Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
22 de Fevereiro de 2024
    Adicione tópicos

    MPF/SC denuncia investigados na Operação Influenza

    há 15 anos

    O Ministério Público Federal em Santa Catarina apresentou, no último dia 13 de março, a Denúncia Criminal no Inquérito Policial relativo à Operação Influenza. Na peça, o MPF denunciou 31 pessoas, acusadas de quadrilha, falsidade documental, crimes financeiros (arts. , e 19 da Lei n. 7.492 /86), corrupção ativa, tráfico de influência, estelionato, lavagem de dinheiro, e fraude à licitação.

    As penas variam, conforme a participação de cada um dos denunciados, de um ano de reclusão (mínima), até a pena máxima de 120 anos de reclusão (limitada a 30 anos, conforme a Constituição da Republica). A denúncia, elaborada pela Procuradoria Especializada de Combate ao Crime Organizado (PECCO), trata somente daqueles fatos cuja investigação encontra-se exaurida. Por isso, o MPF requer, ainda, o prosseguimento das investigações.

    Na oportunidade, o MPF também ajuizou manifestação para que fosse mantida a decisão da Justiça Federal, de setembro do ano passado, que anulou as escutas telefônicas produzidas na Justiça Estadual, mas que fossem consideradas lícitas e legítimas todas as provas angariadas em juízo competente. Conforme a JF, as escutas telefônicas foram anuladas sob fundamento de ausência de distribuição (todas as autorizações partiram do Juiz Estadual plantonista), por falta de devida formalização do respectivo procedimento e também por falta de ciência ao MP. Conforme o MPF, seria extremamente injusto transpor-se tais ilegalidades às provas legitimamente produzidas perante o Juízo Federal. Os procedimentos foram totalmente diversos, não havendo motivos para que as provas recolhidas no Juízo Federal tenham o mesmo destino daquelas anuladas.

    Além do ex-superintendente do Porto de Itajaí, Wilson Francisco Rabelo, foram, também, denunciados: Francisco Carlos Ramos, Antônio Iafalice, Antônio Augusto Pires Júnior, Theodorus Antonius Zwijnenberg, Luis Gustavo Figueiredo Pereira da Silva, Sérgio Yokogawa, Ney Machado De Souza, Roberta Barros Becheli Rosales, Miguel Murad Varella, Joaquim Roberto Vanhoni, Carlos Alberto Wanzuit, Reidil Cleber Cesca, João Quimio Nojiri, Marcelo Moreira, Carlos Vanhoni Neto, Dayane Bento, Nelson Arno Maul, Anderson Regis Saladino, Alexandre Augusto Sil, Roberto Luiz Marcon, Antonio Maurício Dos Santos Torrens, Leandro Pereira Farias, Melissa Devesa Marchett, Nome, Anderson Jorge Saldanha, Normélio Pedro Weber, Luiz Carlos Mendes, Gaspar Laus, Wilson Francisco Rabelo Júnior e Ana Cristina Da Silva.

    A ação corre, em segredo de justiça, perante a 1ª Vara Federal Criminal de Florianópolis, especializada em crimes financeiros, lavagem de dinheiro e organizações criminosas.

    Ação: 2008.72.00.006744-6

    • Publicações37267
    • Seguidores702
    Detalhes da publicação
    • Tipo do documentoNotícia
    • Visualizações1632
    De onde vêm as informações do Jusbrasil?
    Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
    Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/noticias/mpf-sc-denuncia-investigados-na-operacao-influenza/948231

    Informações relacionadas

    Correio Forense
    Notíciashá 16 anos

    Operação Influenza: nota da Justiça Federal em Santa Catarina

    Superior Tribunal de Justiça
    Jurisprudênciahá 4 anos

    Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp XXXXX MG XXXX/XXXXX-9

    Franciana Vaz, Advogado
    Modeloshá 4 anos

    Modelo de Petição Administrativa ao INSS

    Bernardo César Coura, Advogado
    Notíciashá 8 anos

    Não é possível o registro de usucapião de lote integrante de loteamento ou desmembramento clandestino

    Petição - TJMT - Ação Improbidade Administrativa - Ação Civil Pública Cível - de Ministério Público do Estado de Mato Grosso e Estado de Mato Grosso

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)