Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
16 de Junho de 2024

O novo peso do ESG na concessão de crédito rural

Publicado por Nylton de Almeida
há 3 anos

Por Carla Aranha

As discussões sobre a incorporação de critérios de sustentabilidade na avaliação de risco de crédito rural seguem a todo o vapor. O Banco Central lançou uma consulta pública este ano para a definição de parâmetros de ESG no agro que deverão impactar a concessão de financiamento***. A expectativa é que a nova regra entre em vigor na safra 2021.

Na prática, os produtores rurais que adotarem práticas relativas à baixa emissão de carbono deverão ter acesso a condições melhores de crédito. Não que isso seja uma novidade no agro -- a diferença é que, agora, a política deverá ser estendida a todas instituições financeiras.

"A iniciativa do Banco Central visa ranquear os produtores de acordo com critérios de sustentabilidade", diz Carlos Aguiar, diretor de Agronegócios do Santander . "Isso pode gerar polêmica e por isso existe um debate muito grande no BC e na Federação Brasileira dos Bancos sobre como isso vai ser feito".

As conversas continuam. "Hoje, estamos no ponto de discutir os critérios objetivos que vão definir quem é mais sustentável ou menos", afirma Aguiar. O mercado também discute a conveniência de certificadoras e auditorias especializadas realizarem inspeções e monitoramentos nas propriedades rurais. "Todo mundo sabe que produtor que adotar práticas sustentáveis vai ter um fluxo de caixa melhor e será mais produtivo no longo prazo. Agora, isso também irá influenciar o spread bancário".

Fonte: Exame

* **Consulta Pública 82/2021.

"A proposta possibilita que os financiamentos rurais sejam classificados em três categorias:
a) empreendimentos que não poderão ser financiados com crédito rural, em razão da existência de impeditivos legais ou infralegais, tais como sobreposição com terras indígenas, desmatamento ilegal no bioma Amazônia, ou autuação por trabalho escravo;
b) empreendimentos que poderão ser financiados com crédito rural, com sinalização às instituições financeiras de que a operação representa risco socioambiental. Esses empreendimentos não poderão receber a classificação de operação sustentável. Enquadram-se neste caso áreas embargadas ou autuação por trabalho infantil;
c) empreendimentos que poderão receber a classificação de operação sustentável, em razão do atendimento a parâmetros de sustentabilidade socioambientais, tais como agricultura de baixo carbono, outorga de água, ou utilização de energia renovável gerada na propriedade." (Fonte: Banco Central do Brasil)
  • Sobre o autorEspecializado em Direito Empresarial.
  • Publicações5
  • Seguidores0
Detalhes da publicação
  • Tipo do documentoNotícia
  • Visualizações74
De onde vêm as informações do Jusbrasil?
Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/noticias/o-novo-peso-do-esg-na-concessao-de-credito-rural/1254563241

Informações relacionadas

Lauber Vinícus, Advogado
Artigoshá 3 anos

A crescente e necessária importância da sigla ESG para o Direito

Andrew Benzaquen, Advogado
Artigosano passado

ESG e as possibilidades para pessoas Trans e Travestis

NDM Advogados, Advogado
Artigoshá 2 anos

ESG: Como Implementá-lo de Maneira Estratégica em sua Startup?

Mariana Guedes, Advogado
Artigoshá 2 anos

ESG nas Startups: Desafios e Benefícios

Marilza Muniz, Advogado
Artigoshá 9 meses

Cláusulas ESG em contratos empresariais

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)