf_mg

    • Publicações724
    • Seguidores16
    Detalhes da publicação
    • Tipo do documentoNotícia
    • Visualizações450
    De onde vêm as informações do Jusbrasil?
    Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
    Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/noticias/caixa-e-condenada-a-ressarcir-moradores-de-conjunto-habitacional-em-uberlandia-mg-empresa-e-construtores-devem-tambem-realizar-obras-de-reparo-dos-problemas-encontrados-nos-imoveis-prazo-e/100328698

    Informações relacionadas

    Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região
    Jurisprudênciahá 2 anos

    Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região TRT-4 - Agravo De Petição: AP XXXXX-42.2007.5.04.0301

    Jus Petições, Estudante de Direito
    Modeloshá 3 anos

    [Modelo] Ação Monitória

    Tribunal de Justiça do Paraná
    Jurisprudênciahá 4 anos

    Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Efeito Suspensivo: ES XXXXX-63.2020.8.16.0000 PR XXXXX-63.2020.8.16.0000 (Acórdão)

    Huliana Pinho, Advogado
    Modeloshá 2 anos

    Ação Monitoria

    Suellen Rodrigues Viana, Advogado
    Modeloshá 7 anos

    [Modelo] Ação Monitória Ncpc

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)