Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
26 de Maio de 2024

Decisão do TJSP sobre o afastamento da Súmula 377 do STF por pacto antenupcial

Avanço na valorização da autonomia privada e da liberdade individual.

Publicado por Flávio Tartuce
há 6 anos

Decisão do TJSP representa avanço em casos de pacto antenupcial, segundo especialista

Fonte: Assessoria de Comunicação do IBDFAM

O pacto antenupcial é o contrato formal firmado entre os noivos anterior ao casamento, em que as partes regulamentam questões patrimoniais, como a escolha do regime de bens que vigorará entre eles durante o matrimônio. No entanto, apesar de aparentar ocorrer de forma simples, este ato gera muitas dúvidas em diversas situações.

Recentemente, o tema ganhou destaque após uma decisão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, que garantiu: nas hipóteses em que se impõe o regime de separação obrigatória de bens, é dado aos nubentes, por pacto antenupcial, prever a incomunicabilidade absoluta dos aquestos, afastando a incidência da súmula n. 377 do Excelso Pretório, desde que mantidas todas as demais regras do regime de separação obrigatória.

Para o advogado Flávio Tartuce, diretor nacional do IBDFAM, a decisão da Corregedoria Geral do Tribunal Paulista representa um grande avanço na valorização da autonomia privada e da liberdade individual.

“Isso possibilita, por meio do afastamento da Súmula n. 377 do STF em pacto antenupcial, uma importante ferramenta de planejamento familiar e sucessório. Além disso, reconhece-se a licitude de um ato que conduz à extrajudicialização e à redução de burocracias no âmbito do Direito Civil”, afirma o jurista.

Tartuce ainda destaca os pontos controvertidos com a decisão. “Apesar da posição de parte considerável da doutrina, alguns aplicadores do Direito viam na possibilidade de afastamento da Súmula n. 377 do STF uma fraude ao regime da separação obrigatória de bens, previsto no art. 1.641 do Código Civil. Porém, muito ao contrário, esse afastamento faz com que a separação legal passe a ser uma legítima separação absoluta, em que nada se comunica. O entendimento adotado pelo Tribunal Paulista afasta essa transmudação, por iniciativa prévia dos próprios cônjuges que assim se manifestam perante o Tabelionato de Notas”, diz.

Em 2016, o Tribunal de Justiça de Pernambuco se destacou com um ato normativo, Provimento nº 8, do desembargador Jones Figueiredo, diretor nacional do IBDFAM, que admitiu o afastamento da Súmula 377 do STF por pacto antenupcial. A aplicação foi elogiada à época e também lembrada por Tartuce, que ressalta o reconhecimento extrajudicial da parentalidade socioafetiva, regulamentada no final de 2017 pelo Conselho Nacional de Justiça.

Leia mais sobre o assunto no artigo “Separação obrigatória com pacto antenupcial? Sim, é possível?”, de José Fernando Simão, diretor nacional do IBDFAM.*

  • Publicações1317
  • Seguidores20400
Detalhes da publicação
  • Tipo do documentoNotícia
  • Visualizações27227
De onde vêm as informações do Jusbrasil?
Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/noticias/decisao-do-tjsp-sobre-o-afastamento-da-sumula-377-do-stf-por-pacto-antenupcial/547926856

Informações relacionadas

Solange Lima, Bacharel em Direito
Modeloshá 3 anos

Inexistência de lapso temporal para configuração de união estável e o direito patrimonial do convivente.

André Franco, Advogado
Notíciashá 6 anos

STJ dá nova interpretação à Súmula 377, do STF.

Gustavo a Pacher, Estudante de Direito
Artigoshá 8 meses

Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR)

Rodrigo Comi Hobaica, Estudante de Direito
Artigoshá 8 anos

Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural

Adryelle Gomes, Advogado
Artigoshá 8 anos

A imunidade e a isenção de impostos às Entidades Sem Fins Lucrativos

17 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Eu sou da opinião q tudo q as partes contratam, se for por autonomia da vontade e agentes capazes, têm q prevalecer. Se as partes decidem q não querem q nada, absolutamente nada, antes, durante ou depois de contraída núpcias, se comunique, elas têm todo o direito de determinar isso. continuar lendo

Amém!
Porque não fazia o menor sentido os particulares nubentes, voluntariamente, disporem de vontade anulável, eivada de eficácia, mesmo sendo facultada pelo regramento civilista. continuar lendo

De fato. Se existe um pacto antenupcial que determina a separação de bens, a Súmula 377 não faz sentido ao decidir que os bens adquiridos na constância teriam comunicabilidade. Contudo, acho que a Sumula veio tão somente para proteger aquele que nesta relação poderia estar sendo defraudado.. mas o afastamento dela constitui a prevalência da vontade das pwrtes neste particular. continuar lendo

por favor o senhor teria o numero deste processo? deve ter tramitado em segredo de justiça, mas... continuar lendo