Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
3 de Março de 2024
    Adicione tópicos

    MPF denuncia médico legista por falsificação de documento na época da Ditadura Militar

    A falsificação teve como objetivo ocultar o crime de homicídio cometido por dois militares

    há 6 anos

    O Ministério Público Federal (MPF) ofereceu denúncia contra o médico militar reformado Manoel Fabiano Cardoso da Costa, por falsificação ideológica de documento público para a ocultação do crime de homicídio e a impunidade de seus autores.

    Em maio de 1972, os militares Carlos Teixeira Marra e Manoel Barbosa Abreu, em contexto de ataque sistemático e generalizado contra dissidentes políticos e a população civil da região do Araguaia, prenderam o barqueiro Lourival Moura Paulino e com o objetivo de extrair dele confissões sobre inimigos políticos do governo militar o torturaram e o impediram de receber visitas ou se comunicar com familiares.

    Na madrugada entre os dias 21 e 22 de maio do mesmo ano, Lourival Moura Paulino foi encontrado morto em sua cela. Supostamente ele teria cometido suicídio, versão confirmada em laudo pelo médico militar Manoel Fabiano Cardoso. A investigação conduzida pelo MPF colheu diversos elementos de prova que demonstram que Paulino morreu em decorrência de torturas sofridas após sua prisão.

    Com o objetivo de ocultar o crime de homicídio praticado por Carlos Teixeira Marra e Manoel Barbosa Abreu, o médico legista Manoel Fabiano Cardoso assinou laudo confirmando que a causa da morte de Paulino foi “asfixia causada por suicídio”, omitindo do documento o registro dos sinais de tortura presentes no corpo da vítima.

    Para o MPF, ainda que não se possam atribuir a Cardoso as condutas de tortura e homicídio, o médico praticou o crime de falsificação ideológica de documento público, agravado por ter sido cometido com o objetivo de assegurar a ocultação e a impunidade do crime de homicídio. Considerando as circunstâncias, sustenta o Ministério Público Federal que ele incorreu na prática de crime contra a humanidade, não estando suscetível à anistia e à prescrição.

    O MPF requereu ainda que seja aplicada a Cardoso medida cautelar de suspensão de seu registro médico junto ao Conselho Regional de Medicina do Pará e a perda do cargo público com cancelamento de aposentadoria ou qualquer provento que ele receba.

    Crime de homicídio. Segundo a investigação realizada pelo MPF, os responsáveis pela morte de Lourival Moura Paulino foram Carlos Teixeira Marra e Manoel Barbosa Abreu, ambos falecidos, razão pela qual o MPF requereu a declaração da extinção da punibilidade dos supostos autores.

    Para saber mais:

    MPF lança publicação com detalhamento de ações penais de crimes cometidos durante a ditadura

    Assessoria de Comunicação SocialProcuradoria da República no Tocantins
    (63) 3219-7298 | 3219-7238
    prto-ascom@mpf.mp.br | Twitter: @mpf_to

    • Publicações37267
    • Seguidores704
    Detalhes da publicação
    • Tipo do documentoNotícia
    • Visualizações135
    De onde vêm as informações do Jusbrasil?
    Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
    Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/noticias/mpf-denuncia-medico-legista-por-falsificacao-de-documento-na-epoca-da-ditadura-militar/594007032

    Informações relacionadas

    Bianca Ragasini, Advogado
    Artigoshá 3 anos

    7 situações absurdas impostas às mulheres no Código Civil de 1916

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)