Página 520 da Caderno 2 - Entrância Final - Capital do Diário de Justiça do Estado da Bahia (DJBA) de 13 de Maio de 2021

Diário de Justiça do Estado da Bahia
mês passado
Por que esse conteúdo está aqui?
O Jusbrasil não cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Replicamos somente informações que foram veiculadas pelos órgãos oficiais.Toda informação aqui divulgada é pública e pode ser encontrada, também, nos sites que publicam originalmente esses diários.

Cuidam-se de embargos de declaração interpostos pelo INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL 0 INSS, em face da sentença que julgou procedente o pedido, concedendo à Autora o benefício auxílio-doença, insurgindo-se no tocante à data de início do benefício (DIB), que foi fixada pelo juiz no dia da incapacidade constatada pelo perito, e não na data do requerimento administrativo, acrescentando entre a data fixada pelo perito e a data do requerimento administrativo já havia sido ultrapassado o prazo de 30 (trinta) dias, devendo, assim, o início do pagamento ocorrer a partir do requerimento, nos termos do art. 60, § 1º, da Lei 8.213/91. Asseverou, ainda, que o pedido da Autora é para que a concessão ocorra a partir do requerimento, e que a fixação em data anterior configura julgamento ultra petita, estando, assim, a sentença eivada de vício ante ao erro material aqui apontado, e por isto pugnou pelo acolhimento dos embargos a fim de corrigi-lo fixando, a DIB em 27/05/2015. Intimada, a Embargada ofereceu contrarrazões ao recurso, aduzindo que não existe o erro apontado, devendo o benefício auxílio-doença acidentário englobar todos os períodos em que se encontrava incapacitado para o trabalho, requerendo a manutenção da sentença. É o relatório, no essencial. Inicialmente, recebo os embargos de declaração eis que interpostos tempestivamente, em razão do quanto disposto no art. 1023 do CPC/2015. Como sabido, os embargos de declaração se prestam a sanar omissão, contradição ou obscuridade presente nas decisões proferidas, cingindo-se ao aspecto material, não servindo como meio hábil para atingir o respectivo mérito (artigo 1.022, incisos I, II e III do CPC/2015). Assim, cumprem a finalidade de esclarecer, tornar claro o julgado, sem lhe modificar, em princípio, sua substância, não se operando novo julgamento, pois simplesmente devem afastar pontos contraditórios, suprir omissões e esclarecer obscuridades porventura encontradas na decisão objurgada. No caso em apreço, o Embargante aduz que a sentença embargada encontra-se eivada do vício, para tanto sustentando a existência de erro material/contradição no decisum atacado, especificamente no tocante à data de início do benefício, uma vez que esta foi fixada no dia apontado pelo perito, quando o correto seria do dia do requerimento administrativo, estando a decisão contrariando o art. 60, § 1º, da Lei 8.213/91, estatuindo o referido dispositivo que quando requerido por segurado afastado da atividade por mais de 30 (trinta) dias o auxílio-doença será devido a contar da data da entrada do requerimento administrativo. No caso em tela, analisando detidamente os autos verifico que assiste razão ao Embargante quanto à existência de erro material, uma vez que não fora observado que a entrada do requerimento ultrapassa os trinta dias em que o Segurado se encontrava afastado das suas atividades laborais, por isso a DIB deve ser fixada no dia em que houve a entrada do requerimento administrativo, ou seja, no dia 27/05/2015 (Id. 361558 - p. 1). Desta maneira, a sentença hostilizada se ressente do vício que lhe foi imputada, sendo o recurso escolhido pelo Réu/embargante o instrumento adequado para a impugnação do provimento judicial em testilha. Pelo exposto, acolho os embargos de declaração interpostos pelo INSS, e corrijo o erro material na sentença embargada no tocante ao benefício concedido, procedendo a correção do dispositivo do decisum acostado em Id.60713049, nos seguintes termos: “Ante o exposto, julgo procedente o pedido com base nos artigos 10, 19 e 59 da Lei 8.213/91, confirmando, nos seus limites, os efeitos da tutela antecipada outrora deferida, condenando o INSS a conceder à Autora o benefício auxílio-doença, com data de início em 27/05/2015, enquanto perdurar a incapacidade laborativa, ficando a Acionante, contudo, obrigada a se submeter aos exames médicos-periciais na periodicidade determinada pelo Réu, ou a processo de reabilitação profissional para o exercício de outra atividade, se for o caso, sempre que convocada, observada a Lei 8.213/1991 e suas modificações para a manutenção do benefício concedido. Condeno ainda o ente previdenciário demandado a efetuar o pagamento da verba apurada, se houver, de forma retroativa, compreendendo todos os valores devidos e não pagos, a partir do dia 27/05/2015, observando-se a prescrição quinquenal, compensando-se as parcelas por recebidas pela Autora na titularidade de qualquer outro benefício não acumulável no mesmo período, acrescidas de correção monetária e juros de 0,5% (meio por cento) ao mês, e, a partir desta data, com a incidência, uma única vez, até o efetivo pagamento, dos índices oficiais de remuneração básica e juros aplicados à caderneta de poupança, de acordo com o artigo 1ª-F, da Lei nº. 9.494, de 10 de setembro de 1997, modificado pela Lei nº 11.960, de 29 de junho de 2009.” No mais, fica integralmente mantida a decisão pelos seus próprios fundamentos, e como corolário reaberto o prazo para interposição de outros recursos por qualquer uma das partes. Publique-se e intimem-se. Salvador/BA, 21 de setembro de 2020 Benedito da Conceição dos Anjos Juiz de Direito

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA VARA DE ACIDENTES DO TRABALHO DESPACHO 8000337-10.2015.8.05.0001 Procedimento Comum Cível Jurisdição: Salvador - Região Metropolitana Autor: Joelma Pereira Da Mota Advogado: Livia Da Silva Lobo (OAB:0030994/BA) Reu: Instituto Nacional Do Seguro Social - Inss

Despacho: PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA Comarca de Salvador