Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
21 de Junho de 2024
    Adicione tópicos

    O atraso não significativo para o pagamento das férias não justifica o pagamento em obro, assim foi decidido pelo TRT3

    há 8 meses

    Foi decidido por unanimidade pelos julgadores da Décima Turma do TRT-MG, dar provimento ao recurso de uma empresa para excluir a condenação de pagar a dobra da remuneração de férias que, embora devidamente concedidas ao ex-empregado, foram quitadas com pequeno atraso. A decisão se baseou em julgamento recente do Supremo Tribunal Federal, no qual se reconheceu a inconstitucionalidade da Súmula 450 do TST, que dispunha sobre a obrigação de remuneração dobrada das férias, quando, ainda que corretamente usufruídas, tenham sido pagas pelo empregador fora do prazo previsto no artigo 145 da CLT, que é de “até dois dias antes do início do período”.

    As férias em questão foram usufruídas pelo trabalhador entre os dias 1º/3/2019 e 31/3/2019. Apesar de haver um recibo assinado pelo ex-empregado e datado de 28/2/2019, foi provado que o pagamento foi realizado por meio de cheque, cuja compensação ocorreu somente dois dias úteis após seu recebimento, ou seja, no dia 3/3/2019. Em função disto, a sentença oriunda da 2ª Vara do Trabalho de Juiz de Fora condenou a empresa a pagar ao ex-empregado o valor correspondente à dobra das férias + 1/3, do período aquisitivo de 2017/2018.

    Entretanto, ao excluir a condenação em seu voto, que foi seguido pelos demais julgadores, o desembargador Marcus Moura Ferreira, relator do recurso, registrou que o Supremo Tribunal Federal, por ocasião do julgamento da ADPF (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental) nº 501, em 5/8/2022, declarou a inconstitucionalidade da Súmula 450 do TST. A súmula dispõe que: “É devido o pagamento em dobro da remuneração das férias, incluído o terço constitucional, com base no art. 137 da CLT, quando, ainda que gozadas na época própria, o empregador tenha descumprido o prazo previsto no art. 145 do mesmo diploma legal”. Como visto, a norma celetista estipula que o pagamento das férias, incluído o terço constitucional, deve ser efetuado “até dois dias antes do início do respectivo período”.

    O relator, segundo o seu entendimento confirma a decisão do STF confirma a jurisprudência do próprio TST e dos TRTs, que já vinha interpretando a Súmula 450 de forma mais restrita, reservando o direito ao pagamento em dobro das férias apenas aos casos em que eram concedidas sem o pagamento ou com atraso significativo. “É cristalina, portanto, a superação do entendimento contido no verbete em comento, o que justifica, nos termos do art. 489, § 1º, VI, do CPC, o afastamento de sua aplicação ao caso concreto”, concluiu. Houve recurso de revista, que não foi admitido. O trabalhador recorreu novamente e o processo ainda está no prazo para apresentação de contrarrazões.

    (Fonte: TRT-3)

    • Sobre o autorDireito trabalhista - Direito família - Direito Previdenciário - Direito Civil
    • Publicações43
    • Seguidores30
    Detalhes da publicação
    • Tipo do documentoNotícia
    • Visualizações50
    De onde vêm as informações do Jusbrasil?
    Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
    Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/noticias/o-atraso-nao-significativo-para-o-pagamento-das-ferias-nao-justifica-o-pagamento-em-obro-assim-foi-decidido-pelo-trt3/1995816198

    Informações relacionadas

    Ponto Jurídico, Advogado
    Notíciashá 8 meses

    Gestante contratada por tempo determinado pela administração pública tem direito à licença-maternidade

    Tribunal de Justiça de São Paulo
    Jurisprudênciahá 5 anos

    Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Criminal: APR XXXXX-21.2016.8.26.0602 SP XXXXX-21.2016.8.26.0602

    Hiromoto Advocacia, Advogado
    Notíciashá 8 meses

    TRT3: Decide que atraso não significativo na quitação das férias não justifica pagamento em dobro

    Olimpio Neto ADV, Advogado
    Notíciashá 8 meses

    Gestante contratada por tempo determinado pela administração pública tem direito à licença-maternidade, decide STF

    Jornada Trabalhista e Previdenciária, Administrador
    Notíciashá 8 meses

    ‘Passou da hora’ de o Brasil discutir jornada semanal de 4 dias, diz ministro do Trabalho

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)