Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
15 de Julho de 2024

O princípio pas de nullité sans grief (não há nulidade sem prejuízo) é aplicável pelos tribunais superiores à nulidade absoluta? - Márcio Pereira

há 15 anos

Impõe-se a resposta positiva. Mesmo no caso de nulidade absoluta (em que o prejuízo é presumido), os tribunais superiores brasileiros entendem pertinente o referido princípio. Veja trecho de decisão do STJ (HC 99996 / SP) a este respeito: o Supremo Tribunal Federal acolhe o entendimento de que o princípio geral norteador das nulidades em Processo Penal - pas de nullité sans grief - é igualmente aplicável em casos de nulidade absoluta (HC 85.155/SP, Rel. Min. ELLEN GRACIE, DJU 15.04.05 e AI-AgR. 559.632/MG, Rel. Min. SEPÚLVEDA PERTENCE, DJU 03.02.06).

  • Sobre o autorTradição em cursos para OAB, concursos e atualização e prática profissional
  • Publicações15363
  • Seguidores875974
Detalhes da publicação
  • Tipo do documentoNotícia
  • Visualizações86431
De onde vêm as informações do Jusbrasil?
Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/noticias/o-principio-pas-de-nullite-sans-grief-nao-ha-nulidade-sem-prejuizo-e-aplicavel-pelos-tribunais-superiores-a-nulidade-absoluta-marcio-pereira/1674615

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 5 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO INTERNO NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AgInt no AREsp XXXXX SP XXXX/XXXXX-0

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 4 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL: AgInt no REsp XXXXX RS XXXX/XXXXX-5

Artigoshá 8 anos

Nulidades Absolutas e Relativas

Caio Guimarães Fernandes, Advogado
Artigoshá 9 anos

Nulidades processuais e as suas perspectivas no Novo CPC

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 19 anos

Supremo Tribunal Federal STF - HABEAS CORPUS: HC 85155 SP

6 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Somente e tão somente quando houver um prejuízo às partes advindo da ocorrência da referida nulidade. Assim expõe o princípio pas de nullité sans grief, conforme leciona TOURINHO FILHO:
"em matéria de nulidade, e para simplificar o rigorismo formal, foi adotado o princípio do pas de nullité sans grief. Não há nulidade sem prejuízo. Para que o ato seja declarado nulo é preciso haja, entre a sua imperfeição ou atipicidade e o prejuízo às partes, um nexo efetivo e concreto. Se, a despeito de imperfeito, o ato atingiu o seu fim, sem acarretar-lhes prejuízo, não há cuidar-se de nulidade”1 continuar lendo

Fabio Alexandre PRO
5 anos atrás

Na verdade é uma jurisprudência defensiva, a qual deve ser revista de imediato. Prejuízo é uma cláusula aberta para interpretação do julgador???? O que é prejuízo??? continuar lendo

Gabriel Leal
5 anos atrás

Amigo, o termo "jurisprudência defensiva" não é entendido como a prática adotada pelos julgadores, precipuamente nas cortes superiores, para o não conhecimento dos recursos em virtude do apego à formalidade excessiva, primando pelos pressupostos de admissibilidade recursal de manteira literal e se negando à apreciar o mérito da questão?

Acho que o princípio "pas de nullité sans grief" vai na vertente exatamente oposta, de busca pela primazia do julgamento do mérito (4º, CPC) e evasão de declarações de nulidades desnecessárias. continuar lendo

Igor Dalmy Moreira
10 anos atrás

Significa que qualquer prejuízo que possa haver à parte, todo o processo torna-se nulo? Ou apenas na medida do prejuízo? continuar lendo

Daniel Freire
7 anos atrás

Igor, nem todo prejuízo à parte é advindo de nulidade. Trata-se aqui reconhecer uma nulidade apenas se ela causar prejuízo, o que está em discussão é o reconhecimento ou não da nulidade.

Se uma parte for prejudicada sem que haja nulidade (ato eivado de vício insanável), não há que se falar em anulação. Não é o prejuízo que será anulado, mas o ato eivado de vício (s). continuar lendo

Norton Engemberg
10 anos atrás

A nulidade se refere somente ao ato eivado de vício, bem como aos demais dele decorrentes e não a todo o processo. continuar lendo