Busca sem resultado
jusbrasil.com.br
29 de Maio de 2024
    Adicione tópicos

    Regime de bens de casamento anterior ao novo Código pode ser alterado

    Publicado por Expresso da Notícia
    há 18 anos

    É possível a alteração do regime de bens de casamentos celebrados antes da vigência do novo Código Civil . O entendimento é da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), seguindo voto da ministra Nancy Andrighi ( foto ), para quem os fatos anteriores à alteração e os efeitos passados do regime anterior permanecem sob a regência do Código de 1916 ; a nova lei passa a reger a relação do casal a partir da alteração do regime de bens.

    A decisão coincide com o entendimento firmado pela Quarta Turma do Tribunal, que, junto com a Terceira, integra a Segunda Seção, responsável pelo julgamento das questões envolvendo Direito Privado. No julgamento da outra Turma, o ministro Jorge Scartezzini relatou recurso especial no qual concluiu que não se trata de retroatividade de lei, mas da aplicação de norma geral com efeitos imediatos.

    A decisão acolheu pedido de alteração do regime de bens feito por um casal do Paraná, casados sob o regime de separação de bens por imposição legal, já que eram menores à época – tinham 17 anos – em que celebrado o casamento, em 1998.

    Em primeira instância, concluiu-se que o regime foi adotado por imposição de lei e que os cônjuges não poderiam pedir posteriormente a alteração “ainda que em comum acordo e que tenha desaparecido a causa que determinou de regime legal”. O tribunal estadual, contudo, reformou essa decisão, entendendo que a alteração do regime de casamento pode ser feita a qualquer tempo. Daí o recurso do Ministério Público ao STJ, no qual argumenta que o artigo o parágrafo 2º do artigo 1639 do Código de 2002 tem aplicação restrita aos casamentos celebrados depois da entrada em vigor da nova legislação.

    Ao apreciar o recurso, a ministra Nancy Andrighi explica que o antigo Código proibia a alteração do regime de bens para os casamentos celebrados sob a sua vigência, enquanto o de 2002 permite, desde que sejam cumpridos determinados requisitos (como serem apuradas as razões apresentadas pelos cônjuges para a modificação do regime, assim como a proteção aos direitos de terceiros que eventualmente sejam atingidos pelos efeitos da alteração).

    A relatora destaca, ao manter a decisão do Judiciário paranaense, que o TJ permitiu a alteração porque foram satisfeitos os requisitos previstos em lei e também por não se justificar a manutenção do regime de separação obrigatória se a causa da imposição legal já cessou ante a maioridade dos cônjuges. Entende a ministra ser necessário distinguir os fatos e os efeitos anteriores ao novo Código que, a seu ver, permanecem sob a regência da lei antiga. “Todavia, a partir da alteração do regime de bens, passa o Código Civil de 2002 a reger a nova relação do casal”, conclui.

    Processo: REsp 821807

    Leia, abaixo, a íntegra da decisão, e a seguir o texto "Entenda a decisão", de autoria da Ministra Nancy Andrighi:

    "RECURSO ESPECIAL Nº 821.807 - PR (2006/0036029-5)

    RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ

    RECORRIDO : D M Z E CÔNJUGE

    ADVOGADO : FABRÍCIO ROGÉRIO BECEGATO

    Relatora: MINISTRA NANCY ANDRIGHI

    RELATÓRIO

    Recurso especial interposto pelo MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, com fundamento na alínea a do permissivo constitucional, contra acórdão exarado pelo TJ/PR.

    Procedimento de jurisdição voluntária: pedido de alteração de regime de bens formulado pelo casal D. M. Z. e L. F. S., ora recorridos.

    Sustentam que são casados pelo regime de separação de bens, por imposição legal ( art. 258, parágrafo único, inc. I, do CC/16 ), porque ambos eram menores à data da celebração do casamento, em 5/12/1998 (contavam com 17 anos de idade).

    Em razão da maioridade e conseqüente plena capacidade dos recorridos, além do bom relacionamento que mantêm, postulam a alteração do regime de bens para o de comunhão parcial, com fundamento nos arts. 1.639, § 2º,

    e 2.039 do CC/02 .

    Decisão: ao argumento de que se o regime de bens foi adotado por imposição legal não podem os cônjuges requerer sua alteração posterior,"ainda que em comum acordo, e ainda que tenha desaparecido a causa que determinou a adoção de regime legal"(fl. 22), não podendo, portanto, ser invocado o art. 1.639 do CC/02 , o pedido foi indeferido.

    Acórdão: conferiu provimento ao recurso de apelação interposto pelos recorridos, nos termos da ementa a seguir:

    (fl. 62) - APELAÇÃO CÍVEL - DIREITO DE FAMÍLIA - ALTERAÇÃO DE REGIME DE BENS DO CASAMENTO - ADMISSIBILIDADE - A ALTERAÇÃO DO REGIME DE BENS PODE SER PROMOVIDA A QUALQUER TEMPO, SE PREENCHIDOS OS RESPECTIVOS REQUISITOS - AUSÊNCIA DE VEDAÇÃO LEGAL - APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA ISONOMIA CONSTITUCIONAL - DECISÃO REFORMADA - RECURSO PROVIDO.

    Recurso especial: interposto sob alegação de ofensa aos arts. 1.639, § 2º, e 2.039, do CC/02 , por entender que não é possível a alteração do regime de bens de casamento celebrado anteriormente à entrada em vigor do Código Civil de 2002 .

    Sustenta o recorrente que o art. 1.639, § 2º, do CC/02 tem"aplicação restrita aos casamentos celebrados posteriormente à nova legislação"(fl. 77), e que interpretação em sentido contrário, conforme a dada pelo acórdão impugnado, afronta o princípio da segurança jurídica, notadamente porque o CC/16 dispunha expressamente acerca da irrevogabilidade do regime de bens ( art. 230 ).

    Assevera, ainda, quanto ao fundamento utilizado pelo TJ/PR de que a recusa de aplicação do art. 1.639, § 2º, do CC/02 afrontaria o princípio da isonomia no tratamento jurídico dispensado a pessoas que porventura se encontrem em igual situação de casados, que a referida igualdade de tratamento"diz respeito àqueles que se casaram sob a égide do Código de 1916, sujeitos à disciplina do art. 2.039, do atual Código Civil , e aqueles que convolaram núpcias a partir da Lei n.º 10.406 /2002 , autorizados a pleitear a alteração do regime

    patrimonial, segundo o seu artigo 1.639, § 2º "(fl. 78).

    Desse modo, a questão é, ao entender do recorrente, de respeito aos princípios da legalidade e da segurança jurídica, sem descurar que a aludida isonomia foi atendida de acordo com o critério adotado pelo legislador.

    Por fim, argumenta no sentido da irretroatividade do CC/02 , não podendo alcançar um ato jurídico perfeito realizado sob a égide do CC/16 .

    Contra-razões: às fls. 95/100.

    Parecer MPF (fls. 120/124): o i. Subprocurador-Geral da República, Henrique Fagundes, opinou pelo não conhecimento do recurso especial.

    É o relatório.

    RECURSO ESPECIAL Nº 821.807 - PR (2006/0036029-5)

    RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI

    RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ

    RECORRIDO : D M Z E CÔNJUGE

    ADVOGADO : FABRÍCIO ROGÉRIO BECEGATO

    VOTO

    A EXMA. SRA. MINISTRA NANCY ANDRIGHI (Relatora): Trata a hipótese de pedido de alteração de regime de bens formulado pelos recorridos, casados em 5/12/1998, sob o regime obrigatório de separação de bens, por imposição do art. 258, parágrafo único, inc. I, do CC/16 . Pugnam pela alteração para o regime de comunhão parcial de bens.

    - Da violação aos arts. 1.639, § 2º, e 2.039, do CC/02

    O Tribunal de origem acolheu o pedido de alteração de regime, ante a seguinte fundamentação:

    (fls. 66/67) - A alteração do regime de bens vem contemplada no art. 1.6399 ,§ 2ºº , doCódigo Civill . O dispositivo subordina a mudança de regime a requisitos específicos, estabelecendo que para a alteração do regime será exigido pronunciamento judicial, requerimento de ambos os cônjuges, os quais deverão justificar a pretensão, uma vez apurada a plausibilidade do deferimento, ressalvando os direitos de terceiros.

    Desse modo, presentes os requisitos autorizadores da mudança de regime, quais sejam, a procedência das razões invocadas e o devido resguardo aos direitos de terceiros, não há razão de não se conceder a autorização judicial para a mudança de regime de bens.

    Não é válido considerar que o artigo 2039 , do Código Civil veda tal prática, pois esta não é a melhor explicação que se faz do mencionado dispositivo. Assim dispõe o art. 2039 , do Código Civil :

    "o regime de bens nos casamentos celebrados na vigência do Código Civil anterior , Lei nº 3.071 , de Primeiro de janeiro de 1916 , é por ele estabelecido".

    O artigo 2039 , do Código Civil atua como regra de transição, acerca da estabilidade dos regimes de bens, que constituíram sob a vigência do Código Civil de 1916 . (fl. 69) - Salienta-se ainda, que a recusa de aplicação da norma do artigo 1.639 , § 2º , do Código Civil aos casamentos celebrados na vigência do Código velho, quando presentes os requisitos legais que informam a justa pretensão, seria, portanto, afronta ao princípio da isonomia no tratamento jurídico dispensável a pessoas que se encontrem em igual situação de casadas.

    Para assegurar a observância desse princípio fundamental de nosso ordenamento jurídico, faz-se imprescindível a aplicação da norma legal aos casamentos realizados a qualquer tempo, sem distinguir os antigos e os novos. Assim, é possível a alteração do regime de bens,

    mesmo para os casamentos realizados sob a vigência do Código Civil de 1916 , por questão de isonomia constitucional.

    A interpretação conjugada dos arts. 1.639, § 2º, 2.035 e 2.039, do CC/02 , serve como lastro para a conclusão do acórdão impugnado.

    Ingressa a legislação brasileira, quanto à matéria, na esteira do que já dispõem os ordenamentos jurídicos da Alemanha, da Itália, da Espanha, da Suíça, da França, da Bélgica, de Portugal e da Costa Rica.

    Conquanto tenha o CC/16 consagrado em seu art. 230 a imutabilidade do regime de bens adotado quando da celebração do casamento, o pensamento jurídico predominante sempre se inclinou no sentido de amenizar dita irrevogabilidade, para permitir a mudança de regime quando assim previsto em pacto antenupcial e condicionado a determinadas circunstâncias, tais como o advento de prole.

    A aplicação, contudo, a casamentos celebrados anteriormente à entrada em vigência do Código Civil de 2002 , da regra inserta no seu art. 1.639, § 2º , que modifica substancialmente a questão jurídica posta a desate, ao prever expressamente a possibilidade de alteração do regime de bens, desde que cumpridos determinados requisitos, deve ser analisada ante a perspectiva do direito intertemporal dada pelo art. 2.035 em combinação com o art. 2.039 , ambos do CC/02 .

    A doutrina majoritária tem conferido solução no sentido de que as disposições gerais sobre regime de bens, contidas nos arts. 1.639 a 1.657 do CC/02 , são perfeitamente aplicáveis aos casamentos celebrados anteriormente à entrada em vigência do Código Civil de 2002 (11/1/2003). Isso porque ressai, do art. 2.039 do CC/02 , a nítida conclusão de que sua disciplina refere-se tão-somente às regras específicas de cada regime, expressas nos arts. 1.658 a 1.688 do CC/02 , excluindo, por conseguinte, de seu campo de incidência, as disposições comuns a todos os regimes de bens, denominadas de"regime matrimonial primário".

    Dentre os doutrinadores que manifestam o referido entendimento,

    destacam-se:

    i) Francisco José Cahali, in A Súmula nº 377 e o novo Código Civil e a mutabilidade do regime de bens, texto publicado na Revista do Advogado, Ano XXIV, Jun/2004, n.º 76, p. 27/32;

    ii) Érica Verícia de Oliveira Canuto, in Regime de bens - Mutabilidade do regime patrimonial de bens no casamento e na união estável - conflito de normas, texto publicado na Revista Brasileira de Direito de Família, Ano V, n.º 22, Fev-Mar/2004, p. 151/165;

    iii) Heloisa Helena Barboza, in Alteração do regime de bens e o artigo 2.039 do Código Civil , texto publicado na Revista Forense, V. 372, Ano 100, Mar-Abr/2004, p. 101/107;

    iv) Sérgio Gischkow Pereira, in Observações sobre os regimes de

    bens e no novo Código Civil , texto publicado na Revista Brasileira de Direito de Família, Ano VII, n.º 30, Jun-Jul/2005, p. 5 /25;

    v) Hércules Aghiarian, in Da modificação do regime de bens, texto publicado no Boletim Doutrina ADCOAS, Ano VII, n.º 2, 2ª quinzena - jan/2004, p. 32/37.

    Não se pode deixar de prestar a devida reverência ao saudoso Orlando Gomes, que já defendia a possibilidade de mudança do regime de bens muito antes da modificação legal da Lei Civil e que, certamente, inspirou o legislador e, inclusive, a jurisprudência anterior ao advento do Código Civil de 2002 que se formou no sentido de mitigar a cogência da irrevogabilidade expressa em lei.

    Cogita-se, ademais, que a interpretação da norma no sentido de vedar a possibilidade de mudança de regime para aqueles que casaram antes de 11/1/2003, instigaria a busca de uma via transversa para o alcance do objetivo, qual seja, a simulação de um divórcio para posterior casamento com adoção do regime escolhido.

    Do mesmo modo, é importante frisar o corolário da hermenêutica ajustada ao primado da facilitação da liberdade e da auto-regulação das relações privadas.

    Assim sendo, perfeitamente aplicável a regra do art . 1.639, § 2º, do CC/02 , a casamento celebrado sob a égide do CC/16 , para admitir a possibilidade de alteração do regime de bens adotado por ocasião do matrimônio, desde que ressalvados os direitos de terceiros e apuradas as razões invocadas pelos cônjuges para tal pedido, por se tratar de norma geral com efeitos imediatos ( art . 2.035 do CC/02 ).

    O Tribunal Estadual analisou, na hipótese sob julgamento, os requisitos autorizadores da alteração do regime de bens e concluiu pela sua viabilidade, porque os recorridos invocaram como razões da mudança a cessação da incapacidade civil interligada à causa suspensiva da celebração do casamento a exigir a adoção do regime de separação obrigatória, além da estabilidade do relacionamento entre eles mantido. Da mesma forma, ressalvaram-se os eventuais direitos de terceiros.

    A peculiaridade aqui reside unicamente na obrigatoriedade, por ocasião da celebração do casamento, da adoção do regime de separação de bens, na dicção do art. 258, parágrafo único, inc. I, do CC/16 .

    Nesse particular, a doutrina também já se manifestou no sentido de que, por elementar questão de razoabilidade e justiça, o desaparecimento da causa suspensiva durante o casamento e a ausência de qualquer prejuízo ao cônjuge ou a terceiro, permite a alteração do regime de bens, antes obrigatório, para o eleito pelo casal, notadamente porque cessada a causa que exigia regime específico (Luiz Felipe Brasil Santos, in Autonomia da vontade e os regimes matrimoniais

    de bens, texto publicado em: Chaves, Adalgisa Wiedemann et al. Direitos Fundamentais do Direito de Família. Coordenadores: Pedro Welter, Rolf Hanssen Madaleno. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2004, p. 218).

    De toda forma, mostra-se necessária a distinção no que se refere aos fatos anteriores e os efeitos pretéritos do regime anterior, que permanecem, por certo, sob a regência da lei antiga. Todavia, a partir da alteração do regime de bens, passa o CC/02 a reger a nova relação do casal. Por isso, não há se falar em retroatividade da Lei Civil, vedada pelo art. , inc. XXXVI , da CF/88 , e sim em aplicação de norma geral com efeitos imediatos.

    Por fim, sobressai precedente da Quarta Turma do STJ, de relatoria do i. Min. Jorge Scartezzini, no qual se decidiu questão semelhante, guardadas as peculiaridades fáticas inerentes a cada processo. Segue reproduzida a ementa do julgado:

    CIVIL - REGIME MATRIMONIAL DE BENS - ALTERAÇÃO JUDICIAL - CASAMENTO OCORRIDO SOB A ÉGIDE DO CC/1916 (LEI Nº 3.071)- POSSIBILIDADE - ART. 2.039 DO CC/2002 (LEI Nº 10.406) - CORRENTES DOUTRINÁRIAS - ART. 1.639, § 2º, C/C ART. 2.035 DO CC/2002 - NORMA GERAL DE APLICAÇÃO IMEDIATA.

    1 - Apresenta-se razoável, in casu, não considerar o art . 2.039 do CC/2002 como óbice à aplicação de norma geral, constante do art. 1.639, § 2º, do CC/2002 , concernente à alteração incidental de regime de bens nos casamentos ocorridos sob a égide do CC/1916 , desde que ressalvados os direitos de terceiros e apuradas as razões invocadas pelos cônjuges para tal pedido, não havendo que se falar em retroatividade legal, vedada nos termos do art. , XXXVI, da CF/88 , mas, ao revés, nos termos do art. 2.035 do CC/2002 , em aplicação de norma geral com efeitos imediatos.

    2 - Recurso conhecido e provido pela alínea a para, admitindo-se a possibilidade de alteração do regime de bens adotado por ocasião de matrimônio realizado sob o pálio do CC/1916 , determinar o retorno dos autos às instâncias ordinárias a fim de que procedam à análise

    do pedido, nos termos do art. 1.639, § 2º, do CC/2002 .

    (REsp 730.546/MG , Rel. Min. Jorge Scartezzini, DJ 3/10/2005)

    Por conseguinte e em conclusão, não houve ofensa aos arts. 1.6399,§ 2ºº, e2.0399, doCC/022 , mas adequada aplicação do direito à espécie.

    Forte em tais razões, NÃO CONHEÇO do recurso especial.

    Processo: REsp 821807

    Entenda a decisão

    "É permitida a alteração do regime de bens também em casamentos celebrados na vigência do Código Civil de 1916 .

    O Código Civil de 1916 (art. 230) proibia a alteração do regime de bens, para os casamentos celebrados sob a sua vigência.

    Já o Código Civil de 2002 (art. 1.639, § 2º) permite tal alteração, desde que cumpridos determinados requisitos (devem ser apuradas as razões manifestadas pelos cônjuges para a modificação do regime, como também, devem ficar protegidos os direitos de terceiros que eventualmente sejam atingidos pelos efeitos da alteração).

    Na sessão de julgamento da Terceira Turma, realizada em 19/10/2006, ficou decidido, nos termos do voto da Ministra Nancy Andrighi, que a regra do Código Civil de 2002 , que permite a alteração do regime de bens, vale também para casamentos celebrados antes de sua entrada em vigência (11/1/2003).

    No processo julgado, o casal pediu na Justiça a alteração do regime de bens, explicando que o regime de separação de bens foi imposto por Lei (art. 258, parágrafo único, inc. I, do CC/16 ), porque eram menores à data da celebração do casamento, o que agora se encontra superado, ante a maioridade de ambos.

    O juiz negou o pedido, mas o Tribunal Estadual reformou a sentença para permitir a pretendida alteração do regime de separação obrigatória de bens para o de comunhão parcial.

    O Ministério Público Estadual recorreu ao STJ por entender que não é possível a alteração do regime de bens de casamento celebrado antes da entrada e vigência do Código Civil de 2002 .

    A Ministra Nancy Andrighi não conheceu do recurso especial para manter a decisão do Tribunal Estadual que permitiu a modificação conforme o pedido do casal, porque satisfeitos os requisitos previstos em lei, já especificados acima, além de não se justificar a manutenção do regime de separação obrigatória se a causa da imposição legal já cessou ante a maioridade dos cônjuges.

    Assinalou, ainda, a necessária distinção que deve ocorrer em relação aos efeitos do regime anterior, que continuam sob a regência da lei antiga, enquanto que, a partir da alteração do regime de bens, passa o Código Civil de 2002 a reger a nova relação do casal.

    Importante ainda tecer as seguintes distinções acerca dos regimes de bens previstos no Código Civil de 2002:

    1. Regime de comunhão parcial de bens ( arts. 1.658 a 1.666 ): é a regra geral, se o casal não optar por outro regime; comunicam-se os bens que o casal adquirir na constância do casamento, com as exceções legais.

    2. Regime de comunhão universal de bens ( arts. 1.667 a 1.671 ): se o casal optar por este regime, comunicam-se todos os bens adquiridos pelos cônjuges, antes e no decorrer do casamento, inclusive as dívidas, com as exceções legais.

    3. Regime de participação final nos aqüestos ( arts. 1.672 a 1.686 ): neste regime cada cônjuge possui patrimônio próprio (patrimônio próprio = bens que cada um possuía ao casar e os por ele adquiridos no decorrer da sociedade conjugal). Na época da dissolução do casamento, caberá metade dos bens adquiridos pelo casal na constância da união.

    4. Regime de separação de bens ( arts. 1.687 e 1.688 ): os cônjuges podem estipular livremente em contrato (pacto antenupcial - arts. 1.653 a 1.657 ), antes de celebrado o casamento ( art. 1.639 ), o que melhor lhes convier quanto aos seus bens, isso porque neste regime os bens de cada cônjuge permanecerão sob a sua administração exclusiva.

    5. Regime da separação obrigatória de bens ( art. 1.641 ): é imposto por lei, em razão de alguma situação peculiar dos cônjuges, como por exemplo, se um deles contar com mais de 60 anos de idade na data da celebração do casamento."

    Ministra Nancy Andrighi

    • Publicações8583
    • Seguidores176
    Detalhes da publicação
    • Tipo do documentoNotícia
    • Visualizações25148
    De onde vêm as informações do Jusbrasil?
    Este conteúdo foi produzido e/ou disponibilizado por pessoas da Comunidade, que são responsáveis pelas respectivas opiniões. O Jusbrasil realiza a moderação do conteúdo de nossa Comunidade. Mesmo assim, caso entenda que o conteúdo deste artigo viole as Regras de Publicação, clique na opção "reportar" que o nosso time irá avaliar o relato e tomar as medidas cabíveis, se necessário. Conheça nossos Termos de uso e Regras de Publicação.
    Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/noticias/regime-de-bens-de-casamento-anterior-ao-novo-codigo-pode-ser-alterado/136532

    Informações relacionadas

    Dra Lorena Lucena Tôrres, Advogado
    Artigoshá 7 anos

    Os diversos regimes de bens no Brasil

    Érico Olivieri, Advogado
    Modeloshá 4 anos

    [Modelo] Direito de Família - Apelação em ação de reconhecimento de união estável, alimentos e partilha de bens

    Aluno Direito, Estudante de Direito
    Modelosano passado

    Modelo de Réplica à Contestação do INSS

    Carlos Andre  Donnici Sion, Advogado
    Artigoshá 6 anos

    Lei Nº 13.728 DE 2018. Irretroatividade da Lei? Entenda

    Marília Freitas, Advogado
    Artigoshá 4 anos

    Me divorciei, porém não fiz a partilha dos bens. Posso casar novamente?

    1 Comentário

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

    Bem explicado continuar lendo