Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
2 de Março de 2024

Opinião - A falência da saúde pública

Estamos passando por um período muito difícil no que diz respeito à saúde pública brasileira. As santas casas, principalmente, estão à beira de um colapso, com os caixas estourados, dívidas enormes com fornecedores. Um buraco sem fundo, sem uma solução imediata à vista.

O governo federal criou o Sistema Único de Saúde (SUS), conforme determina a Constituição, porém, está seguindo uma tabela totalmente defasada, deixando quase metade do valor dos procedimentos a descoberto.

Conforme relato da administração da Santa Casa de Votuporanga, de cada R$ 100 gastos com atendimentos pelo SUS, o governo só repassa R$ 65. A colocação de um stend "uma molinha desentupidora de veias" custa R$ 2,5 mil, mas o SUS só paga R$ 800, ou seja, não chega a um terço do valor.

No começo deste ano, algumas entidades, como a Associação Médica Brasileira e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), lançaram a campanha "Por mais recursos para a Saúde". Colhemos assinaturas para a apresentação de um projeto de iniciativa popular no Congresso Nacional para que o governo invista pelo menos 10% da receita bruta na saúde. O processo está em desenvolvimento, mas é demorado.

A verdade é que chegamos a um ponto em que a saúde pública no Brasil necessita, com muita urgência, de mais atenção dos órgãos competentes. A realidade nos mostra um país desestabilizado onde as políticas públicas são incoerentes e desrespeitam a sociedade. É vergonhoso ver o povo mendigando por atendimento e os hospitais não poderem oferecer o que manda a Constituição.

As vítimas desse caos público somos nada mais, nada menos que nós mesmos. É evidente que nosso país não é dos melhores e que somos taxados como país de terceiro mundo. Mas o povo humilde que sofre com tantas filas, greves e falta de remédios, merece ser tratado como terceiros?

Concluímos que saúde não dá voto, por isso o governo não oferece os investimentos necessários ao setor. O que dá voto são as obras faraônicas, muitas até desnecessárias, como a construção de tantos novos estádios para a Copa de 2016. Ou até mesmo de estruturas para as Olimpíadas do Rio de Janeiro.

Dias atrás fomos surpreendidos com a notícia de que os organizadores das Olimpíadas pretendem derrubar um velódromo para provas ciclísticas, que custou R$ 14 milhões, construído para o Pan, para a edificação de um novo. Isso é um absurdo. Estão brincando com o dinheiro do povo e não podemos aceitar esses disparates.

A presidente petista da República vive espalhando em todos os cantos do mundo que nosso país passa por um momento privilegiado, que a economia vai muito bem, obrigado etc. e tal, mas sua equipe não cuida do primordial, como a saúde.

Merecemos uma saúde de primeira, digna de alimentar as esperanças de um povo sofredor. O Sistema Único de Saúde precisa urgentemente ser reformulado, porque a saúde brasileira está na UTI e corre um sério risco de morrer.

* Carlão Pignatari é deputado estadual pelo PSDB

"A verdade é que chegamos a um ponto em que a saúde pública no Brasil necessita, com muita urgência, de mais atenção dos órgãos competentes."

  • Publicações32201
  • Seguidores115
Detalhes da publicação
  • Tipo do documentoNotícia
  • Visualizações17724
De onde vêm as informações do Jusbrasil?
Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/noticias/opiniao-a-falencia-da-saude-publica/100038516

Informações relacionadas

Emanuel Lima, Advogado
Artigoshá 8 anos

A triste realidade da saúde pública

ARTIGO: O CAOS NA SAÚDE PÚBLICA

Opinião - Preservação ambiental, uma obrigação de todos nós

Liberdade Juridica, Administrador
Artigoshá 10 anos

Sonegar imposto é errado? Nem sempre. No Brasil, é legítima defesa.

Armas legais contra a dengue

3 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Todo mundo se comove com os profissionais da saúde, esquece do descaso que muitos profissionais já fizeram. Esquecem das Ferrari, das Direções que roubaram dinheiro destinado a instituição. Tudo isso é culpa do governo? falta de investimento? mas os desviadores? vão ser punidos e ladrões? que nada, punidoé o povo todos os dias. continuar lendo

O SUS só será algo de valor quando os políticos passarem a utilizá-lo também.
Para a população resta pagar mais um "imposto" e contratar plano de saúde.

Para entender a diferença entres os planos que existem:

https://planosesaude.com.br continuar lendo

Nessa minha trajetória profissional, nos Ames que ainda são um novo serviço e que gatinha na questão de conseguir um atendimento que garanta a Integralidade, vejo que já conseguimos alguns resultados positivos incluindo a mudança da missão desses Ames.
Me lembro quando comecei a trabalhar no Ame em 2009, que a Missão era “Realizar diagnostico e conduta terapêutica” . Que significa o que mesmo? Realizar o diagnóstico e mandar de volta com o município que não dá conta nem de realizar uma primeira consulta em menos de 4 meses??
Observando isso começamos a nos preocupar em como conseguir a sequência desse atendimento ..... assim conseguimos junto a Secretaria de Saúde de SP e DRS , algumas portas de atendimento via sistema Cross que nos ajudou muito e para alguns pacientes esse atendimento passou a ser integral. Alguns serviços, perante minha avaliação merecem destaque como o Hospital Brigadeiro e Ame Barradas...
Ficava e fico muito feliz qd ouço que um paciente foi no Brigadeiro e já teve até sua cirurgia realizada ou com encaminhamento certo.
Fico feliz também como os nossos Ames que com certeza trouxeram um alívio em muitos vazios assistenciais.
Mas é justamente olhando tudo isso de perto que chego a conclusão que não falta recurso e sim a administração desses recursos .... creio que o trabalho que realizamos com nossas DRS deveriam se multiplicar para todo o Estado para que se alcance muito mais pessoas necessitadas para esses recursos muitas vezes desperdiçados.
E também copiar diversas boas idéias que certamente existem ocultas em alguns serviços...
O Brasil que eu quero?
Quero conseguir ajudar a minimizar no que for possível a dor das pessoas que estão ou nem estão nessas filas vergonhosas que esperando atendimento com solução dos seus problemas de saúde . Não me sinto orgulhosa quando alguém me agradece porque consegui agendar um exame/consulta ou cirurgia que esperava há meses ou anos... sinto vergonha ............. afinal ela nem deveria ter esperado. continuar lendo